Voltar

OS PODRES DO REGIME

25 de Abril de 2014

 

GAL

Governo Alternativo da Luz

Nova Constituição

de Portugal

As Novas Medidas

do GAL

A Nova Arma -

O Voto em Branco

O estado

do Reino

 

 

 

 

ÍNDICE

 

Introdução  

Os Podres em Geral

1 - Maçonaria

2 - Comunismo

3 - Islamismo

4 - Falsas religiões, doutrinas, ideologias, filosofias

Técnicas gerais de actuação

     Contratos a privados e adjudicação de obras

     Grandes urbanizações, aeroportos e alta velocidade

     Viaturas e locomoção pessoal e familiar

     Ausência de Planeamento territorial

     Compra e venda de armamento

     Compra de material circulante

     Recapitulando todos os Podres

Os Podres que vêm do passado - Eça de Queiroz

Os Podres denunciados por Marinho Pinto

Entrevista na TVI

Mário Soares visto por Marinho Pinto

Os Podres denunciados por José Gomes Ferreira

Os Podres denunciados por António Costa

Os Podres na Assembleia da República

A Cantina da Assembleia da República

Mais alguns valores

Denúncia feita por Paulo Morais

PEC - Proposta de Emenda Constitucional

Os Podres nos Assessores e Especialistas

Os Podres com os Políticos e familiares

Os casos mais mediáticos de Corrupção

Tudo sobre os Privilégios dos Políticos

Gastos da Casa Civil do Presidente da República

Senhora com 79 anos é nomeada Assessora na Assembleia da República

Reformas dos Políticos

Confidencialidade das Regalias concedidas aos Políticos

Mário Soares, o político mais “lúcido” de Portugal

Jorge Sampaio, recreia-se e regala-se

José Sócrates

Os Podres nas Empresas do Estado

Altas remunerações na GALP, Carris e CGD - Caixa Geral de Depósitos

CONCLUSÕES

 

 

 

Introdução

 

O expor os Podres deste Regime Republicano em que vivemos, não se destina a apontar o dedo a pessoas, mas sim aos actos, quotidianos e sistemáticos, da corrupção de que enfermam todos os Regimes Republicanos e laicos, pelo mundo fora.

Como sou português, exponho os podres de que todos nós já ouvimos falar, mas que rapidamente caiem no esquecimento. E por isso, quero reavivar a memória colectiva, para que se cimente na nossa consciência de que este regime é mau, e temos, e podemos, mudar o status quo.

O Padre Ottavio Michellini na sua obra “Jesus aos Seus Sacerdotes e fiéis” escreveu que, dada a natureza do homem, seria mais eficaz para a conversão de uma pessoa, a visão do demónio, do que uma Aparição de Nossa Senhora, pois seria tal o susto, que certamente nunca mais apagaria da sua memória a visão de tão horrorosa e terrível criatura, e certamente se converteria.

Por isso apresento alguns dos Podres mais notórios do Regime Político em que vivemos, para as pessoas abrirem os olhos e se horrorizarem com a devassidão que grassa em Portugal, e se decidam pelo Reino de Jesus Cristo, onde impera o Amor.

O defender uma Mudança de Regime não se destina só a defender os pobres, os explorados e injustiçados, mas também para salvar da perdição os que os oprimem, exploram e injustiçam. Não é só por amor aos pobres e aos oprimidos, mas também por amor aos seus opressores, para que não se condenem.

Infelizmente a política que é exercida hoje em dia, em nada corresponde ao que deveria ser, pois em vez de servir os governados, só serve os governantes.

É imperioso  expor os Podres de que enferma o actual Regime Republicano e demo-crático, para instaurar uma sã consciência generalizada que leve a uma mudança radical de pensamentos e corações, para que possa ser a Lei do Amor a dirigir tudo em todos.

Nada da luta de classes defendida pelos comunistas. Nada da livre concorrência defendida pelos capitalistas. Não à globalização e à relatividade.

Sim à Lei do Amor, da Caridade, da Fraternidade, da Solidariedade, em Defesa da Vida, e para serem atingidas a Justiça, a Paz e a Felicidade.

Ensina a sabedoria popular aos miúdos:

Quem tem jeito pa contas, vai pa engenheiro.

Quem tem jeito pa criar, vai p’arquitecto.

Quem tem jeito pa falar, vai p’advogado.

Quem tem jeito p’aldrabar vai pa político.

Também pra lá vai, quem não sabe fazer nada…

E este é o triste ensinamento seguido pelos políticos da nossa praça, que só pensam em “encher o bandulho”, e os outros… “que se lixem”…

 

Texto de Autor desconhecido

 

AOS POLÍTICOS, PARA QUE TENHAMOS UMA TERRA SEM MALES!

Vocês não vêem o quanto é utópico esperar que o povo respeite as leis, se vocês e suas leis não respeitam as ordens prescritas pelo Divino Legislador?

Como podem vocês esperar serem obedecidos e respeitados, se vocês não obedecem ao próprio Deus?

Qualquer lei em oposição aos Dez mandamentos de Deus e ao Sagrado Evangelho, é uma Lei condenada por Deus.

Nós nos dirigimos a vocês, políticos e todas as pessoas ligadas à Legislação Governamental, para lembrar-lhes de seu papel frente à Divina Providência.

«Os homens têm somente um fim e somente um objectivo, o qual é DEUS», disse Bossuet. Consequentemente, «O real propósito da política não é uma vida temporal dirigida apenas pelas razões do homem, mas uma vida temporal que, sendo dirigida pela Lei de Cristo, seja ajuda e assistência para todas as criaturas».

Nós portanto conclamamos vocês, queridos irmãos, para ouvir a nossa exortação e pensar na urgente necessidade de voltar a fazer leis em conformidade com as Leis de Deus, se vocês desejam países nos quais cessem todas as formas de crime, de miséria e de desordem. Vocês não vêem o quanto é utópico esperar que o povo respeite as leis, se vocês e suas leis não respeitam as ordens prescritas pelo Divino Legislador? Como podem vocês esperar serem obedecidos e respeitados, se vocês não obedecem ao próprio Deus?

«A prosperidade dos povos advém de se observar a Justiça, e o respeito às Leis Sagradas é a maior garantia de respeito às Leis Civis», disse São Pio X.

NENHUMA AUTORIDADE QUE NÃO EMANE DE DEUS!

Toda autoridade que se opõe a DEUS perde o direito de ser obedecida, pois toda autoridade deve ser "Ministro de DEUS". Aquilo que se atreve a se opor a ELE, está automaticamente desqualificado em sua origem. São Pedro disse: "É preciso obedecer a Deus antes que aos homens." (Act 5, 29).

Constitui uma arrogância inaceitável promulgar leis contrárias às de DEUS, e esta arrogância contém o seu próprio castigo: confusão, desastre, guerra e escravidão, através dos quais o chamado progresso é na verdade um triste espectáculo.

Deixemos bem claro: qualquer lei em oposição aos Dez Mandamentos de Deus e ao Sagrado Evangelho, é uma lei condenada por Deus. Aqueles que criam tais leis, bem como aqueles que as seguem , são desaprovados por Deus. Eles incorrerão nos divinos castigos nesta vida e na Vida Eterna. São Paulo diz: "Não vos iludais, de Deus não se zomba; o que alguém tiver semeado, é isso que vai colher. Quem semeia na sua própria carne, da carne colherá corrupção. Quem semeia no Espírito, do Espírito colherá a vida eterna". (Gl 6, 7-8). E A Sagrada Escritura diz: "Semeiam ventos, hão de colher tempestades!" (Os 8, 7).

Não pensem os chamados legisladores neutros que eles estão inocentes perante Deus. A lei torna-se injusta quando, mesmo sem ser oficialmente a favor do mal, o favorece, colocando a verdade e a mentira, a virtude e o vício no mesmo patamar. Não, políticos não podem ser imparciais. Jesus disse: "Quem não está comigo, é contra mim." (Mt 12, 30)."

SENHORES POLÍTICOS, SIGAM O EXEMPLO DE UM HOMEM DE ESTADO SANTO!

Muitos dos senhores já ouviram falar de Garcia Moreno, o ilustre Presidente do Equador, no século passado, o qual, pela sua vida de santidade e Leis Cristãs, provocou uma maravilhosa renovação dos vários pontos de vista, em seu país. Ele morreu como um mártir no cumprimento de seu dever. "Liberdade para todos e tudo, excepto para o demónio e seus seguidores", ele dizia, e esta foi sempre a sua regra de conduta.

Homens públicos de todo o mundo, é seguindo as pegadas de um homem como este, que os senhores devem andar. Um dia, DEUS pedirá contas de sua administração, e Seu julgamento será sem apelação.

Para serem dignos de benevolência, reconheçam sua extrema responsabilidade! Tornem-se defensores dos interesses de DEUS, mesmo à custa de suas próprias vidas! Possam suas leis ser a protecção e o poder para aqueles que querem fazer o que é direito, e, ao mesmo tempo, a condenação do vício e da imoralidade. Somente leis como estas são válidas. Não esqueçam que toda administração na Terra deve se subordinar à Vontade de DEUS.

Finalmente, lembrem-se de que seu dever é SERVIR, e não, dominar e explorar, para satisfação de seus próprios interesses. Os senhores estão no poder para fazer a verdadeira Justiça, e organizar sociedades onde todos possam viver com qualidade de vida. Nosso Senhor disse, no Evangelho: "Entre vós, não deve ser assim. Pelo contrário, o maior entre vós seja como o mais novo, e o que manda, como quem está servindo" (Lucas 22, 26). Este é o espírito cristão, o único autenticamente cristão. Possam, Senhores Líderes, esquecer seus mesquinhos interesses, para servir aos outros!

 

 

Este tipo de textos moralizadores, como é evidente, com o que diz respeito aos políticos e funcionalismo público corrupto, cai em saco roto.

 

 

Os Podres em Geral

Na consciência de todos nós, está bem inscrita a forma de actuação da administração central e local. Ela está profundamente impregnada de regulamentos injustos e mal estruturados, para que os funcionários que com eles lidam, possam ter papel fundamental na sua implementação.

As 3 noções a se terem bem claras no nosso espírito são:

1 - Em política, nada é o que parece.

2 - Em política, nada se faz  pelo que se diz.

3 - Não são os políticos que verdadeiramente mandam, pois ele são simples correias de transmissão de um poder que está acima deles.

Há no mundo um grande poder que deriva de uma única fonte - Lúcifer e todos os espíritos infernais.

Abaixo de Lúcifer, o príncipe do mundo, e dele, derivam 4 grandes tentáculos:

1 - Maçonaria       2 - Comunismo       3 - Islamismo       4 - Falsas correntes       

Entre eles, todos se guerreiam. E dentro deles, todos batalham para alcançarem regalias.

1 - O Tentáculo da Maçonaria que impera nas sociedades capitalistas, nomeadamente em Portugal do pós 25 de Abril de 1974. Esta maçonaria tem uma organização hierárquica, e no seu topo encontra-se a cabala judaica. Por aí abaixo vêm diversos graus que descem até às lojas e aos políticos marionetes que controlam os aparelhos de estado. O seu grande objectivo é o de combater a Doutrina da Igreja Católica e conseguirem a sua destruição, bem como o de beneficiar os seus aderentes. Usam a propaganda, o relativismo, o feminismo, a pornografia, o controlo da natalidade, o aborto, a homossexualidade, a liberdade sexual, a ideologia do género e o uso de drogas, para degenerarem a sociedade e destruírem a família. É nas lojas maçónicas que se distribuem as tarefas para os governos executarem o que, nelas e acima delas, foi definido como estratégia a ser adoptada nos diversos países. A maçonaria tem seus filiados infiltrados nos diversos partidos políticos e outras importantes organizações, de tal modo que tudo comandam.

Podemos encontrar no “MANUAL DE MAÇONARIA” de Edmund Ronayne e Wisconsin Multiple-Letter Cipher, 113 a seguinte passagem:

 “Um Mestre deve conservar os segredos de um Mestre maçon inviolados.
Deves esconder todos os crimes de um irmão maçon
Se fores arrogado para testemunhar contra um irmão maçon, assegura-te de o protegeres…
Pode ser perjúrio, é certo, mas estarás a cumprir as tuas obrigações”.
 
princípio básico que sempre norteou a maçonaria  desde a sua criação foi e é:

«Mintam, mintam, mintam, mintam, mintam até a mentira se tornar verdade»!

 Paul Siebertz - A verdadeira história da guerra civil - Página 273

 «… as lojas se serviam daquela arma que o “irmão” Voltaire preconizara como a mais eficaz entre todas - a mentira sistematicamente divulgada e insistentemente repetida.» ( …) Foi espalhando mentiras que as sociedades secretas conseguiram sempre os seus êxitos. Chegaram a fazer da aplicação desse preceito voltairiano uma ciência, narrando os factos de maneira oposta ao que na realidade se passava. Aplica-se aqui o adágio inglês, segundo o qual “nada morre com tanta dificuldade como a mentira».

Já era assim no tempo do Marquês de Pombal e durante as lutas liberais em Portugal, contra D. Miguel. É assim agora, com os governos demo-cráticos, socialistas e laicos, contra Deus e contra o Povo.

 Voltaire - Oeuvres complètes - II, Página 153

 «A mentira é um erro quando é culpa de um mal, dizia Voltaire ao combater a Igreja, mas quando causa “algum bem” é uma virtude. Deve-se portanto mentir como o diabo, não com precauções, mas destemidamente, não uma vez só, mas sempre. Menti, amigos, menti.»

Claro que para Voltaire, “algum bem”, era o que lhe trazia proveito, e não uma coisa boa para o povo. Foi este o professor que escreveu a cartilha pela qual os políticos, em especial os líderes do partido socialista, aprenderam para governar, controlar e enganar o povo de Deus. Foi assim com o grande mestre da mentira sistemática, Sócrates, e é assim com o boneco e a cassete do Seguro, a dar com os bracinhos para cima e para baixo e com a sua cara de pau.

Salazar combateu e proibiu a maçonaria, confiscando também os seus imóveis, porque a via como uma instituição perversa e corrupta.

Após o 25 de Abril, a maçonaria foi reconhecida e a ela foram devolvidos os seus imóveis, bem como uma avultada soma de dinheiro, a título de indemnização.

Hoje a maçonaria, como um cancro, está espalhada pelas várias instituições do Estado.

Há juízes maçons, praticamente em todos os tribunais superiores, generais maçons, políticos maçons, sobretudo no PS e PSD, jornalistas, sobretudo os quadros superiores, como os directores e outros jornalistas destacados, apresentadores de televisão, actores, e, pasme-se, até bispos e padres foram infiltrados propositadamente na Igreja Católica.

Por isso, torna-se perfeitamente notória a razão porque muitos dos grandes corruptos em casos mediáticos não são condenados.

Eles estão obrigados a defender e a esconder os crimes dos irmãos, sejam juízes, seja outro maçom qualquer.

Um bom exemplo disto, foi o que se passou no Supremo Tribunal de Justiça, há uns anos atrás, com o mandar cortar do processo as provas incriminatórias das escutas telefónicas feitas ao arguido. Esta atitude insere-se no dever que eles têm de esconder todos os crimes de um irmão maçom.

Da mesma forma, é essa a razão porque os processos onde se encontra gente “graúda” nunca são resolvidos e, muitos, acabam por prescrever.

Para além destas premissas fundamentais da maçonaria, encontra-se também a preocupação de destruição de mentes bem formadas, a partir dos bancos da escola, e por isso, o ensino foi e é alvo de um ataque cerrado.

Nelson Lima, neuro-psicólogo e director do Instituto de Inteligência, disse o seguinte numa entrevista que deu:

 

“As crianças sentem-se perdidas e não percebem para que serve a escola. Tal como os incêndios e os desastres de automóvel, acho que também na escola estamos em estado de calamidade nacional.”

Foi o Instituto da Inteligência que lançou o alerta: um em cada três alunos portugueses tem dificuldades de aprendizagem, número escandaloso para qualquer país e que, ainda por cima, tem tendência a aumentar.

“Há uma quase obsessão em querer ensinar muita coisa às crianças em pouquíssimo tempo. O que a escola devia fazer nos primeiros anos era dar noções gerais do que é a vida. Mas um aluno de 12 anos tem 15 disciplinas! Como é que pode aprender alguma coisa?” Quinze disciplinas que depois se reflectem na forma desmesurada como acontecem os trabalhos de casa. Estranhamente (ou talvez não), e segundo um estudo europeu, somos um dos países com piores resultados escolares e o país europeu que mais tempo dedica aos trabalhos de casa.

O neuropsicólogo conta o caso de uma criança de 11 anos que lhe chegou com uma estranha missão: “Passou o dia aflitíssima porque tinha de fazer um trabalho sobre a Bósnia-Herzegovina. E sobre o Alentejo é capaz de não saber nada. Entretanto, o irmão estudava exaustivamente a Albânia. Isto tudo, feito desta forma, é um disparate pegado!” Tudo somado, contribui para o stresse diário de muitas famílias.

Pais com tempo e cultura suficientes ou dinheiro para pagar a explicadores são capazes de dar uma ajuda. Mas muita gente se sente aflita. “Os miúdos vêem-se a braços com imensa informação que se refugia em palavrões. Um buraco negro é conhecido como um sorvedouro cósmico, para miúdos de 11 anos, acha normal?”, questiona Nelson Lima. “O importante era dar-lhes algumas noções básicas, mas bem dadas. Actualmente, com tanta matéria que lhes impingem, qual é o resultado? É que não fica lá nada! Eles não sabem nada do mundo! E esta é a geração que há-de chegar um dia ao poder!”

