CONSAGRAÇÃO DA RÚSSIA

ao

IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA

 

                 .

 

 

BÊNÇÃO ESPECIAL è   =

 

 

ÍNDICE

l O Pedido de Consagração da Rússia è

(l) O Momento Histórico em que foi feito o Pedido è

(l) A Aparição de 13 Julho e o Segundo Segredo è

l As várias Consagrações do mundo è

Textos das principais Consagrações:  è

(l) A Consagração do mundo do Papa Pio XII è

31 de Outubro de 1942

(l) A Consagração da Rússia do Papa Pio XII è

7 de Julho de 1952

(l) A Entrega do Papa João Paulo II de 1981 è

7 de Junho de 1981

(l) A Consagração do Papa João Paulo II de 1981 è

8 de Dezembro de 1981

(l) A Consagração do Papa João Paulo II de 1984 è

25 de Março 1984

(l) A opinião da irmã Lúcia sobre a Consagração de 25 de Março de 1984 è

 (l) A Entrega do Papa Francisco de 2013 è

13 de Outubro de 2013

l Cumpriu-se a Consagração pedida por Nossa Senhora em Fátima e em Tuy? è

l CONCLUSÕES  è

 

l O Pedido de Consagração da Rússia l é

 

O Pedido de Consagração da Rússia consta de 2 momentos:

Æ A 13 de Julho de 1917, nas Aparições de Fátima Nossa Senhora disse aos três Pastorinhos que viria pedir a Consagração da Rússia, com as seguintes palavras:

”… virei pedir a consagração da Rússia a meu Imaculado Coração…”

Æ A 13 de Junho de 1929, estando a Irmã Lúcia a viver em Espanha no convento das Doroteias em Tuy, Nossa Senhora formulou o pedido e as condições da Consagração da Rússia, com as seguintes palavras:

“É chegado o momento em que Deus pede para o Santo Padre fazer, em união com todos os Bispos do mundo, a Consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração.”

Por isso, a Consagração tem de obedecer, a dois requisitos estabelecidos por Nossa Senhora em 1929.

 Æ 1º - Consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria.

 Æ 2º - Tem de ser feita pelo Papa em comunhão com todos os Bispos do mundo.

 

(l) O Momento Histórico em que foi feito o Pedido é

 

O Pedido da Consagração da Rússia, em plenas Aparições de Fátima, foi feito num país trucidado pela selvajaria de um recém implantado regime republicano, perpetrado através da mão assassina da maçonaria, que assassinara barbaramente o Rei e o seu filho herdeiro, no Terreiro do Paço, numa Europa ainda maioritariamente monárquica, mas acossada pelos partidos maçónicos na luta para conquistarem o poder, em plena 1º Grande Guerra Mundial e a escassos meses da Revolução Russa que iria implantar o comunismo ateu no maior país da Europa. É no meio deste caos que a Virgem Maria desce do Céu à Terra, num dos mais pequenos países deste continente Europeu. Mais uma vez escolhe a humildade e a pequenez, para revelar os desígnios Divinos, a três pastorinhos - Lúcia, Francisco e Jacinta.

Na Primeira e Segunda Aparição de Fátima, a Virgem Maria já havia advertido a humanidade para os ataques de que a Igreja ia ser alvo, através da maçonaria. Agora era o momento de alertar para os perigos do comunismo ateu, que ia dominar a Rússia e se ia espalhar pelo mundo inteiro. Advertiu a humanidade para os perigos da guerra que podia ser desencadeada nos tempos de Pio XI e apontou qual a arma a utilizar - A Oração.

Relembrou esta alienada geração, sobre a existência do inferno e o perigo de lá cair. Apontou também a forma de evitar este drama - A Devoção ao Imaculado Coração de Maria.

Veio também profetizar sobre o último século do Fim dos Tempos, com a perseguição à Igreja e o assassinato do Papa.

Nos primeiros anos do século XX é lançado o marco para o Fim dos Fins.