Nas sociedades ditas ocidentais, das quais fazemos parte, é nas lojas da maçonaria que se traçam as linhas da política a seguir pelos diversos governos republicanos, que são construídos com os militantes partidários, homens sedentos de dinheiro e poder, e de alguns governos de monarquias decadentes. É esta gente partidária que levou o país à beira da bancarrota, que espatifou as nossas reservas de ouro e que endividou o país ao exterior em somas astronómicas.

Foi o Partido Socialista que, depois de ter deixado o país de rastos e endividado, e pelo punho de  Sócrates, assinou o Memorando de Acordo com a Troika, que veio esfolar e espoliar o povo português. Descaradamente, depois, pela boca do boneco socialista, Voltairiano e o maior dos mentirosos, Seguro, e demais correligionários do PS, vêm dizer que nada das medidas de austeridade que se abateram sobre Portugal, estavam previstas no Memorando de Acordo e que nada foi acordado entre o anterior primeiro ministro Sócrates e a Troika. Para comprovar estas mentiras despudoradas, aconselho a que se veja o seguinte curto, e elucidativo, vídeo no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=hulEV5elBUk

Gostava de abrir aqui um pequeno parênteses para apontar para um outro vídeo no Youtube, duma entrevista dada por Paulo Portas, ainda quando não tinha sido corrompido pelo “glamour” do poder, e hipnotizado pelos olhos da serpente, em que diz grandes verdades sobre o regime republicano e tece comparações entre o génio do Dr. Salazar e a sensaboria do dr. Cavaco. https://www.youtube.com/watch?v=0XJawEGhwTc

Alguns dos chavões desta entrevista são:

 

 

“Os partidos são uma maçada. Normalmente quem vai para os partidos, tirando os militantes, os quadros são muito muito medíocres. São pessoas que não têm mais nada a fazer na vida, ou então, vão para subirem na vida. Eu digo isto em relação aos partidos burgueses. … É uma carreira como outra qualquer. Os partidos dispensam o mérito.

A mim não me passa pela cabeça ir para um partido. Não tenho nenhumas ambições políticas. É uma coisa que excluí da minha cabeça. Gosto muito de política, mas nunca farei política.

Sou meio liberal e meio conservador.

Eu teria sido anti-republicano em 1926. A república foi uma coisa absolutamente desgraçada para o país. Enquanto regime, como forma de organização do país, governos corruptos e partidos autoritários, deixou o país de pantanas. A república deixou o país de pantanas.

O Dr. Salazar teria ganho muitas eleições se as tivesse feito.

Acho injusto fazerem-se comparações entre o Dr. Cavaco e Dr. Salazar. Injusto para o Dr. Salazar, porque o Dr. Cavaco não é democrata nem deixa de ser. O Dr. Salazar era voluntariamente anti-democrático, ou seja, tinha preocupações de carácter político. O Dr. Cavaco não tem. O Dr. Salazar escrevia admiravelmente. Era um cínico que não se repete na vida política portuguesa. O Dr. Cavaco, como se sabe, não escreve nada de especial, nem fala nada de especial. É mesmo muito maçador e também não é tão cínico. Está longe desse rafinement do exercício do poder.”

 

Quando as crises mundiais se agudizarem, dentro de um futuro muito próximo, vai ser o anticristo que vai unificar todas as 4 grandes correntes maléficas e infernais, que o seu próprio pai espiritual assanhou, e conseguir uma falsa paz, através da imposição da Religião Única, em que se fará adorar como deus.

Para propiciar a manifestação do anticristo, foi decretado pela maçonaria internacional, que controla o mundo, através dos governos nacionais, das grandes fortunas e mercados financeiros, da ONU e suas organizações, que se criasse um clima generalizado de insatisfação a todos os níveis sociais.

Foi assim que pudemos assistir em Portugal ao ataque sistemático, levado a cabo pelo XVII governo socialista de 2005-2009, a todas as classes profissionais. Este ataque foi levado a cabo com o corte de regalias conquistadas no pós 25 de Abril de 1974, e fizeram parte de um Plano, rigorosamente orquestrado pela maçonaria, para criar um clima de revolta e de mal estar generalizado, preparando assim a manifestação e a actuação do anticristo, a qual já não deve tardar muito, e em que ele dará ao mundo uma pacificação social, facilitando a sua aceitação como o salvador tão esperado. Mas será, evidentemente, uma prenda envenenada.

Nos regimes republicanos em  que a maçonaria é a força escondida e dominante, e que publicitam ser uma sociedade em que quem manda é o povo através do seu direito de voto, o que se passa na realidade é que se vive num regime verdadeiramente ditatorial, em que os governantes legislam exclusivamente a seu favor e em seu benefício. É por isso que se podem constatar se seguintes situações gritantes de injustiça e desigualdade de tratamento para as diferentes classes sociais:

 

 

Brada aos Céus comparar a Reforma de um Deputado com a de uma Viúva desamparada.

É uma injustiça um Cidadão ter que descontar 35 anos para receber Reforma, e aos Deputados bastarem somente 3 ou 6 anos, conforme o caso.

É uma injustiça que aos membros do Governo, para cobrar a Pensão Máxima de Reforma, só precisam do Juramento de Posse.

É uma injustiça que os Deputados sejam os únicos em que 1/3 do seu salário está isentos de IRS.

É uma injustiça pôr na Administração milhares de Assessores (leia-se Amigalhaços) com Salários que desejariam ter os Técnicos Mais Qualificados.

É uma injustiça a enorme quantidade de Dinheiro destinado a apoiar os Partidos, aprovados pelos mesmos Políticos que vivem deles.

É uma injustiça que a um Político não se exija a mínima prova de Capacidade para exercer o Cargo. 

É uma injustiça que os deputados tenham mais de 4 meses de Férias ao Ano (48 dias no Natal, cerca de 17 dias na Semana Santa, mesmo que muitos se declarem não religiosos, e cerca de 82 dias no Verão).

É uma injustiça os deputados, quando cessam um Cargo, manterem 80% do Salário durante 18 meses.

É uma injustiça que ex-ministros, ex-secretários de Estado e Altos Cargos da Política, quando cessam as suas funções, são os únicos Cidadãos que podem legalmente acumular 2 Salários do Erário Público.

É uma injustiça os ordenados dos políticos terem sido declarados confidenciais, para que seja mais difícil serem alvo das justas críticas dos cidadãos.

É uma injustiça que o ordenado de um motorista de um ministro seja superior a um professor com 30 alunos.

 

Há um Blog particularmente eficaz no desmascaramento da corrupção e imoralidade dos governantes portugueses que é o “Apodrece Tuga   http://apodrecetuga.blogspot.pt/

2 - O Tentáculo do Comunismo que impera nas sociedades ditas socialistas. Aqui impera a luta de classes e a ditadura do proletariado degenerado, ateu e inimigo da Igreja Católica. Visa pela violência a destruição do direito à propriedade privada e de massacrar os ricos e os tementes a Deus. O partido comunista português foi, durante e depois da revolução do 25 de Abril, financiado pelo PC Soviético, que comandou as revoltas do terrorismo em África nas colónias portuguesas. Depois da queda da união soviética, foi o partido Comunista Cubano que ocupou o lugar dos Soviéticos no apoio à revolta nas ex-colónias portuguesas de África.

Salazar sempre combateu o comunismo, porque via nele um mal sinistro e terrível, que provocou na Rússia, com a revolução bolchevique, muitos milhões de mortos assassinados, bem como em Espanha, durante a guerra civil, onde provocou um mar de sangue e de terror.

Foi para a Rússia não espalhar o mal do comunismo que Nossa Senhora Apareceu em Fátima e advertiu o mundo daquele terrível perigo.

3 - O Tentáculo do Islamismo que impera nas sociedades atrasadas que combatem as sociedades de Raiz Cristã. O islamismo, falsa religião que adora uma falso deus, Alá, o qual é uma outra cara de Lúcifer, sempre foi desde a sua criação, no século VII, o flagelo do Cristianismo. Visa principalmente matar todos os infiéis através da guerra santa, isto é, os que não acreditam em Alá. Tal como reza o Salmo 96(95),5  «Os deuses dos pagãos são demónios».

O islamismo é por natureza radical e violento. Há no entanto no seio dos povos islâmicos, gente boa e pacífica, a que eu chamo “os tontos do islamismo”, que se converterão ao Cristianismo dentro de pouco tempo.

4 - O Tentáculo das Falsas Religiões, falsas doutrinas, falsas ideologias e falsas filosofias de vida. Só para citarmos as principais, encontramos o hinduísmo, o budismo, o espiritismo, a new age, o ateísmo, o agnosticismo e muitas outras. Todas estas falsas correntes têm os seus campos de acção disseminados e diferentes métodos de acção, mas todos eles são controladas por Lúcifer e os seus anjos infernais.

Esta caracterização sumária que tracei, enfatiza, em cada um destes 4 ramais ou tentáculos, só as suas linhas mais expressivas.

Técnicas gerais de actuação

Contratos a privados e adjudicação de obras

Em termos gerais, quando olhamos para a política, quer a nível do Estado Central quer a nível do poder Local, só nos salta à vista o despesismo selvagem, que visa a compra de materiais e serviços aos seus compadres, que, evidentemente, têm sempre margens disponíveis para boas comissões.

A técnica usada, como regra geral, na produção da legislação, quer a nível da Assembleia da República quer a nível municipal com os seus regulamentos de aplicação local, é o de nunca fazer normas muito pormenorizadas, de tal maneira que fique dependente do critério dos técnicos, a autorização, ou não, dos pedidos e requerimentos de licenciamento feitos pelos cidadãos. Assim ficam asseguradas as negociatas, com aliciamentos e pressões, por funcionários mal pagos e corruptos, para receberem, por fora, luvas e comissões.

Quando os documentos legais reguladores são inevitáveis, sempre contêm lacunas e portas abertas a situações excepcionais, para permitirem a manipulação dos concursos públicos, de tal maneira que sejam ganhos pelos lobbys dos amigalhaços.

A nível Local, a grande corrupção encontra-se nos Licenciamentos de obras e construção civil, quer ao nível dos licenciamentos particulares, que ao nível das adjudicações de obras públicas municipais.

A nível Central, a grande corrupção encontra-se na definição das grandes obras estratégicas nacionais, e na subsequente adjudicação nos concursos públicos para a sua execução. É também na encomenda de serviços e compras de equipamentos de ajuste directo sem concurso. Fazem-se também grandes concessões para auditorias, observatórios e fundações, todos supérfluos, mas dispendiosos. Quem paga é o Zé Povinho. Quem lucra, sãos os comilões habituais.

Alguns exemplos elucidativos destas manhas para o escoamento dos dinheiros públicos, são os contratos firmados com  firmas particulares de ajardinamento e tratamento de zonas públicas, e que se têm revelado bastante lucrativas. Assistimos a um massivo ajardinamento de todos os espaços públicos, de forma exaustivo, para aumentar as metragens das áreas a tratar, pois esse é o parâmetro pelo qual são emitidas as facturas, chegando ao ponto de se relvarem os exíguos separadores centrais das ruas, com os respectivos dispendiosos sistemas de rega, e sua manutenção, mesmo em cima das passadeiras de peões, em que quem queria passar de um lado da rua para o outro, tinha de passar por cima da  relva enlameada e volta e meia apanhar uma chuveirada. Este cúmulo, quase que anedótico, testemunhei eu em Cascais.

Quantas vezes já vimos que pequenos jardins com canteiros de flores lindas e bem tratadas, são desfeitos, e as plantas que lá estavam plantadas são substituídas por outras diferentes e às vezes sem nenhuma graça… Chega-nos a parecer criminoso, por vezes, arrasarem com alguns canteiros e floreiras, muitas delas nos centros de rotundas urbanas, e serem palco daquela brutalidade. Porquê? Porque as firmas de jardinagem têm que facturar às Câmaras, e às Juntas de Freguesia, o mais que puderem. Têm de sacar tudo o que puderem… Quem paga? É o Zé povinho. Quem ganha? Os empresários amigalhaços jardineiros…

Pude um dia assistir na televisão a uma curta reportagem em que se criticava a inexplicável obra pública numa rua na periferia urbana, recta e bem comprida, que não tinha nenhuma construção adjacente, mas na qual, em contrapartida, foram construídas 10 enormes rotundas…

Ao nível das vias de circulação também podemos assistir aos avultados investimentos na construção de auto-estradas em que quase nenhum carro circula. Estou a pensar, só aqui na área metropolitana de Lisboa, na A10 e na A16.

Nestes tipos de obras, a justificação é a de servir os cidadãos, proporcionando um mais fácil acesso e escoamento de bens e passageiros, mas o verdadeiro objectivo, é o de sacar, dos cofres do erário público, verbas avultadas, para as distribuir pelos grandes lobbys amigalhaços da construtoras de obras públicas. Quem paga? O Zé povinho. Quem lucra? Os amigalhaços.

Alguém ainda acredita que as justificações dadas pelos políticos para procederem a melhoramentos das nossas cidades são para  melhorar a vida dos cidadãos? Eles querem lá saber do bem estar das pessoas. A verdade é que para cada despesa do estado paga a firmas privadas, há uma comissão que vai parar aos bolsos de algum funcionário público, quer sob a forma de numerário quer sob a forma de benesse encapotada… E portanto, a lógica do funcionário público corrupto, é sempre esta - Quanto mais dinheirinho do estado gastar, mais dinheirinho ganho em comissões.

Outra forma de despesismo muito apreciado pelo funcionalismo corrupto, é das obras de redecoração e compras de equipamentos de escritório. Assim, sabemos que os gabinetes ministeriais e dos membros governamentais, e não só, são todos de um luxo czariano. Vivem que nem uns nababos, estabelecidos em sumptuosos ambientes laborais, que contrastam chocantemente com a simplicidade espartana, e muitas vezes miserável, das esquadras da polícia, das repartições de finanças, de hospitais e centros de saúde. Lembro-me por exemplo da mulher um presidente de câmara que foi contratada para um alto cargo municipal, e em que o seu gabinete foi altamente decorado, inclusive com uma secretária mandada vir de França e que custou a módica quantia de 30.000 euros (trinta mil). Quem pagou? O Zé povinho. Quem lucrou? Os habituais…

Grandes urbanizações, aeroportos e alta velocidade

Quem não se lembra dos grandes investimento na EXPO 98, e das tentativas falhadas do Aeroporto do Carregado e dos comboios de alta velocidade? Eram contratos milionários para as grandes construtoras, mas para os cidadãos tinham só inconvenientes e pouquíssimos benefícios. E se alguns pararam, foi porque os lucros estavam mal direccionados…

Viaturas e locomoção pessoal e familiar

Outra área. Qual é o ministro que não tem um Mercedes topo de gama? Qual é o manda-chuva camarário que não tem carro e motorista às ordens para ele e para toda a família? E mesmo depois de reformados ao fim de 8 anos de serviço mantêm privilégios de fazer corar a rainha de Inglaterra…

Ausência de Planeamento territorial

A falta de planeamento territorial também é um dos instrumentos privilegiados para ficar assegurada uma ocupação anárquica do território, ao sabor das aprovações que mais luvas pagarem aos técnicos superiores das câmaras municipais. Ainda me lembro de um técnico que entrou para a Câmara de Cascais num Citroen de 2 cavalos, e passados 6 meses, já andava de Porsche. Aquilo é que foi poupar ordenados… Lembro-me também de um outro caso com um arquitecto meu colega de atelier, que tinha um terreno de família em Cascais e foi fazer uma consulta com o técnico, também arquitecto (que por acaso foi o mais corrupto que eu conheci na minha vida), da Câmara, a lhe perguntar o que podia ser lá construído. A resposta foi curta e grossa: «Nessa zona não se pode construir nada. Mas, se me pagares 10.000 contos, podes construir o que quiseres…». Isto é que é amizade…

Também há uma postura camarária, que proíbe que os arquitecto e engenheiros assinem projectos para a área do concelho em que trabalham. Então, mesmo assim, todos montam ateliers de projecto. Combinam com os colegas da câmara dos concelhos adjacentes, e cada um faz os projectos para os vizinhos. Quando alguém vai fazer consultas sobre hipóteses de construção, eles dizem logo que conhecem um atelier muito bom a executar e aprovar projectos para o concelho. E pronto, a angariação está garantida e é sempre bem paga. Está bem visto, não está? Pois…

Outro negócio muito rentável é o de fiscal da Câmara para obras particulares, e tem-se, ao longo dos anos, revelado uma autêntica mina de ouro. Quem fica a perder, claro está é o município, pois perde em licenças e coimas… Quem fica a ganhar? Os espertalhões. Quem fica a perder? O Zé povinho…

Mas volta e meia, torna-se imperioso elaborar um PDM. Era de esperar que fossem os serviços de Ordenamento da Câmara. Mas não. Quem os faz são gabinetes externos, os quais se pagam muito bem e podem fazer as negociatas com zonas a desenvolver… Lembremo-nos das negociatas em Oeiras e o BPN. Quem ganha? Os espertalhões habituais…

Compra e venda de armamento

Todos ouvimos falar da compra escandalosa dos 2 submarinos comprados à Alemanha e as luvas que terão havido por fora… Quem ganhou? Ainda andam à procura em parte incerta…

E a compra de helicópteros e caças usados…?

E a venda de armamento para países em desenvolvimento…?

Compra de material circulante

E os 26 comboios que foram recuperados e custaram uma nota preta, que no dia a seguir a terem acabado as revisões, foram postos de parte, porque chegaram os novos que tinham sido encomendados… É fantástico… E ninguém é responsabilizado…

Tudo isto contracena com o tempo do Salazar, em que no Hospital de Santa Maria se partia um copo, e era requisitado outro. Só depois de se mostrar os cacos partidos é que se recebia o novo… Havia controlo, respeito e um pulso de ferro que não permitia os abusos e as roubalheiras. Por isso os cofres do Banco de Portugal estavam carregado de ouro, não havia deficit do orçamento de estado nem havia, tão pouco, dívida externa. O desemprego era mínimo. A polícia e a autoridade eram respeitadas. Havia moral nas escolas, nas ruas e a família era uma instituição acarinhada. O aborto, isto é, o assassinato de bebés era proibido, e havia a Concordata com a Igreja. Veja-se a diferença para com os dias de hoje. Como é evidente havia outros muitos problemas no regime republicano, mas de qualquer maneira o abandalhamento que se processou desde então para cá, foi gigantesco, porque a demo-cracia reabriu as lojas maçónicas, que passaram a formar novamente, e em fartura, vagas e vagas dos actuais políticos que têm (dês)governado Portugal e controlado as suas instituições.

Recapitulando todos os Podres

O ciclo rentável e sem escrúpulos que está montado hoje em dia, é o de ir buscar o dinheiro ao povo, através dos impostos, e depois distribuí-los aos amigos com as negociatas dos lobbys, nas parcerias público privadas, com os Observatórios e as Fundações subsidiadas, com as consultorias de gabinetes privados, com os Partidos Políticos, com os concurso para obras públicas. Com os atrasos de pagamento às empresas, que têm de recorrer ao crédito dos banco, que assim ganham milhões. Com os contratos Swap. Com o despesismo no estado, este tem de contrair uma dívida pública ao exterior, que por sua vez cobra milhões em juros para os bolsos dos já avassaladoramente ricos. Enfim… Os ricos estão cada vez mais ricos e os pobres estão cada vez mais pobres…

Estas injustiças sociais bradam aos Céus, e é para acabar com elas que o Cristão deve intervir na Política, seguindo a Doutrina Social da Igreja, dando primazia ao Serviço do próximo, e não à cobiça e ao açambarcamento próprios.

Há um Site Blog, “Democracia em Portugal?” - http://democraciaemportugal.blogspot.pt/ , que tem inventariado, ao longo de vários anos, uma lista imensa de irregularidades, e que me chegou ao conhecimento através de uma Lista, com alguns tópicos que acho interessantes, e que a seguir apresento.

 

  Tachos e Cunhas

·       + subsídios de desemprego chorudos

·       ... Independentemente de concurso... !!!

·       Adida em Londres (9000€)

·       Aumentos de 200% para os gestores públicos

·       Bárbara e Carrilho

·       C. M. LISBOA - Sá Fernandes - O PALADINO DA VERDADE TAMBÉM TINHA 11 ASSESSORES

·       Coelhone na Mota-Engil

·       Contitas da REN

·       CP - É só chefes

·       Câmara do Barreiro

·       De pai para filho

·       DGV mesmo extinta recruta pessoal

·       Eu faço as obras c******

·       Ganhar 3500€ sem fazer nada

·       Gestores pagos a peso de ouro

·       Governo de Sócrates nomeou 2373 pessoas

·       Jobs for the girls - Neide

·       Mais um tacho/contrato bem feito - Fereira do Amaral

·       Mano Pedroso é advogado competente (muito)

·       Manos Pedroso em 'alta'

·       Mulher do Costa da SIC (entrevistador do Sócas) tem empregão

·       Noiva da JS nomeada administradora

·       Salários escandalosos

·       Verinha Sampaio

 AS REFORMAS CHORUDAS

·        As reformas são só para quem merece!!! Leucemia não dá direito.

·        Afinal foram só 9,732 milhões

·        Catroga também terá reformita

·        Continuação do poste das reforminhas

·        Galp

·        História de Valentim

·        Link para reformas chorudas

·        Mais um chorudo

·        Pensões de luxo aumentam 10,8%

·        Reforma esquecida de Alegre

·        Reformas Douradas - Odete S., Marques M., J. Cravinho

·        Reformita do Mirinha

·        Salário Milionário

·        Sr. Presidente nÃo havia necessidade

·        Subvenções vitalí­cias

·        Vasco Franco - Este merece porque foi herói

 Corrupção em Portugal?

·        1400 compraram Curso de Engenharia

·        Sócrates sócio duma empresa suspeita

·        País multiplicador de miseráveis

·        Finanças perdoam 10 milhões de euros de IVA a sindicato da UGT

·        Electricidade mais cara 41,4% do que em Espanha

·        E roubam... e roubam... e roubam...

·        Custos do Túnel do Marquês derraparam 40%

·        Camiões fogem para Espanha

·        CERTIEL - Mais um roubo

·        DIVIDA EXTERNA DE PORTUGAL

·        Eng. José Sócrates o tanas!!!

·        Eu, comi Carolina

·        Extinta há 2 anos a IGAE ainda recebe funcionários... de organismos também extintos!!!

·        Louvor de Freitas - Que lata

·        Luís Filipe Vieira beneficiado por quem???

·        Na era de Santana

·        Novo aeroporto - Pagador de campanhas eleitorais

·        OTA (porquê) !!!!!!!!?????!!!!????

·        OTA - O maior embuste jamais vendido aos Tugas

·        Ota questionada por Históricos do PS

·        OTA «Estão a mentir-nos»

·        Pai de Sócrates fiscalizou dez obras do GEPI

·        Promoveu a mulher com aumento de 500€

·        Subsídio de alto risco sem risco

·        TAP dá lucro novamente

·        Vergonha do Rock in Rio-Lisboa 2006

·        Vídeo de sexo da Elsa Raposo

 Saúde dos Portugueses

·        Eu tenho seguro de saúde

·        Transplantes rendem milhões aos médicos

·        Directora de centro de saúde demitida pelo Sr. Ministro

·        Quase 400 Alentejanas deram à luz em Badajoz

·        Troca de seringas na prisão

·        Mulher agredida numa Urgência Hospitalar morre

·        Cartão Europeu de Saúde

·        Administradores hospitalares contra o picar do ponto

·        Segunda criança nasce numa ambulância

·        Hospitais cobram até 17 vezes mais a vítimas de violência doméstica

·        Morreu à espera de socorro

·        CARTA DE UM MÉDICO AO SR. PM

JUSTIÇA em Portugal...

·        Governo ajuda Pedroso contra.... o Estado!!!

·        Com juízes assim...

·        Corrupção dos Tribunais/Angola/Portugal

·        Hugo Marçal será juiz!!!

·        Juiz com filho traficante às claras?

·        Pedófilos em liberdade

·        Quando as leis são feitas por criminosos...

·        Que merda de justiça!!!

·        Violar é legal

Chorar a rir, para não chorar

·        ... 40 ladrões...

·        obra do ENGENHEIRO da independente!!!

·        A felicidade do povo

·        Alberto João - G.F.

·        Choque tecnológico

·        Cirurgiões

·        Como eles nascem

·        Comunicado do governo - Urgente!!!

·        Já nos cinemas...

·        Mentiroso

·        Novo símbolo de Portugal

·        O Postal

·        O regresso de Catherine Deneuve

·        Pinóquio enfurecido

·        SIMPLEX

·        Sócrates e a secretária

·        Sócrates no parlamento - G.F.

·        Velentão - G.F.

·        Voltaremos a ser felizes quando...

·         

 

 

Os Podres que vêm do passado - Eça de Queiroz

 

Nos escritos de Eça de Queiroz, por volta de 1867 e 1891, nos finais da monarquia, podemos encontrar as seguintes citações:

 

 

 

"Nós estamos num estado comparável apenas à Grécia: a mesma pobreza, a mesma indignidade política, a mesma trapalhada económica, a mesmo baixeza de carácter, a mesma decadência de espírito. Nos livros estrangeiros, nas revistas quando se fala num país caótico e que pela sua decadência progressiva, poderá vir a ser riscado do mapa da Europa, citam-se em paralelo, a Grécia e Portugal"

in “As Farpas”

 

“Em Portugal não há ciência de governar nem há ciência de organizar oposição. Falta igualmente a aptidão, e o engenho, e o bom senso, e a moralidade, nestes dois factos que constituem o movimento político das nações.

A ciência de governar é neste país uma habilidade, uma rotina de acaso, diversamente influenciada pela paixão, pela inveja, pela intriga, pela vaidade, pela frivolidade e pelo interesse.

A política é uma arma, em todos os pontos revolta pelas vontades contraditórias; ali dominam as más paixões; ali luta-se pela avidez do ganho ou pelo gozo da vaidade; ali há a postergação dos princípios e o desprezo dos sentimentos; ali há a abdicação de tudo o que o homem tem na alma de nobre, de generoso, de grande, de racional e de justo; em volta daquela arena enxameiam os aventureiros inteligentes, os grandes vaidosos, os especuladores ásperos; há a tristeza e a miséria; dentro há a corrupção, o patrono, o privilégio. A refrega é dura; combate-se, atraiçoa-se, brada-se, foge-se, destrói-se, corrompe-se. Todos os desperdícios, todas as violências, todas as indignidades se entrechocam ali com dor e com raiva.

À escalada sobem todos os homens inteligentes, nervosos, ambiciosos (...) todos querem penetrar na arena, ambiciosos dos espectáculos cortesãos, ávidos de consideração e de dinheiro, insaciáveis dos gozos da vaidade.”

in “Distrito de Évora” (1867)

 

Política de acaso, política de compadrio, política de expediente

Ordinariamente todos os políticos são inteligentes, escrevem bem, discursam com cortesia e pura dicção, vão a faustosas inaugurações e são excelentes convivas. Porém, são nulos a resolver  crises. Não têm a austeridade nem a concepção, nem o instinto políticos. Política de acaso, política de compadrio, política de expediente. Pais governado ao acaso por vaidades e interesses, por especulação e corrupção, por privilégio e influência de camarilha, será possível  conservar a sua independência?

in “O distrito de Évora” (1867)

 

«Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão.

 

Este governo não cairá porque não é um edifício. Sairá com benzina, porque é uma nódoa.

in “O conde de Abranhos

 

Portugal e a crise

“Que fazer? Que esperar? Portugal tem atravessado crises igualmente más: - mas nelas nunca nos faltaram nem homens de valor e carácter, nem dinheiro ou crédito. Hoje crédito não temos, dinheiro também não - pelo menos o Estado não tem: - e homens não os há, ou os raros que há são postos na sombra pela política. De sorte que esta crise me parece a pior - e sem cura.”

in “Correspondência” (1891)

 

“Diz-se geralmente que, em Portugal, o público tem ideia de que o Governo deve fazer tudo, pensar em tudo, iniciar tudo: tira-se daqui a conclusão que somos um povo sem poderes iniciadores, bons para ser tutelados, indignos de uma larga liberdade, e inaptos para a independência. A nossa pobreza relativa é atribuída a este hábito político e social de depender para tudo do Governo, e de volver constantemente as mãos e os olhos para ele como para uma Providência sempre presente.”

in Citações e Pensamentos

 

 

 

Os Podres denunciados por Dr. Marinho Pinto

Entrevista da TVI feita ao Dr. Marinho Pinto

Numa entrevista da TVI feita ao Dr. Marinho Pinto, bastonário da ordem dos advogados em Portugal, que pode ser vista no Youtube https://www.youtube.com/watch?v=a9n8Fvi_6Hs , ele denunciou as seguintes imoralidades, acompanhadas de risotas e exclamações dos atónitos entrevistadores e espectadores, que desconheciam aqueles factos reais, mas tão bem ocultos do público:

 

 

 

«O Partidos estão isentos de IRC, IVA, IMI, Imposto de Selo, Imposto de Transmissões e Sucessões, Imposto sobre Património, Imposto Automóvel, Imposto Municipal de Transmissão de Imóveis, Taxas de Justiça e Custas Judiciais. Isto é um escândalo. É um privilégio inadmissível. Isto é praticamente às escondidas!

Os Partidos vão ao pote às escondidas! Não há transparência! Os partidos fazem isto às escondidas! Ocultam isto daqueles que dizem representar. A maioria do povo português não sabe disto!

E há outro caso. Cada voto, rende aos partidos políticos, 3,10 Euros por ano. Por exemplo, o MRPP, que tem mais de 50.000 votos, recebe mais de 15 mil Euros por mês. O partido vencedor das últimas eleições foi o PSD,  em termos de Euros, e entre as últimas eleições legislativas e as próximas irá receber 38 milhões de Euros. Seguido do PS, que vai receber mais de 28 milhões, seguido depois do CDS-PP, que irá receber 13 milhões. PCP e Verdes, mais de 10 milhões. O Bloco de Esquerda mais de 6 milhões. Além de partidos não parlamentares como o PCT-MRPP que irá receber mais de 700 mil Euros e o partido dos animais que irá receber mais de 730 mil Euros. Ou seja, cada partido que tenha mais de 50.000 votos, ou consiga representação parlamentar, terá direito a receber a subvenção anual correspondente a 3,10 Euros por voto obtido. (…)

O vergonhoso é que os aumentos aos partidos se faça secretamente. (…)

Além disso, os partidos parlamentares, receberam mais de 8,3 milhões de Euros para as despesas da última campanha eleitoral, a dividir entre eles de acordo com os resultados obtidos.

Além destes montantes, cada grupo parlamentar, terá direito a uma outra subvenção anual para encargos de assessoria aos deputados, correspondente a 4,5 vezes o indexante de apoio social, ou seja, cerca de 2 mil Euros por cada deputado. Assim o PSD vai receber 203 mil Euros por ano para assessoria aos seus deputados. O PS vai receber 139 mil Euros. O CDS 45 mil Euros. O PC 26 mil Euros.

A Assembleia da República pagará, ainda, remunerações aos funcionários dos grupos parlamentares, que são pessoas da confiança política dos partidos, escolhidas por eles. O PSD vai receber 2,6 milhões de Euros. O PS 2,1 milhões de Euros. O CDS 1,2 milhões de Euros. etc. (…)

Portanto, o estado paga aos partidos em função dos resultados das últimas eleições 24 milhões de Euros por ano. Depois o estado ainda dá 18,5 milhões de Euros que é destinada a financiar as campanhas eleitorais para a Assembleia da República, Parlamento Europeu, Assembleias Legislativas dos Açores e da Madeira, e para a Presidência da República. E depois, outra verba para as Autárquicas. (…)

É por isso é que, na altura das eleições, há aquela pressão sobre as pessoas para irem votar…!

Isto deve ser debatido na sociedade portuguesa. Deve ser debatido publicamente!»

 

 

O ex-presidente da república Mário Soares, visto pelo bastonário da ordem dos advogados Dr. Marinho Pinto

 

 

Vejamos então por que é que eu não gosto dele(s).

A primeira ideia que se agiganta sobre Mário Soares é que é um homem que não tem princípios mas sim fins. É-lhe atribuída a célebre frase: «Em política, feio, feio, é perder». São conhecidos também os seus ziguezagues políticos desde antes do 25 de Abril. Tentou negociar com Marcelo Caetano uma legalização do seu (e de seus amigos) agrupamento político, num gesto que mais não significava do que uma imensa traição a toda a oposição, mormente àquela que mais se  empenhava na luta contra o fascismo.

Já depois do 25 de Abril, assumiu-se como o homem dos americanos e da CIA em Portugal e na própria Internacional Socialista. Dos mesmos americanos que acabavam de conceber, financiar e executar o golpe contra Salvador Allende no Chile e que colocara no poder Augusto Pinochet.

Mário Soares combateu o comunismo e os comunistas portugueses como nenhuma outra pessoa o fizera durante a revolução e foi amigo de Nicolau Ceaucescu, figura que chegou a apresentar como modelo a ser seguido pelos comunistas portugueses.

Durante a revolução portuguesa andou a gritar nas ruas do país a palavra de ordem «Partido Socialista, Partido Marxista», mas mal se apanhou no poder meteu o socialismo na gaveta e nunca mais o tirou de lá. Os seus governos notabilizaram-se por três coisas: políticas abertamente de direita, a facilidade com que certos empresários ganhavam dinheiro e essa inovação da austeridade soarista (versão bloco central) que foram os salários em atraso.

 

INSULTO A UM JUIZ

Em Coimbra, onde veio uma vez como primeiro-ministro, foi confrontado com uma manifestação de trabalhadores com salários em atraso. Soares não gostou do que ouviu (chamaram-lhe o que Soares tem chamado aos governantes angolanos) e alguns trabalhadores foram presos por polícias zelosos. Mas, como não apresentou queixa (o tipo de crime em causa exigia a apresentação de queixa), o juiz não teve outro remédio senão libertar os detidos no próprio dia. Soares não gostou e insultou publicamente esse magistrado, o qual ainda apresentou queixa ao Conselho Superior da Magistratura contra Mário Soares, mas sua excelência não foi incomodado. Na sequência, foi modificado o Código Penal, o que constituiu a primeira alteração de que foi alvo por exigência dos interesses pessoais de figuras políticas. Soares é arrogante, pesporrento e malcriado. É conhecidíssima a frase que dirigiu, perante as câmaras de TV, a um agente da GNR em serviço que cumpria a missão de lhe fazer escolta enquanto presidente da República durante a Presidência aberta em Lisboa: «Ó Sr. Guarda! Desapareça!».