 

(l) A Aparição de 13 Julho e o Segundo Segredo é

 

Para ler o texto completo da 3ª Aparição de Fátima, a 13 de Julho de 1917  è

 

2º SEGREDO DE FÁTIMA - Dado a 13 de Julho de 1917

Em seguida, levantámos os ólhos para Nossa Senhora que nos disse com bondade e tristeza: 

Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores, para as salvar, Deus quer establecer no mundo a devoção a meu Imaculado Coração. Se fizerem o que eu disser salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar, mas se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará outra peor. Quando virdes uma noite, alumiada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai a punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. Para a impedir virei pedir a consagração da Rússia a meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora nos primeiros sábados. Se atenderem a meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz, se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja, os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sufrer, varias nações serão aniquiladas, por fim o meu Imaculado Coração triunfará O santo Padre consagrar-me-á a Rússia que se converterá e será consedido ao mundo algum tempo de páz.

(O texto tem a ortografia da época e está tal como foi escrito pela irmã Lúcia.)

 

Seguidamente apresento a azul o texto original, e a vermelho aparecem as correcções ortográficas e sintácticas que fiz. A negro (entre parênteses) aparece o texto original.

Logo a seguir apresento o mesmo parágrafo a negro, corrigido, formatado e com a interpretação que faço dele. Acrescento algumas Notas em Estilo Times.

 

1 1Em seguida, 2levantámos os olhos (ólhos) para Nossa Senhora que nos disse com bondade e tristeza: æ

1Depois de Nossa Senhora nos ter mostrado o inferno, um grande mar de fogo que parecia estar debaixo da terra, onde estavam os demónios e as almas, como se fossem brasas transparentes e negras, 2levantámos os olhos para Nossa Senhora, que nos disse com bondade e tristeza:

2 1Vistes o inferno, 2para onde vão as almas dos pobres pecadores. æ

1Vistes o inferno, que fica nas zonas cavernosas no interior da Terra, 2para onde vão as almas dos pobres pecadores.  

Nota: Na obra da venerável madre Maria de Jesus de Agreda é claramente explicado que o inferno foi criado nas cavernas que existem no centro da Terra.

3 1Para as salvar, Deus quer estabelecer (establecer) no mundo a devoção a meu Imaculado Coração. æ

1Para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração, 2através da qual Deus concederá a Graça da Salvação de muitas almas, não deixando que elas se condenem e caiam no inferno.

4 1Se fizerem o que eu disser salvar-se-ão muitas almas 2e terão paz. æ

1Se fizerem o que eu vos vou dizer, salvar-se-ão muitas almas de caírem no inferno, 2e terão paz no mundo, que se encontra em plena guerra mundial já há 3 anos.

Nota: Esta mensagem foi dada e 13 de Julho de 1917, em plena Primeira Guerra Mundial, a qual começou a 28 de Julho de 1914 e durou até 11 de Novembro de 1918. Portugal entrou nesta guerra, e muitas vidas portuguesas se perderam.

5 1A guerra vai acabar, 2mas se não deixarem de ofender a Deus, 3no reinado de Pio XI começará outra pior (peor). 4Quando virdes uma noite, alumiada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. æ

1Esta Primeira Guerra Mundial vai acabar, 2mas se não deixarem de ofender a Deus, com o vosso orgulho, falta de amor a Deus e ao próximo, pela vossa ganância e imoralidade, 3no reinado de Pio XI começará outra pior, a Segunda Guerra Mundial. 4Quando virdes uma noite, alumiada por uma luz desconhecida, uma aurora boreal, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre.

Nota: De facto a guerra acabou alguns meses depois. Nossa Senhora adverte o mundo de que outra guerra, ainda pior que a primeira, terá lugar, se não houver a conversão e arrependimento do mundo. Assim de facto veio a acontecer, e a Segunda Guerra Mundial começou no fim do papado de Pio XI e princípios do papado de Pio XII. Por especial favor do Céu, Portugal não entrou nesta Guerra Mundial. Já o mesmo não aconteceu com a nossa vizinha Espanha que se viu, para além de tudo, envolvida numa terrível e sangrenta guerra civil.