Nunca, em Portugal, um agente da autoridade terá sido tão humilhado publicamente por um responsável político, como aquele pobre soldado da GNR. Em minha opinião, Mário Soares nunca foi um verdadeiro democrata. Ou melhor, é muito democrata se for ele a mandar. Quando não, acaba-se imediatamente a democracia. À sua volta não tem amigos, e ele sabe-o; tem pessoas que não pensam pela própria cabeça e que apenas fazem o que ele manda e quando ele manda. Só é amigo de quem lhe obedece. Quem ousar ter ideias próprias é triturado sem quaisquer contemplações. Algumas das suas mais sólidas e antigas amizades ficaram pelo caminho quando ousaram pôr em causa os seus interesses ou ambições pessoais.

Soares é um homem de ódios pessoais sem limites, os quais sempre colocou acima dos interesses políticos do partido e do próprio país.

Em 1980, não hesitou em apoiar objectivamente o general Soares Carneiro contra Eanes, não por razões políticas mas devido ao ódio pessoal que nutria pelo General Ramalho Eanes. E como o PS não alinhou nessa aventura que iria entregar a presidência da República a um general do antigo regime, Soares, em vez de acatar a decisão maioritária do seu partido, optou por demitir-se e passou a intrigar, a conspirar e a manipular as consciências dos militantes socialistas e de toda a sorte de oportunistas, não hesitando mesmo em espezinhar amigos de sempre como Francisco Salgado Zenha!

Confesso que não sei por que é que o séquito de prosélitos do soarismo (onde, lamentavelmente, parece ter-se incluído agora o actual presidente da República (Mário Soares), apareceram agora tão indignados com as declarações de governantes angolanos e estiveram tão calados quando da publicação do livro de Rui Mateus sobre Mário Soares. Na altura, todos meteram a cabeça na areia, incluindo o próprio clã dos Soares, e nem tugiram nem mugiram, apesar de as acusações  serem então bem mais graves do que as de agora. Por que é que Jorge Sampaio se calou contra as «calúnias» de Rui Mateus?».

Um doce a quem encontrar um exemplar do livro de Rui Mateus. (Foram todos assambarcados por ele…)

DINHEIRO DE MACAU

Anos mais tarde, um senhor que fora ministro de um governo chefiado por MÁRIO SOARES, ROSADO CORREIA, vinha de Macau para Portugal com uma mala com dezenas de milhares de contos. *A proveniência do** dinheiro era tão pouco limpa que um membro do governo de Macau, António Vitorino, foi a correr ao aeroporto tirar-lhe a mala à última hora. Parece que se tratava de dinheiro que tinha sido obtido de empresários chineses com a promessa de benefícios indevidos por parte do governo de Macau. Para quem era esse dinheiro foi coisa que nunca ficou devidamente esclarecida. O caso EMAUDIO (e o célebre fax de Macau) é um episódio que envolve destacadíssimos soaristas, amigos íntimos de Mário Soares e altos dirigentes do PS da época soarista. Menano do Amaral chegou a ser responsável pelas finanças do PS e Rui Mateus foi durante anos responsável pelas relações internacionais do partido, ou seja, pela angariação de fundos no estrangeiro. Não haveria, seguramente, no PS ninguém em quem Soares depositasse mais confiança. Ainda hoje subsistem muitas dúvidas (e não só as lançadas pelo livro de Rui Mateus) sobre o verdadeiro destino dos financiamentos vindos de Macau. No entanto, em tribunal, os pretensos corruptores foram processualmente separados dos alegados corrompidos, com esta peculiaridade (que não é inédita) judicial: os pretensos corruptores foram condenados, enquanto os alegados corrompidos foram absolvidos...

Aliás, no que respeita a Macau, só um país sem dignidade e um povo sem brio nem vergonha é que toleravam o que se passou nos últimos anos (e nos últimos dias) de administração portuguesa daquele território, com os chineses pura e simplesmente a chamar ladrões aos portugueses. E isso não foi só dirigido a alguns colaboradores de cartazes do MASP que a dada altura enxamearam aquele território. Esse epíteto chegou a ser dirigido aos mais altos representantes do Estado Português. Tudo por causa das fundações criadas para tirar dinheiro de Macau. Mas isso é outra história cujos verdadeiros contornos hão-de ser um dia conhecidos.

E não foi só em Portugal que Mário Soares conviveu com pessoas pouco recomendáveis! Veja-se o caso de BETINO CRAXI, o líder do PS italiano, condenado a vários anos de prisão pelas autoridades judiciais do seu país, devido a graves crimes como corrupção. Soares fez questão de lhe manifestar publicamente solidariedade quando ele se refugiou na Tunísia...

Veja-se também a amizade com Filipe González, líder do Partido Socialista de Espanha que não encontrou melhor maneira para resolver o problema político do país Basco senão recorrer ao terrorismo, contratando os piores mercenários do lumpen e da extrema direita da Europa para assassinar militantes e simpatizantes da ETA!

Mário Soares utilizou também o cargo de presidente da República para passear pelo estrangeiro, como nunca ninguém fizera em Portugal. Ele, que tanta austeridade impôs aos trabalhadores portugueses enquanto primeiro-ministro, gastou, como Presidente da República, milhões de contos dos contribuintes portugueses em passeatas pelo mundo, com verdadeiros exércitos de amigos e prosélitos do soarismo, com destaque para jornalistas. São muitos desses «viajantes» que hoje se põem em bicos de pés a indignar-se pelas declarações dos governantes angolanos!

Enquanto Presidente da República, Soares abusou como ninguém das distinções honoríficas do Estado Português. Não há praticamente nenhum amigo que não tenha recebido uma condecoração, enquanto outros cidadãos, que tanto mereceram, não obtiveram qualquer distinção durante o seu «reinado». Um dos maiores vultos da resistência antifascista no meio universitário, e um dos mais notáveis académicos portugueses, perseguido pelo antigo regime, o Prof. Doutor Orlando de Carvalho, não foi merecedor, segundo Mário Soares, da Ordem da Liberdade. Mas alguns que até colaboraram com o antigo regime receberam as mais altas distinções. Orlando de Carvalho só veio a receber a Ordem da Liberdade depois de Soares deixar a Presidência da República, ou seja logo que Sampaio tomou posse. A razão foi só uma: Orlando de Carvalho nunca prestou vassalagem a Soares e Jorge Sampaio... não fazia depender disso a atribuição de condecorações.

 

FUNDAÇÃO COM DINHEIROS PÚBLICOS

A pretexto de uns papéis pessoais cujo valor histórico ou cultural nunca ninguém sindicou, Soares decidiu fazer uma Fundação com o seu nome. Nada de mal se o fizesse com dinheiro seu, como seria normal. Mas não; acabou por fazê-la com dinheiros públicos.

SÓ O GOVERNO, DE UMA SÓ VEZ DEU-LHE 500 MIL CONTOS E A CÂMARA DE LISBOA, PRESIDIDA PELO SEU FILHO, DEU-LHE UM PRÉDIO NO VALOR DE CENTENAS DE MILHARES DE CONTOS!

 

 

 

 

Os Podres denunciados por José Gomes Ferreira

Dr. José Gomes Ferreira, economista e comentarista da SIC, denuncia o lobby da EDP

Num comentário semanal no telejornal da SIC, que pode visualizar em http://sicnoticias.sapo.pt/economia/2013-10-07-estas-empresas-transformaram-se-num-monstro-e-ninguem-as-poe-em-ordem , o comentarista Dr. José Gomes Ferreira, a propósito dos lucros gigantes auferidos pela EDP, mesmo nos tempos da crise aguda que atravessamos, e pela sua renúncia em baixar as tarifas da distribuição da electricidade em Portugal, teceu os seguintes comentários.

 

 

«Eles dizem que não se mudam as regras a  meio do jogo. Mas para nós mudam-se! Para nós que já pagamos mais IRS, mais IVA, para os reformados, que está toda a gente a pagar a crise, e estes senhores não querem pagar…?

Não são só eles. Estes senhores têm o sector financeiro por trás deles, que são os verdadeiros beneficiários das rendas excessivas que eles recebem, recordo-as aqui.

Recordo que eles recebem para inactividade, ou para produzir ou estar parados, na forma de produção clássica de electricidade. Através de gás natural, de carvão e hídricas. Recebem para estar parados, e depois recebem muito mais do que deviam para produzir electricidade eólica, foto-voltaica, bio-massa e por aí a fora.

Estes senhores conseguiram que o estado e os consumidores em geral negociassem assim, porque o parlamento legislou a favor deles. Criaram um estado dentro do estado, e estas empresas transformaram-se num monstro. Isto é a coisa mais mal explicada, na nossa história, desde o 25 de Abril. Eles agora julgam que mandam no país, e ninguém os põe na ordem. Nós devemos erguer a nossa voz e pô-los na ordem! Têm que pagar como os outros. É escandaloso o que estes senhores dizem.

Agora vêm dizer: “Não, não! A factura tem de ser passada aos consumidores”. Ainda mais? É o que eles querem! E indirectamente é o que acabarão por fazer, porque dominam de tal maneira o processo legislativo, que o parlamento faz o que eles querem. E as pessoas ainda não perceberam isso! E é assim desde o 25 de Abril! Conseguiram transformar-se num estado dentro de um estado, através de grandes gabinetes de advogados que preparam as leis que fazem aprovar no parlamento. E ninguém se revolta contra isto. Eu revolto-me! Esta gente tem de pagar a crise! E esta gente tem de perceber que vive em Portugal, um país intervencionado. Têm de aceitar que tenham menos lucros. A maior empresa deste sector tem todos os anos mil milhões de lucros. E depois, ainda escapam à tributação, porque arranjam pretextos para não pagar o respectivo IRC. E não querem pagar a crise? Estes senhores deviam era ser obrigados a tabelarem-lhes o preço da electricidade que vendem, e obrigá-los a venderem abaixo desse preço e dizerem-lhes: “Se não quiseres vender aqui, vai vender a outro lado. Aqui só vendes ao preço que o povo te deixa”. Estes senhores deviam ser tratados assim! Ousam brincar connosco.

Desculpem se me entusiasmei. Mas merece a nossa indignação!»

 

O José Gomes Ferreira não disse, mas o que explica muitas das situações idênticas a esta que agora apresentei da EDP, é que as decisões são tomadas nas lojas maçónicas, acima dos governantes, os quais não passam de marionetes neste jogo viciado para espoliar o povo dos seus parcos dinheiros.

Da mesma maneira lembro a situação profundamente injusta das taxas de IRC aplicadas ao sector bancário e financeiro ser só de 17%, quando para as empresas atinge os 40%. Porquê? A pergunta e a resposta são sempre as mesmas. Quem perde? O Zé povinho. Quem lucra? Os amigalhaços habituais… Isto é uma injustiça que brada aos Céus.

José Gomes Ferreira também explica o que se passa com os preços da electricidade e gás, no seu comentário, no Youtube:

https://www.youtube.com/watch?v=uW0Oo4ebfZM&feature=em-share_video_user

Se fizerem uma busca no Youtube dos vídeos da Zita Paiva, que penso seja a criadora do “Apodrece Tuga, em https://www.youtube.com/user/tachos2000/videos  vão encontrar mais de 150 vídeos que expõe a força dos lobbys em Portugal, e o despudor da sua actuação e a respectiva permissividade dos políticos partidários deste regime republicano em que vivemos.

 

Os Podres denunciados por António Costa

 

Para quem não sabe, António Costa é um ex-ministro do partido socialista, é em 2014 presidente da Câmara Municipal de Lisboa, é em 2014 o número dois do Partido Socialista, maçom poderoso, e é neto do carbonário, José Júlio Costa, que assassinou o Presidente da República Sidónio Pais, em 14 de Dezembro de 1918.

O Presidente Sidónio Pais, a quem Fernando Pessoa chamou de “O Presidente-Rei”, foi uma fulgurante luz que brilhou efemeramente no terrível cenário dos primeiros tempos da República instaurada em Portugal em 1910.

António Costa, na qualidade de maçom, socialista e político, fala com conhecimento e esclarecimento de causa.

O que a seguir transcrevo, foi a intervenção que António Costa fez no programa televisivo da SIC “Quadratura do Círculo”.

Pode ver o Vídeo no Youtube em:  https://www.youtube.com/watch?v=FkWWmGFHriE  a partir do minuto 48’ 15”.

Os outros intervenientes, Pacheco Pereira e Lobo Xavier, nem abriram a boca.

Claro que o moderador também não.

Intervenção de António Costa no programa “Quadratura do Círculo” a 29-11-2012

 

E aqui está textualmente o que ele disse (transcrito manualmente):

 

 

 

«(...) A situação a que chegámos não foi uma situação do acaso. A União Europeia financiou durante muitos anos Portugal para Portugal deixar de produzir; não foi só nas pescas, não foi só na agricultura, foi também na indústria, por ex. no têxtil. Nós fomos financiados para desmantelar o têxtil porque a Alemanha queria, a Alemanha e os outros países como a Alemanha, queriam que abríssemos os nossos mercados ao têxtil chinês basicamente porque ao abrir os mercados ao têxtil chinês eles exportavam os teares que produziam, para os chineses produzirem o têxtil que nós deixávamos de produzir.

E portanto, esta ideia de que em Portugal houve aqui um conjunto de pessoas que resolveram viver dos subsídios e de não trabalhar e que viveram acima das suas possibilidades é uma mentira inaceitável.

Nós orientámos os nossos investimentos públicos e privados em função das opções da União Europeia: em função dos fundos comunitários, em função dos subsídios que foram dados e em função do crédito que foi proporcionado. E portanto, houve um comportamento racional dos agentes económicos em função de uma política induzida pela União Europeia.

Portanto não é aceitável agora dizer?: “Podemos todos concluir, e acho que devemos concluir, que errámos”.

Agora, eu não aceito que esse erro seja um erro unilateral dos portugueses. Não, esse foi um erro do conjunto da União Europeia e a União Europeia fez essa opção, porque a União Europeia entendeu que era altura de acabar com a sua própria indústria e ser simplesmente uma praça financeira. E é isso que estamos a pagar»!

 

 

Este exemplo dado por António Costa, mostra bem que os Governos nacionais são correias de transmissão das forças supra-nacionais, das potências financeiras, congregadas nas lojas maçónicas, que usam os governantes como correias de transmissão das suas políticas.

Agora faço minhas as palavras de Manuel Pires, do Blog “O Radical”, introduzindo-lhe algumas correcções e pequenas modificações.

 

 

“A ideia de que os portugueses são responsáveis pela crise, porque andaram a viver acima das suas possibilidades, é um enorme embuste. Esta mentira só é ultrapassada por uma outra. A de que não há alternativa à austeridade, apresentada como um castigo justo, face a hábitos de consumo exagerados. Colossais fraudes. Nem os portugueses merecem castigo, nem a austeridade é inevitável.

Quem viveu muito acima das suas possibilidades nas últimas décadas foi a classe política e os muitos que se alimentaram da enorme manjedoura que é o orçamento do estado. A administração central e local enxameou-se de milhares de "boys", criaram-se institutos inúteis, fundações fraudulentas e empresas municipais fantasma. A este descalabro juntou-se uma epidemia fatal que é a corrupção.

Os exemplos sucederam-se. A Expo 98 transformou uma zona degradada numa nova cidade, gerou mais-valias urbanísticas milionárias, mas no final deu prejuízo para o Estado. Foi ainda o Euro 2004, e a compra dos submarinos, com pagamento de luvas e corrupção provada, mas só na Alemanha. E foram as vigarices de Isaltino Morais (pelas quais ele está a pagar parcialmente na prisão). A que se juntam os casos de Duarte Lima, do BPN e do BPP, as parcerias público-privadas, os contratos Swap, e mais um rol interminável de crimes financeiros que depauperaram o erário público. Todos estes negócios e privilégios concedidos a um polvo que, com os seus tentáculos, se alimenta do dinheiro do povo, têm responsáveis conhecidos, mas que parece que vivem acima da lei e por ela não podem ser tocados. As consequências desta impunidade, são os sacrifícios por que hoje passam os mais frágeis, os jovens, os idosos, os pensionistas e os desempregados.

Enquanto isto, os portugueses têm vivido muito abaixo do nível médio do cidadão europeu. Não acima das suas possibilidades! Não devemos pois, enquanto povo, ter remorsos pelo estado das contas públicas. Devemos antes exigir a eliminação dos privilégios que nos arruínam. Há que renegociar as parcerias público-privadas, rever os juros da dívida pública, extinguir organismos, observatórios e fundações supérfluas, etc., etc,...

Restaure-se um mínimo de seriedade e poupar-se-ão milhões, sem penalizar os cidadãos.

Não é, assim, culpando e castigando o povo pelos erros da sua classe política, que se resolve a crise”.

 

Esta crise artificial criada pelos poderosos, que controlam o mundo financeiro e os diversos governos mundiais, resolve-se combatendo as suas verdadeiras causas:

1º lugar - Combater as políticas emanadas pela pirâmide do poder instalado, demónio, cabala judaica, maçonaria, pondo em prática a Doutrina Social da Igreja, e

2º lugar - Combatendo os lobbys, a fuga fiscal, o despesismo, o perdão fiscal aos bancos, financeiras e grandes grupos empresariais, e a corrupção, pondo em prática a Moral, a Caridade e a Fraternidade Cristãs.