Antes no início da Guerra, tal com prometido, foi vista uma enorme Aurora Boreal, em latitudes muito baixas e incomuns.

Pela impiedade dos homens e face à sua falta de arrependimento, e como descrito nas Sagradas Escrituras do Antigo Testamento, Deus castigou o mundo através de governantes tiranos, da guerra e perseguições sanguinárias.

6 1Para a impedir 2virei pedir a consagração da Rússia a meu Imaculado Coração 3e a comunhão reparadora nos primeiros Sábados. æ

1Para impedir a Segunda Guerra Mundial, 2virei pedir que o Papa faça a Consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração 3e que os leigos façam a Comunhão Reparadora dos cinco primeiros Sábados do mês.

Nota: Avisando de que viria a Segunda Guerra Mundial, foi dada ao mundo a forma de a evitar através de duas medidas:

- Consagração da Rússia, (a ser feita pelo Papa e pelo clero) e a

- Comunhão Reparadora dos primeiros Sábados do mês (a ser feita pelos leigos).

7 1Se atenderem a meus pedidos, 2a Rússia se converterá e terão paz, 3se não, espalhará seus erros pelo mundo, 4promovendo guerras e 5perseguições à Igreja, 6os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer (sufrer), 7várias nações serão aniquiladas. (,)æ

1Se atenderem a meus pedidos de que o Papa faça a Consagração da Rússia e os leigos façam comunhão dos Cinco Primeiros Sábados, 2a Rússia se converterá, abandonando o regime comunista, o ateísmo prático, o materialismo dialéctico e a luta de classes, e terão paz, não eclodindo a Segunda Guerra Mundial, 3se não, espalhará seus erros pelo mundo, com a difusão do comunismo, 4promovendo guerras e anexando países debaixo do punho de ferro do comunismo ateu, 5e perseguições à Igreja, com o encerramento e destruição dos locais de culto, aprisionamento e assassinato dos sacerdotes e crentes católicos, 6os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, através de campanhas de difamação, de mentiras e calúnias que lhe serão lançadas, 7várias nações serão aniquiladas, pois perderão a sua independência e serão integradas pela força das armas na união das repúblicas soviéticas, que será criada, e a qual será comandada pelo grande dragão vermelho, que vos foi falado no Apocalipse.

Nota: Devemos ter presente que esta advertência foi feita com 3 meses de antecedência à Revolução Bolchevique Russa, com o derrube do czarismo e a instituição do comunismo ateu naquele país, que veio a provocar milhões de mortos, de perseguições sanguinárias e da expansão daquele regime diabólico e terrível por todo o mundo. Muitos países vizinhos foram conquistados pela força brutal do regime comunista e formada a União Soviética, separando-a da Europa através da cortina de ferro, que teve a sua materialização mais visível no Muro de Berlim. Com a criação da união Soviética deu-se início à chamada “Guerra Fria”, entre o ocidente e o oriente.

A Consagração da Rússia, tinha um objectivo muito concreto, que era o de evitar a expansão do comunismo pelo mundo e o de evitar a Segunda Guerra Mundial. Como a Consagração não foi feita em tempo útil, desabou o caos sobre as nações e os povos. Depois destes cataclismos já não fazia tanto sentido a Consagração da Rússia, pois seria extemporânea.

O ”espalhará seus erros pelo mundo,” teve a concretização através da propagação do comunismo ateu a muitos países, nos quais ainda persiste actualmente, sendo os mais significativos a China, a Coreia do Norte e Cuba.

Como a Consagração da Rússia nunca chegou a ser feita em tempo útil, aconteceu a Segunda Guerra Mundial, a criação da união soviética, o comunismo espalhou-se pelo mundo com o seu mar de horrores, e a guerra fria entre os dois blocos desenvolveu-se, tendo passado por momentos de grande perigo e alta tensão. Foi neste clima que aconteceu o atentado ao Papa João Paulo II em 1981, que movido pela emoção do conhecimento do Terceiro Segredo de Fátima, foi levado a fazer a Consagração do mundo, em 1982 e mais tarde em 1984.

Mesmo que a Consagração da Rússia tivesse sido feita em 1981 e 1984, já não fazia sentido, pois as calamidades que podia ter evitado, já tinham acontecido. Mas confiante no Poder de Intercessão da Virgem Maria junto de Deus, João Paulo II avançou com a Consagração do mundo. Desta Consagração de 1984, que objectivamente não foi o que Nossa Senhora sugerira em 1929, pois nem sequer foi referida a Rússia, mas tão só de uma forma velada e muito dissimulada, advieram Graças imensas nos anos seguintes para o mundo, nomeadamente o desmembramento da União Soviética, o fim da guerra fria, a queda do muro de Berlim e o Triunfo Espiritual do Imaculado Coração de Maria.

8 1Por (por) fim o meu Imaculado Coração triunfará. ()æ

1Depois de tudo isto e por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará.

Nota: Nossa Senhora pode ter querido dizer que depois destas calamidades da guerra e do comunismo, que podiam ter sido evitadas, se tivesse sido feita a Consagração da Rússia, viria por fim o Triunfo do Seu Imaculado Coração.

O Triunfo do Imaculado Coração de Maria foi um Triunfo Espiritual, tal como prometido nas Mensagens ao Padre Gobbi, e anunciado para o Grande Jubileu do ano 2000. Assim foi de facto.

Já desenvolvi este tema que está bem explicado e documentado no seguinte Dossier:

l  O Triunfo do Imaculado Coração de Maria, já se deu! Æ

9 1O santo Padre consagrar-me-á a Rússia, que se converterá, 2e será concedido (consedido) ao mundo algum tempo de paz.

1O santo Padre consagrar-me-á a Rússia, que se converterá, num momento futuro e crucial da história da humanidade, em que o dragão vermelho atacar de novo, 2e será então concedido ao mundo algum tempo de paz.

Nota: Na cronologia desta narrativa que Nossa Senhora fez dos acontecimentos futuros, a Consagração da Rússia feita pelo Papa, vem depois do Triunfo do Imaculado Coração de Maria. A Consagração da Rússia feita por um Papa, é total e politicamente incorrecta, e por isso só poderá ser justificada numa situação extremamente importante e melindrosa, como derradeira solução para uma emergência à qual a diplomacia humana não tiver conseguido dar solução. Como a acalmia trazida pelo fim da guerra fria, não justificam de modo algum uma medida tão forte por parte do Papa, julgo que esta emergência só surgirá daqui a uns anos, quando se começarem a verificar os milagres de Medjugorje e o Aviso de Garabandal.

Segundo as profecias contidas nas Revelações de MSGR, divulgadas pelo Padre John Esseff, esta Consagração será feita pelo Papa Francisco.

 

l As várias Consagrações do mundo l é

 

Esta é a Lista das várias Consagrações do mundo que foram feitas pelos sucessivos Papas:

http://www.fatima2017.org/pt/press-kit/para-melhor-conhecer-fatima/3-consagracao-ao-imaculado-coracao-de-maria

 

Pio XII

Primeira vez a 31 de Outubro de 1942. è

Segunda vez a 8 de Dezembro de 1942.

A Rússia foi explicitamente consagrada em 7 de Julho de 1952, na Carta Apostólica SACRO VERGENTE ANNO. è

 

Paulo VI

Em 21 de Novembro de 1964.

 

João Paulo II

Primeira vez - 7 de Junho de 1981, na clínica onde se encontrava internado, em Roma. è

Segunda vez - 8 de Dezembro de 1981, na Praça de São Pedro. è

Terceira vez - 13 de Maio de 1982, em Fátima.

Quarta vez - 16 de Outubro de 1983, na Praça de S. Pedro.

Quinta vez - 25 de Março de 1984 em frente da imagem da Capelinha, na Praça de S. Pedro. è

Sexta vez - 13 de Maio de 1991, em Fátima.

A Consagração do milénio feita por João Paulo II foi feita em Roma, na Praça de S. Pedro, no dia 8 de Outubro de 2000, aquando do Jubileu dos Bispos e na presença da Imagem da Capelinha. Estiveram presentes cerca de 1500 bispos.