Esta sim, é a única alternativa séria à austeridade a que nos condenaram e ao assalto fiscal que se perpetrou.

Este combate inicia-se com o Voto em Branco, tendo em vista o GAL.

 

 

Os Podres na Assembleia da República

Eis uma pequena lista com os Links em que são detectadas irregularidades e injustiças e regalias excessivas:

 

1.     Em flores

2.     Em Assistentes pessoais

3.     Em cantinas

4.     Em subvenções vitalícias, precoces e que dobram de valor aos 60 anos

5.     Em Golf subsidiado, é essencial

6.     Em regalias aos ex-presidentes

7.     Em despesismo inútil

8.     Em Regalias e mais regalias aos deputados

9.     Em Incompetência / irresponsabilidade

10. Majestoso menu de luxo, da AR

11. Em video, mais luxos

12. Os carros de luxo... ou bólides

13. O orçamento da AR de 2013, engorda?

14. Deputados defendem o povo, atacam deputados?

15. Em Água mineral, por favor.

16. Deputados representam o interesse dos deputados

17. Em numerosos de deputados

18. O futuro dourado

19. Marinho Pinto tenta enfrentar os deputados advogados

20. Os privilegiados

21. Corrupção à descarada

Após se dar uma vista de olhos para as regalias apontadas nos Links acima descritos, é interessante sabermos alguma coisa sobre os Deputados Ingleses...

Deputados no Reino Unido - Inglaterra

 

 

Os deputados do Reino Unido, na "Mãe dos Parlamentos":

1 . Não têm lugar certo onde sentar-se, na Câmara dos Comuns;
2 . Não têm escritórios, nem secretários, nem automóveis;
3 . Não têm residência (pagam pela sua casa em Londres ou nas províncias) - Detalhe: e pagam, por todas as suas despesas, normalmente, como todo e qualquer trabalhador!
4 . Não têm passagens de avião gratuitas, salvo quando ao serviço do próprio Parlamento;
5.  E o seu salário equipara-se ao de um Chefe de Secção de qualquer repartição pública!

Em suma, são SERVIDORES DO POVO e não PARASITAS do povo.

Em Portugal, os funcionários não deputados que trabalham na Assembleia têm um subsídio equivalente a 80 % do seu vencimento? Isto é, se cá fora ganhasse €1000,00, lá dentro ganharia €1800,00. Porquê? Será que se deve ao facto de só serem  chamados os amigalhaços? 

 

A “frugal cantina” dos deputados da Assembleia da República

Consta do Orçamento da AR para este ano (publicado em Diário da República) estas 2 rubricas:

 

 

1 - Despesa de Restaurante, Refeitório e Cafetaria               960 mil Euros

2 - Receita da venda de senhas de refeição                           260 mil Euros

Prejuízo, pago pelos contribuintes                                         700 mil Euros

 

No Caderno de Encargos para o Refeitório da Assembleia da República, tem de ser servido:

 

 

- Sopa: normal e dieta (obrigatoriamente elaborada com base em vegetais frescos e/ou congelados, sendo proibido o uso de bases pré-preparadas. São admissíveis sopas com elementos proteicos uma vez por semana – sopa de peixe, canja de galinha, etc.).

- Carne, peixe, dieta, opção, Bitoque. Pão, integral ou de mistura; Salada; Sobremesas incluindo, no mínimo, 4 variedades de fruta e 4 de doces/bolos/sorvete, além de maçã assada e salada de frutas.

- Mesa com complementos frios (saladas), com no mínimo 8 variedades entre as quais se incluem, obrigatoriamente, tomate, alface e cenoura, além de molhos e temperos variados.

- Uma mesa com um prato vegetariano e mais 4 componentes quentes vegetarianos (cereais, leguminosas e legumes).

Sobre alguns dos ingredientes a serem usados, é exigido o seguinte:
Café: “O café para serviço nas Cafetarias deverá ser de 1ª qualidade, em grão para moagem local, observando lotes que incluam um mínimo de 50% de “arábica” na sua composição”.

Bacalhau: “O Bacalhau deverá ser obrigatoriamente da espécie Cod Gadusm Morhua. Pode apresentar-se seco para demolha, fresco ou demolhado ultracongelado, observando-se como tamanho mínimo 1 Kg (“crescido”), para confecções prevendo “desfiados” (à Brás, com natas ou similares) ou 2 Kg (“graúdo”) para confecções “à posta”.

Carnes de Aves: “Peru (inteiro em carcaças limpas com peso superior a 5 Kg, coxas, bifes obtidos exclusivamente por corte dos músculos peitorais). Frango (inteiro em carcaças limpas com peso aproximado 1,2 Kg, coxas e ante-coxas, bifes obtidos exclusivamente por corte dos músculos peitorais).

 

Quanto aos Preços praticados temos os seguintes valores, colhidos por um jornalista que se deslocou propositadamente ao Bar/Restaurante da Assembleia da República, para se informar de quanto um deputado gasta com as módicas refeições de todo um dia:

 

 

Pequeno Almoço -  Café (5c) e um bolo de arroz (10c)                    €0,15 Euro   (15 cêntimos)

10 Minis Cervejas -                                                                                   €1,00 Euro   (10 cêntimos por Mini)

A meio da manhã - um gin Bombay Sapphire                                    €1,65 Euro

Já perto do Almoço - um vodka Eristoff                                              €1,50 Euro

Almoço - gambas, camarão tigre, lavagante, sapateira,

queijo da Serra, presunto de Barrancos, tudo à discrição,

prato de Garoupa, um Bife do Lombo, tudo bem regado

com vinho Palácio da Bacalhoa                                                             €3,00 Euros

Whisky Famous Grouse,                                                                         €2,00 Euros

À tarde - garrafa de champanhe Krug                                                  €3,00 Euros (a garrafa inteira)

Caviar Beluga                                                                                            €1,00 Euro

Total do dia com tudo do bom e do melhor                                     €13,30 Euros

 

Recorde-se que as refeições escolares no ensino básico rondam €3,80 Euros.

Comparando estes Preços do Bar/Restaurante da Assembleia da República, só frequentado por deputados e ministros, ficamos surpreendidos, pois aqui comem os que se dizem socialistas, comunistas, esquerdistas, os defensores do povo, numa palavra - os democratas.

Nota - Se houver alguma incorrecção nestes números, agradeço que me comuniquem de imediato, para os poder corrigir, já que não fui eu a recolher estes dados.

 

Mais alguns valores surpreendentes da melhoria de vida dos deputados em tempo de crise

Para confirmação destes dados, consultar:

Diário da República, 1.ª Série, n.º 226, de 21/11/2013, relativo ao orçamento de 2014, e

Diário da República, 1.ª Série, n.º 222, de 16/11/2012, relativamente ao orçamento de 2013.

 

 

O orçamento para o funcionamento da Assembleia da República foi já aprovado em 25 de Outubro de 2013, e os vencimentos previstos com os deputados e demais pessoal aumentam em 2014.
Mais uma vez, como já é sobejamente conhecido, a Assembleia da República dá o mau exemplo do despesismo público.

Em relação ao ano de 2013, o Orçamento para o funcionamento da Assembleia da República para 2014 prevê um aumento global de 4,99% nos vencimentos dos deputados, passando estes de €9,8 milhões de Euros para €10,3 milhões de Euros. Isto em tempo de crise em que se anda a cortar nos ordenados dos funcionários públicos e nas mensalidades dos pensionistas e reformados.

Mais estranho ainda é a verba relativa aos subsídios de férias de Natal que, relativamente ao orçamento para o ano de 2013, beneficia de um aumento de 91,8%, passando, portanto, de €1,02 milhões de Euros no orçamento relativo a 2013 para €1,95 milhões de Euros no orçamento para 2014. São €934 mil Euros a mais, em relação ao ano anterior! Isto em tempo de crise em que se anda a cortar nos ordenados dos funcionários públicos e nas mensalidades dos pensionistas e reformados.

Este brutal aumento não tem qualquer explicação racional e legal, pois consultando a respectiva legislação, para confirmar a fórmula de cálculo, não se encontra nenhuma alteração legal desde o ano de 2004, pelo que não se consegue detectar a explicação para tanto aumento... (Consultar o respectivo documento do orçamento da Assembleia da República para 2014 e, no capítulo das despesas, rubrica 01.01.14.)

Já as despesas totais com remunerações certas e permanentes com a totalidade do pessoal, ou seja, os deputados, assistentes, secretárias e demais assessores, ao serviço da Assembleia da República aumentam 5,4%, somando o Total de €44,5 milhões de Euros. Isto em tempo de crise em que se anda a cortar nos ordenados dos funcionários públicos e nas mensalidades dos pensionistas e reformados.

Os partidos políticos também vão receber em 2014, a título de subvenção política e para campanhas eleitorais o montante de €18,3 milhões de Euros.

Os grupos parlamentares ainda recebem uma subvenção própria de €880 mil Euros sendo a subvenção só para despesas de telefone e telemóveis a quantia de €200 mil Euros.

 

Não admira que todos os comilões queiram ser deputados!

Denúncia feita pelo Prof. Paulo Morais na Assembleia da República

Intervenção do Prof. Paulo Morais no parlamento a 29 de Novembro de 2013.

https://www.youtube.com/watch?v=BXSNgfYQgk4&feature=share

A título de exemplo, o Prof. Paulo Morais fez acusações a Duarte Lima, Manuel Isaac, José Manuel Canavarro, Ricardo Baptista Leite, Couto dos Santos, Miguel Frasquilho, Adolfo Mesquita Nunes, Pedro Pinto, Vera Jardim, Lobo d’Ávila, Matos Correia, José Luís Arnaut, Rui Pena, Paulo Mota Pinto e Ricardo Rodrigues (o ladrão de gravadores, como o denominou o Professor), e as ligações perigosas que todos estes senhores deputados/advogados/economistas têm ou tiveram com os interesses privados, grandes empresas e grandes escritórios de advogados, que também identificou devidamente.

 

 

PEC - PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL

Circula na Net, para assinatura, uma petição sobre a Lei de Reforma da Assembleia da República, feita por Teresa Semedo,  Advogada - C.P. 1948p.

 

PEC de iniciativa popular:
Lei de Reforma da Assembleia (proposta de emenda à Constituição) 

1. O deputado será assalariado somente durante o mandato. Não haverá 'reforma pelo tempo de deputado', mas contará o prazo de mandato exercido para agregar ao seu tempo de serviço junto ao INSS referente ao seu trabalho como cidadão normal.

2. A Assembleia (deputados e funcionários) contribui para o INSS. Toda a contribuição (passada, presente e futura) para o fundo actual de reforma da Assembleia passará para o regime do INSS imediatamente. Os senhores deputados participarão dos benefícios dentro do regime do INSS, exactamente como todos outros portugueses. O fundo de reforma não pode ser usado para qualquer outra finalidade.

3. Os senhores deputados e assessores devem pagar os seus planos de reforma, assim como todos os outros portugueses.

4. Aos deputados fica vedado aumentar os seus próprios salários e gratificações fora dos padrões do crescimento de salários da população em geral, no mesmo período.

5. Os deputados e seus agregados perdem os seus actuais seguros de saúde, pagos pelos contribuintes, e passam a participar do mesmo sistema de saúde do povo português.

6. A Assembleia deve igualmente cumprir todas as leis que impõe ao povo português, sem qualquer imunidade que não aquela referente à total liberdade de expressão quando na tribuna da Assembleia.

7. Exercer um mandato na Assembleia é uma honra, um privilégio e uma responsabilidade, não uma carreira. Os deputados não devem "servir" mais de duas legislaturas consecutivas.

8. É vedada a actividade de “lobysta” ou de “consultor” quando o objecto tiver qualquer laço com a causa pública.

 

 

 

 

Os Podres nos Assessores e Especialistas

A título exemplificativo do compadrio com os amigalhaços, e do despesismo de estado, apresento uma Lista de 28 Assessores / Adjuntos / Especialistas (leia-se Boys e Girls) contratados por diversos Ministérios, todos de idade inferior a 30 anos, havendo 14 "especialistas" com idades entre os 24 e os 25 anos.

Especialistas (tão novinhos e já especializados?) saídos de Faculdades onde, na maior parte delas, o curso é... equivalente!
O curioso desta Lista é ver que qualquer um destes Assessores / Adjuntos / Especialistas, para começo de carreira, a trabalhar para o Estado, ganham mais do que um Coronel das Forças Armadas com mais de 30 anos de serviço!

Isto é qualquer coisa que brada aos Céus!

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL (2)
Cargo: Assessora      Nome: Ana M. M. N. dos S.       Idade: 29 anos       Vencimento Mensal Bruto: €4.069,33 Euros
Cargo: Adjunto      Nome: J. M. S. A.                              Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.183,63 Euros
MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS (1)
Cargo: Adjunto      Nome: Filipe F.                                 Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €4.633,82 Euros
MINISTÉRIO DAS FINANÇAS (4)
Cargo: Adjunto      Nome: Carlos C. de O. V. de A.     Idade: 26 anos      Vencimento Mensal Bruto: €4.069,33 Euros
Cargo: Assessor      Nome: Bruno M. R. E.                  Idade: 29 anos      Vencimento Mensal Bruto: €4.854 Euros
Cargo: Assessor      Nome: Filipe G.F. A.         Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €4.854 Euros
Cargo: Adjunto      Nome: Nelson R. R. G.         Idade: 29 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,33 Euros
MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA (2)
Cargo: Assessor      Nome: Jorge A. M. G. N.              Idade: 29 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,33 Euros
Cargo: Assessor      Nome: André M.S. R. B.               Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €4.364,50 Euros
MINISTRO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS PARLAMENTARES (5)
Cargo: Especialista      Nome: Diogo R. M. N.                                     Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,33 Euros
Cargo: Adjunto      Nome: A.r V. M.                                            Idade: 29 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,33 Euros
Cargo: Especialista      Nome: Tatiana F.A. L. C. da S. C.                 Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,33 Euros
Cargo: Especialista      Nome: Rita F. R. T. B. C.                                Idade: 27 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,33 Euros
Cargo: Especialista      Nome: André T. P. da S.                     Idade: 29 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,33 Euros
MINISTÉRIO DA ECONOMIA (8)
Cargo: Adjunta      Nome: Cláudia de M. A. S. P.                                Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,34 Euros
Cargo: Especialista/Assessor      Nome: Tiago L. M.                        Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,34 Euros
Cargo: Especialista/Assessor      Nome: João M. C. B.                    Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,34 Euros
Cargo: Especialista/Assessor      Nome: Tiago J. de O. B. P.     Idade: 27 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,34 Euros
Cargo: Especialista/Assessor      Nome: André F. A. R.      Idade: 29 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,34 Euros
Cargo: Especialista/Assessor      Nome: Ana da C. G. D.                Idade: 25 anos        Vencimento Mensal Bruto: €5.069,34 Euros
Cargo: Especialista/Assessor      Nome: David E. de C. F. M.        Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,34 Euros
Cargo: Especialista/Assessor      Nome: João M. F. V.M.                Idade: 24 anos       Vencimento Mensal Bruto: €5.069,34 Euros
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA (3)
Cargo: Especialista/Assessor      Nome: Joana M. E. S. M. N.        Idade: 25 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,33 Euros
Cargo: Especialista/Assessor      Nome: Antero S.                           Idade: 27 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,33 Euros
Cargo: Especialista                           Nome: Tiago de M. S. M. C.      Idade: 28 anos      Vencimento Mensal Bruto: €3.069,33 Euros
MINISTÉRIO DA SAÚDE (1)
Cargo: Adjunto      Nome: Tiago M M M                                                Idade: 29 anos      Vencimento Mensal Bruto: €5.069,37 Euros
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DA CIÊNCIA (2)
Cargo: Assessoria Técnica      Nome: Ana I. B. de F.                       Idade: 29 anos      Vencimento Mensal Bruto: €4.198,80 Euros
Cargo: Assessor      Nome: Ricardo M.                                                 Idade: 24 anos      Vencimento Mensal Bruto: €4.505,46 Euros

Com esta Lista, não quero dizer que os seus ordenado sejam muito altos. O que quero frisar é de que é injusto que os Técnicos Superiores do Funcionalismo Público, comparativamente, ganhem tão pouco, à volta de mil e tal Euros, e por isso, para “fazerem pela vida”, deixam-se corromper em muitos casos, e passam a receber luvas por fora, facilitando os processos e permitindo que as leis sejam contornadas ou violadas. A injustiça dos compadrios de uns poucos, leva à corrupção de muitos…

 

 

Os Podres com os Políticos e familiares

Seja qual for o posicionamento político dos cidadãos, que não estejam directamente ligados aos Partidos, a opinião é unânime e concordante quanto ao que motiva os políticos e os governantes - “Andam todos ao mesmo!...”

Todos estão de acordo de que os políticos e governantes são uns pavões, e do que gostam é de se pavonear. Gostam de ser reconhecidos pelo povo, gostam de ser adulados pelos subalternos, gostam de ter o poder de decidir, gostam da boa vida, gostam de ter muito dinheiro, boas casas e bons carros, gostam de ter mordomia, gostam de andar todos aperaltados com bons fatos, gravatas foleiras e sapatinhos engraxados, gostam de ser alvo das máquinas fotográficas e de aparecer na televisão a dar bitatos, gostam de se ouvir e ser citados, gostam de ser motivo de controvérsias, e, acima de tudo, adoram estar no poleiro!