 

Francisco

Primeira vez - 13 de Outubro de 2013, em frente da imagem da Capelinha, na Praça de S. Pedro. è

 

Apresento seguidamente os textos das principais Consagrações: é

 

(l) A Consagração do mundo do Papa Pio XII é

31 de Outubro de 1942

A primeira Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria foi feita pelo Papa Pio XII a 31 de Outubro de 1942, por iniciativa dos pedidos feitos pela Beata Alexandrina de Balazar, ainda viva, e recebendo revelações de Jesus e da Virgem Maria.

Esta Consagração foi feita sob a forma de Radiomensagem do Papa Pio XII dirigida aos Fiéis Portugueses, em que o Papa sentado a uma secretária, tendo à sua direita o embaixador de Portugal no Vaticano e o cardeal Montini, que viria a ser o Papa Paulo VI, leu a sua extensa radiomensagem, onde estava incluída a Consagração, feita sob a forma de uma Súplica.

 

Esta Consagração ocorreu imediatamente antes dos acontecimentos que viraram o rumo da história da Segunda Guerra Mundial. De facto, a situação na guerra melhorou drasticamente para os Aliados. Pode-se praticamente dizer que antes da Consagração, não tivéramos nenhuma vitória, mas, depois, não tivemos nenhuma derrota. O próprio Winston Churchill admitiu este facto. No Pacífico, as forças dos Estados Unidos venceram uma batalha crucial poucos dias depois da Consagração. A queda de Estalinegrado teve início também poucos dias depois, com o cerco de 19 de Novembro. E a rendição dos alemães ocorreu a 2 de Fevereiro de 1943, dia da festa de Nossa Senhora das Candeias.

 

RADIOMENSAGEM DO PAPA PIO XII AOS FIÉIS PORTUGUESES
POR OCASIÃO DA CONSAGRAÇÃO DA IGREJA E DO GÉNERO HUMANO
AO CORAÇÃO IMACULADO DE MARIA

Sábado, 31 de Outubro de 1942

Veneráveis Irmãos e amados Filhos,

"Benedicite Deum caeli, et coram omnibus viventibus confitemini ei, quia fecit vobiscum misericordiam suam(Tob. 12, 6).

«Bendizei ao Deus do céu e glorificái-O no conspecto de todos os viventes, porque Ele usou convosco das suas Misericórdias.»

Mais de uma vez neste ano de graças subistes em devota romagem a montanha santa da Fátima, levando convosco os corações de todo o Portugal crente, para aí, nesse oásis embalsamado de fé e piedade, depositardes aos pés da Virgem Padroeira o tributo filial do vosso amor acrisolado, a homenagem da vossa gratidão pelos imensos benefícios ultimamente recebidos, a súplica confiada de que se digne continuar o seu patrocínio sobre a vossa Pátria d'aquém e d'além mar, e estendê-lo à grande tribulação que atormenta o mundo.

Nós, que, como Pai comum dos fiéis, fazemos Nossas tanto as tristezas como as alegrias de Nossos filhos, com todo o afecto da Nossa alma Nos unimos convosco para louvar e engrandecer ao Senhor, dador de todos os bens; para bendizer e dar graças Àquela por cujas mãos a magnificência divina nos comunica torrentes de graças.

E tanto mais gostosamente o fazemos, porque vós, com delicadeza filial, quisestes associar nas mesmas solenidades eucarísticas e impetratórias o jubileu de Nossa Senhora da Fátima e o vigésimo quinto aniversário da Nossa Sagração Episcopal: a Virgem Santa Maria e o Vigário de Cristo na terra, duas devoções profundamente portuguesas e sempre unidas no afecto de Portugal fidelíssimo, desde os primeiros alvores da nacionalidade, desde quando as primeiras terras reconquistadas, núcleo da futura nação, foram consagradas à Mãe de Deus como Terra de Santa Maria, e o reino, apenas constituído, foi posto sob a égide de S. Pedro.