E para se manterem no poleiro, fazem tudo o que tem de ser feito para enganar quem os elege. São mentirosos por natureza e profissionais encartados na mentira. Todos têm formação na arte de enganar e iludir e manipular as palavras, sempre dizendo o que julgam que os seus ouvintes querem ouvir. Assim, mantêm-se nas boas graças dos papalvos que os elegem. Nunca dizem o que pensam, porque se o fizessem, cairiam na desgraça dos seus eleitores.

Não há um único político que enverede pela carreira política, ou que aceite um cargo político, que seja para defesa do bem comum. O Espírito de Serviço à população, é só uma mentira que usam para defenderem as suas opções. Na verdade, só pensam em se servir a si próprios. Todos, sem excepção, só têm um único fito - melhorar de vida, e de caminho, se não for muito perigoso, mandarem umas  golpadas para enriquecerem. Não há um único político que não tenha metido uma cunha, que não tenha feito um favorzinho à malta do pagode, que não tenha aceite umas luvas, que não tenha puxado a brasa à sua sardinha e à dos amigos. Todos eles, na medida da sua coragem e da sua falta de escrúpulos, são corruptos. Uns mais do que outros, porque uns são mais betinhos e outros mais rufias e gandins. Pela sua proveniência familiar e social, podem-se detectar muito bem quais são os betinhos e quais são os gangsters. Mas todos têm uma coisa em comum - a ganância. Toda a sua inteligência é posta ao serviço de fazerem as coisas, de tal maneira, para que pareçam serem para o bem comum, mas, na realidade, através de esquemas bem montados, servem só para tirar partido monetário.

Se houver alguém verdadeiramente bem intencionado, não opta por ser político, mas luta pelo derrube “desta política”, deste Sistema e deste Regime caduco e corrupto.

Passo a enunciar só os casos mais mediáticos, porque como é evidente, a polícia não tem meios para ir atrás de todos os corruptos, e por isso, só vão atrás dos maiores, e é interessante constatar que os corruptos do Partido Socialista só são apanhados nas legislaturas em que o PSD ganha, e que os corruptos do PSD, só são apanhados nas legislaturas em que ganha o PS… Muito interessante…

Os casos mais mediáticos de Corrupção

OPERAÇÃO FURACÃO

Uma das mega-investigações em Portugal que envolve centenas de empresas e alguns bancos. Em causa estão crimes de fraude fiscal e de branqueamento de capitais, tendo o Estado sido lesado em 280 milhões de euros. O Ministério Público começou a investigar há cinco anos e o esquema tem-se revelado uma bola de neve, um poço sem fundo, onde a cada investigação surgem novos empresários ou individuais no esquema de colocação de verbas fora do país por intermédio de bancos e outras instituições financeiras, através de facturação falsa. Além de empresas, também há advogados visados pelas autoridades, por suspeitas de proporem aos clientes esquemas para pagarem menos impostos. O esquema da "Operação Furacão" assenta, essencialmente, na simulação de relações comerciais entre empresas portuguesas e outras (fictícias) sediadas no Reino Unido. Ora, esta relação fictícia permitia, posteriormente, às sociedades portuguesas abaterem este "custo" em sede de IRC. Este dinheiro-extra poderia alimentar um "saco azul" ou, como refere o Ministério Público, ir parar aos bolsos dos gestores das empresas. Daí que alguns estejam já indiciados pelo crime de abuso de confiança. O MP já fez 506 arguidos e a directora do DCIAP revelou que o Estado já conseguiu reaver 80 milhões de euros.

OPERAÇÃO FACE OCULTA

Tornou-se um dos processos mais mediáticos dos últimos tempos porque envolve o nome do ex-ministro Armando Vara, que foi constituído arguido, e o de José Sócrates, interceptado em escutas telefónicas. A operação "Face Oculta" começou em Aveiro e estava relacionada com alegados crimes económicos de um grupo empresarial de Ovar que integra a O2-Tratamento e Limpezas Ambientais, a que está ligado o empresário Manuel José Godinho. Este é o único arguido que chegou a estar em prisão preventiva. A empresa de Godinho seria favorecida em vários negócios e concursos com o Estado. O tráfico de influências é um dos crimes de corrupção que está em causa neste processo. Actualmente, existem 15 arguidos. Além de Vara, vão sentar-se no banco dos réus José Penedos, ex-presidente da Rede Eléctrica Nacional (REN), e o seu filho Paulo Penedos, advogado da empresa SCI-Sociedade Comercial e Industrial de Metalomecânica SA, de Manuel José Godinho. O julgamento arranca em Novembro. No âmbito das escutas no processo, são interceptadas conversas do então primeiro-ministro, que o PGR entendeu não terem indícios para abertura de um inquérito. Destas escutas nasceu outro caso que ‘animou' o ano político em 2010 e levou à criação de uma comissão de inquérito: a intenção de compra da TVI pela PT. Sócrates dizia desconhecer. A oposição acusava-o de ter um plano, com Vara, para controlar a comunicação social.

OPERAÇÃO FREEPORT

O processo "Freeport" teve na sua origem suspeitas de corrupção e tráfico de influências na alteração à Zona de Protecção Especial do Estuário do Tejo e licenciamento do espaço comercial em Alcochete quando era ministro do Ambiente José Sócrates.

Entre os arguidos estavam os empresários Charles Smith e Manuel Pedro, o arquitecto Capinha Lopes, o antigo presidente do Instituto de Conservação da Natureza Carlos Guerra, o então vice-presidente deste organismo José Manuel Marques e o ex-autarca de Alcochete José Dias Inocêncio. Mas só Charles Smith e Manuel Pedro foram acusados e vão responder em tribunal. Charles Smith, sócio da consultora Smith & Pedro, contratada para tratar do licenciamento do ‘outlet', chegou a dizer que José Sócrates "é corrupto".

Em 2009, as autoridades inglesas decidiram encerrar as investigações sobre o alegado pagamento de "luvas" no âmbito daquele licenciamento, deixando as autoridades portuguesas sozinhas com o caso. Na acusação, os magistrados do MP que estavam responsáveis pelo caso disseram que não chegaram a ouvir Sócrates por falta de tempo, uma declaração que levantou uma forte polémica entre o PGR e os procuradores. Este mega-processo levou ainda ao afastamento polémico do presidente da Eurojust, alvo de um processo disciplinar por alegadas pressões no caso "Freeport".

CASO PORTUCALE

O Caso Portucale refere-se a um caso de corrupção que envolve o XVI Governo Constitucional de Portugalm, liderado por Pedro Santana Lopes (membro do Clube Bildeberg) relacionado com a aprovação de um empreendimento turístico da empresa Portucale, na Herdade da Vargem Fresca, em Benavente, Benavente. A aprovação foi concedida mediante um despacho assinado por Luís Nobre Guedes (ministro do Ambiente), Carlos Costa Neves (ministro da Agricultura) e Telmo Correia (ministro do Turismo), poucos dias antes das eleições legislativas de 2005. Para o arranque desse empreendimento turístico foram abatidos vários milhares de sobreiros na véspera da tomada de posse do novo governo.

Apesar da ligação do caso a esse empreendimento turístico, durante a investigação foram ainda recolhidos indícios de corrupção em outros casos que envolvem o Banco Espírito Santo, como o acordo entre o Estado e o consórcio AENOR relativo à exploração de SCUTs e um empreendimento turístico da ESAF, empresa do grupo Espírito Santo, em Vila Nova de Gaia.

No início da investigação foram constituídos arguidos Abel Pinheiro, o ex-dirigente do CDS/PP, e três gestores do GES, Luís Horta e Costa, Carlos Calvário e José Manuel de Sousa. Em 31 de Maio de 2010 foram levados a julgamento onze arguidos: Abel Pinheiro, Carlos Calvário, José Manuel de Sousa e Luís Horta e Costa (estes três ligados ao Grupo Espírito Santo), António de Sousa Macedo (ex-diretor geral das Florestas), Manuel Rebelo (membro da Direção Geral das Florestas), António Ferreira Gonçalves (chefe do Núcleo Florestal do Ribatejo), Eunice Tinta, João Carvalho, Teresa Godinho e José António Valadas.

CASO DOS SUBMARINOS

O caso dos submarinos refere-se a um caso de corrupção em Portugal relativo ao processo de um concurso público para aquisição de dois submarinos da classe Tridente realizado em 2004 pelo XV Governo Constitucional de Portugal ao Germain Submarine Consortium. Este caso está relacionado com corrupção, tráfico de influências e financiamento ilegal de partidos políticos, em que o contrato de venda, no valor de 880 milhões de euros, foi conseguido através de subornos e de negócios de consultoria falsos, mas de t al maneira bem feitos que a acusação não conseguiu provar nada. Só mais tarde ficaram comprovadas, por conversas gravadas da família Espírito Santo, as aldrabices que houve e as luvas que foram distribuídas.

n CASO DO BPN

O caso BPN refere-se a um conjunto de casos inter-relacionados com vários tipos de crimes, tais como corrupção, lavagem de dinheiro e tráfico de influências, que teve como testa de ferro, José Oliveira e Costa, alto funcionário do Banco de Portugal e presidente do BPN, que levaram à nacionalização do banco BPN e que envolveu altas figuras de estado, como o actual Presidente da República de Portugal, Cavaco Silva, bem como ex-membros do núcleo duro do seu X Governo Constitucional de Portugal como Dias Loureiro, Duarte Lima e Miguel Cadilhe. Entre as organizações envolvidas encontram-se, além do BPN, a Sociedade Lusa de Negócios e o Banco Insular. Foram falcatruas de muitos centenas de milhões de euros.

OPERAÇÃO LABIRINTO - CASO DOS VISTOS GOLD

O processo dos visto Gold, também conhecido por Operação Labirinto, tornou-se público e chocou o país pelo envolvimento de altos dirigentes da administração pública. A investigação da alegada rede de atribuição ilícita de vistos levou então a buscas e à constituição de pelo menos 11 arguidos. Estão em causa os crimes de corrupção, branqueamento de capitais, abuso de poder, tráfico de influências e peculato. Recordamos-lhe hoje as revelações feitas no jornal “i”, que trouxeram nova luz sobre este caso, a partir das escutas telefónicas que constam de um acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa. O nome mais sonante foi o do ministro do Interior Miguel Macedo (dirigente do PSD) que apresentou a sua demissão demissão.

CASO ISALTINO DE MORAIS

Este caso foi protagonizado pelo presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino Morais (dirigente do PSD), por diversos crimes de corrupção e muitas outras aldrabices. Depois de muitos recursos acabou por cumprir pena de prisão.

CASO DUARTE LIMA

Duarte Lima, deputado (dirigente do PSD), envolveu-se em burlas do BPN e no homicídio de Rosalina Ribeiro, no Brasil, pela qual está a ser julgado no Brasil. É acusado de burla, falsificação de documentos e homicídio premeditado.

CASO DAS SECRETAS

Cinco arguidos, entre eles um ex-espião das Secretas, Jorge Silva Carvalho, homem forte da Polícia Secreta Portuguesa, comete diversos delitos no exercício das suas funções e aproveita-se do seu poder para obter vantagens junto da função pública. Vão sentar-se no banco dos réus para o início de um julgamento que envolve crimes de violação do segredo de Estado e corrupção.

  CASO DO IMPÉRIO GES E DO BES

Falcatruas gigantes no império da família Espírito Santo, acobertadas ao longo de décadas por governantes maçons, acaba por levar à falência o GES e o BES. Ricardo Salgado, o testa de ferro da família, sempre esteve envolvido em grandes fraudes financeiras e em muitos casos de corrupção activa. À conta destes roubos gigantescos, milhares de pequenos aforradores perderam as economias de toda uma vida de trabalho.

CASO DO DIRIGENTE DO SPORTING

Paulo Pereira Cristóvão, dirigente do Sporting, foi julgado por sete crimes. O dirigente desportivo enfrenta acusações de um crime de burla qualificada, outro de branqueamento de capitais, dois de peculato, mais um de devassa por meio informático, um de acesso ilegítimo e um de denúncia caluniosa agravada. Veio também a ser acusado, noutro processo, de liderar uma organização criminosas que assaltava casas, com operacionais que se disfarçavam de polícias.

CASO ARMANDO VARA

Rufia do PSD, ministro e presidente da CGD e de muitos outros altos cargos, acaba por ser acusado de falcatruas milionárias. Maçon declarado, sempre agiu despudorada e destemidamente para concretizar os seus golpes financeiros de muitos milhões.

LISTA DOS MAIORES CRIMES DE PORTUGAL / CORRUPÇÃO:

http://apodrecetuga.blogspot.pt/p/dos-crimes-de-corrupcao.html#.Vcd4I_lVhr8

 

A ganância destes ricaços criminosos e sem escrúpulos não tem limites!

Para já, prestam contas aos homens, mas também hão de prestá-las a Deus!

No Juízo Universal, diante de toda a humanidade, serão julgados por Deus!

Aí, tudo o que ficou oculto será descoberto, e a vergonha será brutal!

O castigo de todas as suas iniquidades será o fogo eterno no Inferno!

 

Vou agora apresentar alguns casos de que tomei conhecimento, e que saltam à vista, por serem pouco habituais mas muito elucidativos.

Tudo sobre os privilégios dos Políticos

Todas os direitos e regalias de que os nosso políticos gozam, podem ser encontrados no site Tretas.org:    http://tretas.org/

Para fazer o download em pdf deste site pode aceder este Link: http://www.amen-etm.org/Politicos.pdf

 

Gastos da Casa Civil do Presidente da República

Foi publicado no Diário de Notícias e consta do Blog Portugal Glorioso (http://portugalglorioso.blogspot.pt/2013/06/despesa-desnecessaria.html), as declarações de SAR o Senhor Dom Duarte de Bragança, estes elucidativos dados sobre o que custa aos Portugueses a manutenção da Presidência da República.

 

5 vezes mais que casa Real Espanhola!

 Viriato de Viseu

A Presidência da República portuguesa custa cinco vezes do que a Casa Real espanhola, em valores absolutos, e 18 vezes mais por habitante (...) disse D. Duarte Pio de Bragança.

(...) O Presidente da República português, anualmente, "custa cerca de 2,9 euros por habitante" enquanto os encargos por habitante do Rei de Espanha representam "uns cêntimos por ano" aos cidadãos espanhóis.

 

"Em valores absolutos é cinco para um. Por habitante é 18 vezes mais.", disse Dom Duarte.

 

(...) Outra diferença entre o sistema monárquico e republicano espelha-se, segundo Dom Duarte Pio, nas visitas de Estado."O Rei de Espanha, quando viaja, ou vai num aviãozinho militar pequenino ou vai num avião de carreira. Nunca ninguém viu o Rei de Espanha requisitar um avião inteiro de uma companhia aérea para fazer uma viagem de visita oficial", sustentou." - in DN

 

 

Assim sendo, e tendo em conta que Espanha é muito  maior do que Portugal, e sendo as funções e trabalhos do Rei de Espanha muito semelhantes aos do Presidente em Portugal, seria de esperar que os Espanhóis tivessem muito mais encargos… Certo? Certo!

Então qual a causa de tamanha discrepância? Adivinhem…

Vou dar uma ajudinha. Vamos dar uma vista de olhos nos apoios que o nosso querido presidente da república tem:

 

Chefe da Casa Civil

– José Manuel Nunes Liberato

Assessora do Presidente da República
– Ana Palha

Consultora
– Teresa Sanches

Assessoria para as Relações Internacionais

Assessora
– Luísa Bastos de Almeida

Consultor para as Relações Internacionais e Comunidades Portuguesas
– Mário Martins

Consultora
– Maria Manuel Morais e Silva

Consultora
– Raquel Oliveira Martins

Assessoria para os Assuntos Políticos

Assessor para os Assuntos Parlamentares e Autarquias Locais
– Nuno Sampaio

Assessor
Ademar Vala Marques

Consultor
– António Araújo

Consultor para os Assuntos Políticos e da Sociedade
– José Luís Jacinto

Consultor
– Fernando Lima

Adjunta
– Teresa Byrne

Assessoria para os Assuntos Jurídicos e Constitucionais

Assessora
– Ana Martinha

Assessor
– Gonçalo Matias

Consultor para os Assuntos de Justiça
– António Macedo Almeida

Consultor para os Assuntos Constitucionais
– Carlos Blanco de Morais

Assessoria para a Juventude, Educação, Ciência e Ambiente

Assessora para a Educação
Suzana Toscano

Consultor para o Ambiente, a Ciência e o Mar
– Tiago Pitta e Cunha

Consultora para os Assuntos da Juventude e Desporto
  Carla da Cruz Mouro

Assessoria para a Segurança Nacional

Consultor
e Secretário do Conselho de Estado
– Abílio Morgado

Assessoria para os Assuntos Económicos e Empresariais

Assessor
– Joaquim José Miranda Sarmento

Consultor para os Assuntos Económicos
– Luís Bernardes

Consultor para os Assuntos Económicos
– João Borges de Assunção

Consultor para os Assuntos Empresariais
– Pedro de Almeida

Consultor para a Inovação
– Jorge Portugal

Consultor para os Assuntos Agrícolas e o Mundo Rural
– Armando Sevinate Pinto

Consultor para os Assuntos Europeus
– Vítor Martins

Assessoria para os Assuntos Sociais

Consultor
– David Justino

Consultor para os Assuntos da Saúde
– Manuel Antunes

Consultora para os Assuntos da Política de Saúde
– Clara Carneiro

Consultor para os Assuntos de Trabalho
- António Nunes de Carvalho

Consultora para os Assuntos Sociais
– Maria Luísa Cunha

Assessoria para os Assuntos Culturais

Consultor
– Diogo Pires Aurélio

Consultora
– Ana Maria Bustorff Martinho

Assessoria para a Comunicação Social

Assessor
– José Carlos Vieira

Consultora
– Ana Zita Gomes

Gabinete do Cônjuge

Assessora
– Margarida Mealha

Tudo isto custa 45 mil euros por dia para a Presidência da República, ou seja, o DN descobriu que a Presidência da República custa 16 milhões de Euros por ano (163 vezes mais do que custava com Ramalho Eanes).

Dinheiro que, para além de pagar o salário de Cavaco Silva, sustenta ainda os seus 12 assessores e 24 consultores, bem como o restante pessoal que garante o funcionamento da Presidência da República.

A juntar a estas despesas, há ainda cerca de um milhão de Euros de dinheiro dos contribuintes que todos os anos serve para pagar pensões e benefícios aos antigos presidentes.

Os 16 milhões de Euros que são gastos anualmente pela Presidência da República colocam o Cavaco Silva entre os chefes de Estado que mais gastam em toda a Europa, gastando o dobro do Rei Juan Carlos de Espanha (oito milhões de euros)

tendo sido apenas ultrapassado pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy (112 milhões de euros) e pela Rainha de Inglaterra, Isabel II, que 'custa' 46,6 milhões de Euros anuais.

E Cavaco Silva tem a coragem de nos dizer que - "Os sacrifícios são para ser ‘distribuídos’ por todos os portugueses"…

 

Pronto. Assim já se pode perceber melhor algumas das razões pelos custos em Portugal serem ligeiramente maiores do que em Espanha. É que por cá não se brinca em serviço. Aqui em Portugal trabalha-se a sério!

Senhora com 79 anos é nomeada Assessora na Assembleia da República

Nada contra esta simpática senhora, nem sequer pela idade. Até pode ter a melhor das qualificações e capacidade para dar algo de útil à comunidade, mas, já tendo passado 14 anos da idade da reforma, causa estranheza… Certo?
Analisando mais de perto esta simpática Assessora, descobrimos que ela é a Mãe de Francisco Louça.

O Francisco Louçã, chefe do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda, está sempre a criticar os boys dos partidos, mas quando se tratou da mãezinha, já com a avançada idade de 79 anos, arranjou um tacho. E que tacho!!!
Para se poder confirmar a veracidade desta notícia, vejam-se os seguintes dados:

- Identificação do Dr. Francisco Louçã

Francisco Anacleto Louçã, de 49 anos de idade, portador do Bilhete de Identidade nº 4711887, emitido pelo Arquivo de Identificação de Lisboa em 6 de Abril de 1998, filho de António Seixas Louçã e de Noémia da Rocha Neves Anacleto Louçã, solteiro, professor universitário, natural de São Sebastião da Pedreira, Lisboa e residente na Avenida Duque de Loulé nº 105, 1º, Lisboa;

- Despacho (extracto) n.º 5296/2010
Assembleia da República - Secretário-Geral
Nomeação da licenciada Noémia da Rocha Neves Anacleto Louçã para a categoria de assessora do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda.

Muitos parabéns à mãezinha do dr. Francisco Louçã, por, certamente, ter entrado para o Guiness Book

 

Reformas dos Políticos

Estas referências aqui apresentadas são do domínio público, e portanto creio não estar a infringir nenhum assunto confidencial, pois a confidencialidade dos rendimentos dos políticos só passaram a vigorar a partir de 2013, exactamente para não se darem situações embaraçosas destas… Todos compreendemos a justiça desta decisão política tomada pelos políticos para a defesa própria dos políticos…

Retirei os graus académicos de cada um dos nomes a seguir apresentados, para não ser melindre para alguns estarem ao lado de outros, um pouco mais duvidosos, e também para estabelecer um nivelamento democrático, pois afinal, todos somos povo português.

Devemos ter em conta que todas estas reformas foram obtidas para cavalheiros em idade activa, que na realidade acumulam com outros cargos laborais (tachos), e foram conseguidas com o seu suor ao cabo de só 3 a 8 anos (e às vezes menos) de “serviços” prestados à nação, em vez do mínimo exigido ao resto do povo, que tem de trabalhar pelo menos 35 anos e atingir os 65 anos de idade.

Os exemplos a seguir citados, são uma parcela mínima dos felizes contemplados na legislação da república portuguesa, que eles fizeram para si próprios, e daí terem sido tão magnânimos na atribuição de valores. Na realidade, são muitas centenas os que as gozam, e que não figuram neste quadro de honra.

 

 

«Os partidos políticos criaram em Portugal um sistema de reformas “sui generis” para os seus membros. Só o número de ex-deputados com pensão para toda a vida (a qual só exige 8 anos de serviço, pois é uma actividade muito desgastante) já ultrapassa os 400 beneficiários. O valor dessa regalia rondará os 800 mil Euros por mês.

Mário Soares, o "papa reformas", um dos maiores proprietários fundiários de Lisboa, o “viva o socialismo”, o “mancha negra”, o “quanto mais velho, mais a mancha aumenta”, afora outras benesses, "angaria" mais de €500 mil Euros por ano, ou seja, €41.666 Euros/mês. 

Jorge Sampaio, um dos “viva o socialismo”, um dos “manchas negras”, afora outras benesses, conseguiu ficar com todas as regalias e reformas por ter sido presidente da república, e conseguiu ficar  gratuitamente com o Palácio do Regalo na Ajuda para seu escritório, recebe um valor de €435.000 por ano. Fora o seu salário de Presidente do Concelho de Administração da Gulbenkian!

Manuel Alegre, a quem chamam poeta, recebe um valor de €3.219,95 Euros/mês por ter trabalhado um ano RDP num cargo que nem ele sabe qual era (1974/1975).  Fora os ordenados que aufere com outros tachos e o Mercedes topo da gama, cedido pela Assembleia da República, por lá ter sido presidente.

Alberto João Jardim, tem uma reforma do Estado de €4.124 Euros/mês, obtida num serviço público onde nunca trabalhou (Secretaria Regional de Turismo), recebe um ordenado por inteiro de €84.000 Euros/mês. Acresce a este valor mais 40% de despesas de representação, o que dá €94.467 Euros/mês, ou seja, ganha mais do que o primeiro-ministro Espanhol. 

Cavaco Silva recebe do Banco de Portugal €4.152 Euros/mês, da Universidade Nova de Lisboa €2.328 Euros/mês e de primeiro-ministro €2.876 Euros/mês.  Fora o seu salário de Presidente!

Santana Lopes obteve uma reforma de primeiro-ministro após 6 meses de trabalho, que acumulou depois com a reforma de deputado. Valores não determinados. Fora os ordenados que aufere com outros tachos, nomeadamente de presidente da Santa Casa da Misericórdia.

Marques Mendes mal fez 50 anos de idade, tratou de logo de requerer uma pensão de €2.905 Euros/mês Fora os ordenados que aufere com outros tachos bem remunerados.

Freitas do Amaral, ao saber que lhe faltava pouco tempo para obter a reforma vitalícia de deputado, desligou-se do CDS, mas não da Assembleia da Republica enquanto não completou o tempo necessário para a obter.  Valores não determinados. Fora os ordenados que aufere com outros tachos bem remunerados.

Carlos Brito, quando obteve a sua reforma, mandou "passear" o PCP, onde durante décadas militou.  Valores não determinados.

Fernando Rosas, dirigente do Bloco de Esquerda, quando atingiu os 8 anos necessários para solicitar a sua reforma de deputado, mandou a Assembleia às urtigas.  Valores não determinados. Fora os ordenados que aufere com outros tachos.

Mira Amaral, antigo ministro de Cavaco Silva depois de obter uma reforma de deputado, em 21 meses obteve uma reforma da Caixa Geral de Depósitos no valor de €18.000 Euros/mês.  Fora os ordenados que aufere com outros tachos.

Campos e Cunha, ministro das finanças de Sócrates, após ter trabalhado 6 anos no Banco de Portugal, e com apenas 49 anos, obteve uma reforma de €114.784 Euros/mês.  Fora os ordenados que aufere com outros tachos.

Diogo Leite Campos, do PSD. À semelhança de outros camaradas de partido, bastarem-lhe 6 anos no Banco de Portugal para obter mais uma reforma do Estado.  Valores não determinados. Fora os ordenados que aufere com outros tachos.

Vasco Franco, (com a 4ª classe mal tirada) figura de proa do PS, obteve uma reforma de deputado de €3.035 Euros/mês. Recebe ainda uma outra como deficiente de guerra por ter sido ferido em Moçambique depois de 1974. Fora os ordenados que aufere com outros tachos.

Centenas de governantes e deputados de todas as cores políticas, auferem boas reformas acumuladas com cargos que continuam a obter  muito bem remunerados, independentemente da sua idade ou da sua competência, têm sido contemplados, e nós, os nossos filhos e os nossos netos, iremos suportar por muitos anos estas reformas douradas.»

 

 

Para conhecimento de quantos interessados, relembro que o valoroso General Ramalho Eanes prescindiu de todas as mordomias, tendo direito às mesmas que Jorge Sampaio e Mário Soares, como ex-Presidente da República eleito democraticamente depois do 25 de Abril, e limita-se a viver no seu singelo antigo Apartamento, num 3º andar da Avenida Miguel Bombarda e só aufere uma reforma de €65.000 Euros por ano, contra os €435.000 de Jorge Sampaio...

“Todos somos iguais, mas alguns, mais que outros...”

O livro que melhor retrata esta situação a que se chegou em Portugal, em que os políticos conseguem para si próprios reformas chorudas, mas não se reformando, e continuam a trabalhar em “cansativos tachos”, é a “Quinta dos Porcos” de George Orwell. Quem não leu, que leia, pois é uma obra prima!

 

A confidencialidade das regalias concedidas aos políticos

Como referi acima, saiu já uma lei sobre a confidencialidade das regalias concedidas aos políticos, evitando-se assim, futuras situações constrangedoras para os nossos servidores da coisa pública.

 

 

O segredo dos privilégios dos políticos já é lei.

 Já tem a forma de Lei n.º 64/2013, de 27 de Agosto, o sigilo dos privilégios dos políticos e foi hoje publicado no Diário da República.

Portanto, por protecção da lei agora aprovada pela Assembleia da República, com os votos favoráveis do PSD, CDS/PP e do PS, passaram a ser secretos os privilégios dos políticos.

Vejam-se, neste caso e segundo esta lei, por exemplo, as chamadas pensões de luxo atribuídas aos ex-políticos (ex-deputados, ex-Presidentes da República, ex-ministros e ex-primeiros-ministros, ex-governadores de Macau, ex-ministros da República das Regiões Autónomas e ex-membros do Conselho de Estado) e os ex-juízes do tribunal constitucional, passaram a ser escondidas do povo português.

A partir de agora e na vigência desta lei, os portugueses e contribuintes ficam a desconhecer quem são e quanto recebem financeiramente do erário público e do orçamento geral de estado os ex-políticos e governantes.

O que é o mesmo que dizer que os políticos e governantes passam a poder decidir secretamente entre eles a atribuição a si mesmos dos benefícios, regalias, subsídios ou outras mordomias, sem que os portugueses, o povo português portanto, ou até mesmo os tribunais, tenham direito a saber o que os políticos fazem com o dinheiro que é de todos nós.

De facto e de lei, passou a haver uma qualidade superior de sujeitos, ao caso os políticos, governantes e juízes do tribunal Constitucional, que estão isentos do escrutínio público, não se encontram mais obrigados a revelar as fontes, as origens e a natureza dos seus rendimentos de proveniência pública, ou seja, que fazem com o dinheiro público o que muito bem entendem e não estão obrigados a prestar contas públicas do que fazem.

Lida esta nova lei tive de socorrer-me do Código Penal, onde fui encontrar semelhantes comportamentos e condutas nos dos artigos 308º e 375º do Código Penal, respectivamente o crime de "Traição á Pátria" por abuso de órgão de soberania e o crime de "Peculato".

 

 

Mário Soares, o político mais “lúcido” de Portugal

 

Texto de Clara Ferreira Alves sobre Mário Soares, publicado no Expresso

Sua Alteza Real, D. Mário Soares “o chulo de Portugal”.
Clara Ferreira Alves, no Expresso

Tudo o que aqui relato é verdade. Se quiserem, podem processar-me.
Eis parte do enigma. Mário Soares, num dos momentos de lucidez que ainda vai tendo, veio chamar a atenção do Governo, na última semana, para a voz da rua.
A lucidez, uma das suas maiores qualidades durante uma longa carreira política. A lucidez que lhe permitiu escapar à PIDE e passar um bom par de anos, num exílio dourado, em hotéis de luxo de Paris.
A lucidez que lhe permitiu conduzir da forma “brilhante” que se viu o processo de descolonização.
A lucidez que lhe permitiu conseguir que os Estados Unidos financiassem o PS durante os primeiros anos da Democracia.
A lucidez que o fez meter o socialismo na gaveta durante a sua experiência governativa.
A lucidez que lhe permitiu tratar da forma despudorada amigos como Jaime Serra, Salgado Zenha, Manuel Alegre e tantos outros.
A lucidez que lhe permitiu governar sem ler os “dossiers”...
A lucidez que lhe permitiu não voltar a ser primeiro-ministro depois de tão fantástico desempenho no cargo.
A lucidez que lhe permitiu pôr-se a jeito para ser agredido na Marinha Grande e, dessa forma, vitimizar-se aos olhos da opinião pública e vencer as eleições presidenciais.
A lucidez que lhe permitiu, após a vitória nessas eleições, fundar um grupo empresarial, a Emaudio, com “testas de ferro” no comando e um conjunto de negócios obscuros que envolveram grandes magnatas internacionais.
A lucidez que lhe permitiu utilizar a Emaudio para financiar a sua segunda campanha presidencial.
A lucidez que lhe permitiu nomear para Governador de Macau Carlos Melancia, um dos homens da Emaudio.
A lucidez que lhe permitiu passar incólume ao caso Emaudio e ao caso Aeroporto de Macau e, ao mesmo tempo, dar os primeiros passos para uma Fundação na sua fase pós-presidencial.
A lucidez que lhe permitiu ler o livro de Rui Mateus, “Contos Proibidos”, que contava tudo sobre a Emaudio, e ter a sorte de esse mesmo livro, depois de esgotado, jamais voltar a ser publicado.
A lucidez que lhe permitiu passar incólume as “ligações perigosas” com Angola, ligações essas que quase lhe roubaram o filho no célebre acidente de avião na Jamba (avião esse transportando diamantes, no dizer do então Ministro da Comunicação Social de Angola).
A lucidez que lhe permitiu, durante a sua passagem por Belém, visitar 57 países (“record” absoluto para a Espanha – 24 vezes – e França – 21), num total equivalente a 22 voltas ao mundo (mais de 992 mil quilómetros).
A lucidez que lhe permitiu visitar as Seychelles, esse território de grande importância estratégica para Portugal, aproveitando para dar uma voltinha de tartaruga.
A lucidez que lhe permitiu, no final destas viagens, levar para a Casa-Museu João Soares uma grande parte dos valiosos presentes oferecidos oficialmente ao Presidente da Republica Portuguesa.
A lucidez que lhe permitiu guardar esses presentes numa caixa-forte blindada daquela Casa, em vez de os guardar no Museu da Presidência da Republica.
A lucidez que lhe permite, ainda hoje, ter 24 horas por dia de vigilância paga pelo Estado nas suas casas de Nafarros, Vau e Campo Grande.
A lucidez que lhe permitiu, abandonada a Presidência da Republica, constituir a Fundação Mário Soares. Uma fundação de Direito privado, que, vivendo à custa de subsídios do Estado, tem apenas como única função visível ser depósito de documentos valiosos de Mário Soares. Os mesmos que, se são valiosos, deviam estar na Torre do Tombo.
A lucidez que lhe permitiu construir o edifício-sede da Fundação violando o PDM de Lisboa, segundo um relatório do IGAT, que decretou a nulidade da licença de obras.
A lucidez que lhe permitiu conseguir que o processo das velhas construções que ali existiam e que se encontrava no Arquivo Municipal fosse requisitado pelo filho e que acabasse por desaparecer convenientemente num incêndio dos Paços do Concelho.
A lucidez que lhe permitiu receber do Estado, ao longo dos últimos anos, donativos e subsídios superiores a um milhão de contos (cinco milhões de euros).
A lucidez que lhe permitiu receber, entre os vários subsídios, um de quinhentos mil contos, do Governo Guterres, para a criação de um auditório, uma biblioteca e um arquivo num edifico cedido pela Câmara de Lisboa.
A lucidez que lhe permitiu receber, entre 1995 e 2005, uma subvenção anual da Câmara Municipal de Lisboa, na qual o seu filho era Vereador e Presidente.
A lucidez que lhe permitiu que o Estado lhe arrendasse e lhe pagasse um gabinete, a que tinha direito como ex-presidente da República, na… Fundação Mário Soares.
A lucidez que lhe permite que, ainda hoje, a Fundação Mário Soares receba quase 4 mil euros mensais da Câmara Municipal de Leiria.
A lucidez que lhe permitiu fazer obras no Colégio Moderno, propriedade da família, sem licença municipal, numa altura em que o Presidente era… João Soares.
A lucidez que lhe permitiu silenciar, através de pressões sobre o director do “Público”, José Manuel Fernandes, a investigação jornalística que José António Cerejo começara a publicar sobre o tema.
A lucidez que lhe permitiu candidatar-se a Presidente do Parlamento Europeu e chamar dona de casa, durante a campanha, à vencedora Nicole Fontaine.
A lucidez que lhe permitiu considerar Jose Sócrates “o pior do guterrismo” e ignorar hoje em dia tal frase como se nada fosse.
A lucidez que lhe permitiu passar por cima de um amigo, Manuel Alegre, para concorrer às eleições presidenciais mais uma vez.
A lucidez que lhe permitiu, então, fazer mais um frete ao Partido Socialista.
A lucidez que lhe permitiu ler os artigos “O Polvo” de Joaquim Vieira na “Grande Reportagem”, baseados no livro de Rui Mateus, e assistir, logo a seguir, ao despedimento do jornalista e ao fim da revista.
A lucidez que lhe permitiu passar incólume depois de apelar ao voto no filho, em pleno dia de eleições, nas últimas Autárquicas.
No final de uma vida de lucidez, o que resta a Mário Soares? Resta um punhado de momentos em que a lucidez vem e vai. Vem e vai. Vem e vai. Vai…. e não volta mais.

 

Este cavaleiro octagenário da demo-cracia, glória da maçonaria negra portuguesa da pesada, ainda é uma das poucas “manchas negras” que nos restam do legado da revolução de Abril de 1974.

 

Jorge Sampaio, ex-presidente da república, recreia-se e regala-se!

 

 

 O Palacete do Sampaio - casa do Regalo

 INFELIZMENTE ESTE NÃO É O ÚNICO. ANDAM AÍ MUITOS MAMÕES, A VIVER À NOSSA CUSTA……

Regalos republicanos

A bela imagem que acompanha este texto não foi escolhida por acaso.

Trata-se da "Casa do Regalo", um palacete situado "no topo da Tapada das Necessidades, entre frondosa mata", mandado construir pelo rei D. Carlos I para estúdio de pintura da rainha D. Amélia.

Na República serve, não para instalação de entidades oficiais, mas, pasme-se, para gabinete de recreio doreizete Sampaio (que bebe do fino, como se usava dizer), um dos moralistas do regime que gosta de encher a boca com a propalada "ética republicana", a tal que, supunha-se, tinha a ver com igualdade entre os cidadãos e a abolição de " regalias" (lex dixit) e privilégios a quem os já não representa.

Dito de outro modo, no dia seguinte ao termo de funções de chefe do Estado, Sampaio deveria (querer) voltar a ser um cidadão comum, como os demais, enfim, um entre iguais. 

Mas não, claro que o Jorginho gosta de um ambiente apalaçado (mesmo que a Lei 26/84, alterada pela Lei 28/2008, se refira a "gabinete", não a palacete ...), aprecia o séquito de "um assessor e um secretário da sua confiança" e, é claro, não prescinde do "automóvel do Estado, para o seu serviço pessoal, com condutor e combustível".

Pouca despesa, como se imagina, qualquer coisita como, só em pessoal, entre cem mil e duzentos mil euros anuais, ou talvez um pouco mais...

Este espírito desprendido e este viver modesto não surpreendem em tão emérito socialista, ou não tivera ele dito há uns anos, quando recebeu 90 mil euros do Prémio Carlos V, que "O prémio, desta vez, vai ser para mim. Não vai haver associações de caridade. Os tempos vão maus".

Seja como for, neste tempo de profunda crise, em que se corta nos subsídios de férias e de Natal dos trabalhadores, em que antigos governantes vão deixar de poder acumular subvenções com rendimentos privados, urgia dar também o exemplo de acabar com injustificadas regalias de antigos titulares de cargos políticos, a começar pelos ex-Presidentes da República, desde logo revogando as alíneas a) e b) do artigo 6.º da Lei 26/84.

O que, de resto, sempre seria uma exigência do próprio princípio republicano, se, é claro, houvesse vergonha neste País.

 

 

Para conhecimento de quantos interessados, relembro que, tendo direito às mesmas mordomias que Jorge Sampaio e Mário Soares, como ex-Presidente da República eleito democraticamente depois do 25 de Abril, o valoroso General Ramalho Eanes prescindiu de todas essas mordomias, e limita-se a viver no seu singelo antigo Apartamento, num 3º andar da Avenida Miguel Bombarda...

“Todos somos iguais, mas alguns, mais que outros...”

Já agora e a talho de foice, posso lembrar mais uns exemplos da coesão que são apanágio da família Sampaio.

 

Jorge Sampaio e Filhotes...

Soube-se a dia 27 de Agosto, pelo Público, que a jovem e distinta advogada Vera Sampaio (terminou o curso com média de 10 valores) com uma carreira de dezenas de anos e larga experiência' foi contratada como assessora pelo membro do Governo, Senhor Doutor Manuel Pedro Cunha da Silva Pereira, distinto Ministro da Presidência....

Como a tarefa não é muito cansativa foi autorizada a continuar a dar aulas numa qualquer universidade privada onde ganha uns tostões para compor o salário e poder aspirar a ter uma vidinha um pouco mais desafogada.
O facto de ser filha do Senhor Ex-Presidente da República das Bananas que também dá pelo nome de Portugal, não teve nada a ver com este reconhecimento das suas capacidades.
Nada! Juro pela saúde do Sr. Engenheiro Sócrates.

Há famílias a quem a mão do Senhor toca com a sua graça. Ámen.
Já agora, como se devem recordar, ainda relativamente a esta família, soube-se há tempos que o filhote, depois de se ter formado, foi logo para consultor da Portugal Telecom, onde certamente porá 'toda a sua experiência ao serviço de todos nós.

Agora, como já ontem se disse, calhou a sorte à maninha e lá vai ela toda lampeira em part-time para o desgoverno, onde certamente porá também toda a sua experiência ao serviço de todos nós.

O papá para não fugir à regra, depois de escavacar uns bons centos de milhares de euros nossos na remodelação do um palacete ali para os lados da Ajuda, onde instalará um gabinete, vai ser transportado pelo nosso carro, com o nosso motorista e onde certamente, para não fugir ao lema familiar, porá, de novo, toda a sua experiência ao serviço de todos nós.

Agora, foi nomeado Administrador da Gulbenkian...

Tudo isto, por mero acaso, se passa num sítio mal frequentado que se chama PORTUGAL, onde um milhão e duzentas mil pessoas vivem com uma reforma abaixo dos 375 Euros por mês.

Parece mentira, não parece? Tudo gente muito patriota!

 

 

José Sócrates, ex-primeiro ministro português

Foi este cavaleiro indómito e corajoso que arranjou um canudo de engenheiro, usando das suas próprias engenhocas, e que levou o país à beira da bancarrota. Quando entrou para a política foi com uma mão à frente e outra atrás. Mas ao sair da política, onde a sua forma de actuar foi sempre 100% Voltairiana (leia-se - «Menti, amigos, menti.»), já contava com uma “considerável fortuna”, que atribuiu à herança da mãe, que no entanto não pôde ser confirmada pelas declarações feitas às Finanças. Mas passados uns tempos, veio-se a descobrir que não era uma considerável fortuna, mas sim uma grande fortuna de muitos milhões, conseguidos pela prática da corrupção activa, fugas fiscais, branqueamento de capitais, falsificação e organização criminosa, que o levou à prisão. Ele é o retrato vivo e paradigmático de todos os políticos maçónicos, laicos e republicanos.

Para ver reportagem sobre este assunto, visualizar o seguinte Vídeo da CMTV - http://cmtv.sapo.pt/atualidade/detalhe/declaracoes-fiscais-desmentem-fortuna-de-mae-de-socrates151730743.html

Ainda falando um pouco mais sobre este famoso Voltairiano, quem muito bem descreveu José Sócrates, foi o meu muito estimado Professor Dr. João César das Neves no seguinte artigo. (Atenção ao texto de outra cor, pois tem Links que o explicam)

 

" Sócrates não é imoral, mas completamente amoral.”

 Sócrates, um dos maiores responsáveis pela crise, será também e provavelmente o que mais vai beneficiar da crise, graças à memória curta dos portugueses e à capacidade, do ex-ministro, de mentir e manipular. 
Sócrates mantém a esperança de regressar ao poleiro.

O economista João César das Neves classifica o regresso de José Sócrates como um feito do “mais alto nível mundial ”Num artigo de opinião do Diário de Notícias, o professor universitário admite que “não é claro ” se o socialista “mente descaradamente ou acredita mesmo na fábula, sofrendo de delírio”.
“O regresso de José Sócrates é um espantoso feito de técnica política, do mais alto nível mundial”, avalia ausência de escrúpulos”. “ Não existe a menor contemplação pela realidade dos factos”, indica, acrescentando que “existe apenas um projecto de poder, e tudo lhe é sacrificado”.

César das Neves também acusa Sócrates de sacudir a culpa da situação actual para a crise internacional e para “ um terrível bando de malfeitores ”, no qual o antigo primeiro-ministro inclui, na opinião do professor universitário, o Governo de Passos Coelho, os bancos, a União Europeia e o FMI. 
“ Não é claro se mente descaradamente ou acredita mesmo na fábula, sofrendo de delírio ”, afirma César das Neves, sublinhando que o antigo líder socialista consegue “sair de uma posição que seria desesperada para qualquer outro”. Sócrates não é “imoral, mas completamente amoral ”, acrescenta o economista.
César das Neves acusa Sócrates de se apresentar como “totalmente inocente dos males que afligem o País. Foi primeiro-ministro durante mais de seis anos mas é inimputável pelo desastre que deflagrou nos últimos meses do seu mandato”.

Para o professor universitário só há um outro político que se lhe compara, e até o ultrapassa, sendo preciso viajar até Itália para o encontrar. “É preciso dizer que ele ainda não atingiu os níveis do contemporâneo mestre absoluto da técnica, Silvio Berlusconi, sugeriu César das Neves.
O economista lembra também que todos os líderes que estavam no poder quando a crise rebentou, como Zapatero em Espanha, Sarkozy em França, Gordon Brown no Reino Unido e George Bush nos EUA, “ caíram fragorosamente ”, enquanto

 “Berlusconi e Sócrates mantêm esperanças de regresso ” ao cenário político, com vantagem para o italiano.

“Veremos até que ponto a raiva pelos sacrifícios, junto com o ilusionismo, conseguirão fazer que o grande beneficiário da crise venha a ser aquele que indiscutivelmente foi o seu principal responsável. Isso seria uma obra de arte incomparável”, remata César das Neves no artigo do Diário de Notícias que, ironicamente, intitulou de ‘O Inocente ’." 

 

Os Podres de Sócrates, os seus esquemas e manigâncias, estão bem documentados na seguinte Página:

http://apodrecetuga.blogspot.pt/2014/11/os-esquemas-e-rastos-que-incriminaram.html#.VcN1YvlVhr9

 

Finalmente surgiu a Operação Marquês em que Sócrates é preso e são descobertas todas as suas falcatruas. Se este Regime em que vivemos tem um primeiro-ministro que é um criminosos deste calibre, imaginem o que não vai por aí abaixo, na linha directa do poder e do clientelismo, quer de políticos quer de funcionários públicos…

 

Escuso-me de falar dos Podres dos políticos corruptos que já estão a cumprir penas de prisão e de outros que para lá caminham, tais como Miguel Relvas e dirigentes dos partidos maçónicos que alternam no poder, e mais uma lista infindável, que por aí andam de óculos escuros e vidros fumados no carro.

 

 

Os Podres nas Empresas do Estado

 

Altas remunerações nos cargos políticos e Empresas do Estado

1º Exemplo

-   Presidente dos EUA recebe                                                    291 mil Euros por ano 

-   O Presidente da TAP recebeu, em 2009                               624 mil Euros por ano

-   O Vice-Presidente dos EUA recebe                                       151 mil Euros por ano

-   Um Vogal da Administração da TAP recebeu                      483 mil Euros por ano

-   O Presidente da TAP ganha por mês 55,7 anos de salário médio de cada português.

 2º Exemplo

-  A Chanceler Ângela Merkel recebe cerca de                                   220 mil Euros por ano

- O Presidente da Caixa Geral de Depósitos recebeu                        560 mil Euros por ano

- O Vice-Presidente da Caixa Geral de Depósitos recebeu   558 mil Euros por ano

- O Presidente da Caixa Geral de Depósitos ganha por mês 50 anos de salário médio de cada português.

 3º Exemplo

- O Primeiro-Ministro Passos Coelhos recebe cerca de                     100 mil Euros por ano

- O Presidente do Com. de Adm. da Parpública SGPS recebeu      249 mil Euros por ano

- O Presidente do Conselho de Administração da Parpública SGPS ganha por mês 22,3 anos de salário médio de cada português.

 4º Exemplo

- O Presidente da República recebe cerca de                                     140 mil Euros por ano

- O Presidente do Cons. de Adm. da Águas de Portugal recebeu   205 mil Euros por ano

- O Presidente do Conselho de Administração da Águas de Portugal ganha por mês 18,4 anos de salário médio de cada português;

5º Exemplo

- O Presidente francês recebe cerca de                                                250 mil Euros por ano

- O Presidente de Adm. dos CTT, Correios de Portugal recebeu     336 mil Euros por ano

- O Presidente de Administração dos CTT Correios de Portugal, S.A. ganha por mês 30 anos de salário médio de cada português.

6º Exemplo

-  O Primeiro-Ministro David Cameron recebe cerca de                     250 mil Euros por ano

-  O Presidente do Conselho de Administração da RTP recebeu    254 mil Euros por ano

 

Altas remunerações na GALP, Carris e CGD - Caixa Geral de Depósitos

Já estou cansado de tanta porcaria, que já nem sequer vou falar das injustiças salariais nestas três empresas.

 

CONCLUSÕES

Seja qual for o quadrante para que olhemos, só vemos corrupção, busca do interesse próprio, desejo de poder e controlo, sede de posição social e dinheiro, ânsia de reconhecimento das suas capacidades, necessidade de ascensão. Tudo menos o que devia mover o ser humano - Amar a Deus e ao Próximo, e a vontade indómita de servir os seus irmãos em Cristo.

Todos os que vão para a política, só têm o único fito de subir na vida, alcançarem posição, poder e dinheiro. A prova está em que em todos os quadrantes partidários encontramos casos de corrupção, injustiça e perfídia. E os casos que vêm a público não são as excepções, mas sim, a Regra daquilo que se passa escondido e dissimulado. Os que são apanhados, são os que se descuidaram e não fizeram a falcatrua como devia ser feita. São os que por excesso de confiança no estado deplorável em que a justiça se encontra, menosprezaram a perícia daqueles que os querem apanhar. Os que são apanhado, são aqueles mais afoitos e corajosos, que não tiveram medo de esticar a corda, porque os outros que ainda se mantêm na sombra, são tão culpados como eles, só que não tiveram a coragem de irem tão longe, ou a esperteza de não se exporem tanto. Porque todos eles, e essa é a regra, se tivessem a certeza de não serem apanhados, fariam todas as trafulhices possíveis de imaginar, porque todos eles estão imbuídos do espírito do mundo, da ganância, todos eles estão imbuídos do espírito de satanás.

Sejam quais forem os partidos a que pertencerem, os políticos sempre exercerão o poder que lhes é atribuído nas eleições, de maneira eficaz a defenderem os seus próprios interesses, e não os dos cidadãos que os elegem. Sejam eles quais forem, a nossa vidinha continuará a ser a mesma, porque quando chegam ao poder, todos tomam as mesmas medidas, tal como assistimos com os governos comunistas, socialistas, sociais democratas ou de direita. De todos já experimentámos, e de nenhum gostámos!

Por isso, temos de lhes mostrar o nosso cartão vermelho, que na Vida Política Real, é o Voto em Branco!

O Voto em Branco é a única forma que temos de intervir com seriedade e eficácia na Vida Política de Portugal.

Eu sei que é preciso coragem para ir votar, e deixar o Voto em Branco, porque o que apetece é riscá-lo e abominá-lo.

Eu sei que a maior parte dos votos são dados contra aqueles, que mesmo assim, mais abominamos, pois o Partido ideal que desejávamos, na realidade ainda não existe.

Mas é necessária essa coragem, a de darmos o nosso Voto em Branco, para sabermos quantos somos, quantos estão verdadeiramente descontentes e têm a consciência de que temos de mudar de Regime Político, para um Regime Justo, Pacífico e que defenda a Vida.

Só com o Voto em Branco ajudamos realmente a separar o Trigo do joio. Para nós, esse tempo chega a cada eleição autárquica, nacional, europeia ou presidencial. É nesses segundos da Votação, que, de forma secreta mas visível aos olhos de Deus e do Espírito de Justiça, mostramos de que lado estamos.

Só com a coragem do Voto em Branco nos definimos e assumimos a nós próprios. De que lado da barricada estamos?

Temos pouco tempo até às Eleições para divulgarmos e definirmos quem queremos ser!

Hoje somos poucos. Amanhã, teremos de ser muitos, porque quem não aderir, não passará na derradeira Prova Final!

 

João Bianchi

 

http://www.amen-etm.org/Podres.htm