1. Gratidão

« O primeiro e maior dever do homem é o da gratidão » (S. Ambrosii De excessu fratris sui Sat.1. I n. 44 Migne PL t. 16 col. 1361)« Nada ha tão aceito a Deus, como a alma reconhecida, que dá graças pelos benefícios recebidos» (cfr. S. Ioannis Chrys. Hom. 5 2 in Gen. - Migne PG t. 54 col. 460).

E vós tendes uma grande dívida para com a Virgem, Senhora e Padroeira da vossa Pátria.

Numa hora trágica de trevas e desvairamento, quando a nau do Estado Português, perdido o rumo das suas mais gloriosas tradições, desgarrada pela tormenta anticristã e antinacional, parecia correr a seguro naufrágio, inconsciente dos perigos presentes, e mais inconsciente dos futuros, — cuja gravidade aliás nenhuma prudência humana, por clarividente que fosse, podia então prever, — o céu que via uns e previa os outros, interveio piedoso, e das trevas brilhou a luz, do caos surgiu a ordem, a tempestade amainou em bonança, e Portugal pôde encontrar e reatar o perdido fio das suas mais belas tradições de Nação fidelíssima, para continuar, — como nos dias em que « na pequena casa Lusitana não faltavam Cristãos atrevimentos » para « a lei da vida Eterna dilatar »,(Camões, Lusíadas, canto VII oitavas 3 e 14), — na sua rota de glória de povo cruzado e missionário.

Honra aos beneméritos, que foram instrumento da Providência para tão grande empresa!

Mas primeiro glória, bênção, acção de graças à Virgem Senhora, Rainha e Mãe da sua Terra de S. Maria, que tem salvado mil vezes, que sempre lhe acudiu nas horas trágicas, e que nesta talvez a mais trágica, o fez tão manifestamente, que já em 1934 Nosso Predecessor Pio XI de imortal memória, na Carta Apostólica Ex officiosis litteris, atestava « os extraordinários benefícios com que a Virgem Mãe de Deus acabava de favorecer a vossa Pátria» (Acta Ap. Sedis a. XXVI 1934 p. 628). E ainda àquela data não se pensava no Voto de Maio de 1936 contra o perigo vermelho, tão temerosamente próximo e tão inesperadamente conjurado.

Ainda não era um facto a maravilhosa paz de que apesar de tudo Portugal continua gozando; e que com todos os sacrifícios que exige, sempre é imensamente menos ruinosa, do que essa guerra de extermínio que vai assolando o mundo.

Hoje que a tantos benefícios acresceram mais estes, hoje que a atmosfera de milagre que bafeja Portugal, se desentranha em prodígios físicos e em maiores e mais numerosos prodígios de graças e conversões, e floresce nessa primavera perfumada de vida católica, prometedora dos melhores frutos, hoje com bem mais razão devemos confessar que a Mãe de Deus vos cumulou de benefícios realmente extraordinários; e a vós incumbe o sagrado dever de lhe renderdes infinitas graças.

E vós tendes agradecido durante este ano, bem o sabemos.

Ao céu devem ter sido gratas as homenagens oficiais; mas devem-no ter comovido os sacrifícios das criancinhas, a oração e a penitência sincera dos humildes.

Ao vosso activo estão consignadas nos livros de Deus:

- A apoteose da Virgem Nossa Senhora na sua romagem do Santuário da Fátima à Capital do Império, durante as memorandas jornadas de oito a doze de Abril passado, talvez a maior demonstração de fé da história oito vezes secular da vossa Pátria;

- A peregrinação nacional de treze de Maio « jornada heróica de sacrifício », que, por frios e chuvas e enormes distâncias percorridas a pé, concentrou na Fátima, a orar, a agradecer, a desagravar, centenas de milhares de peregrinos, entre os quais se destaca cintilante de beleza renovadora o exemplo da briosa Juventude católica;

- As paradas infantis da Cruzada Eucarística, em que as criancinhas tão mimosas de Jesus, com a confiança filial da inocência, podiam protestar à Mãe de Deus que « tinham feito tudo quanto Ela pedira: orações, comunhões, sacrifícios... aos milhares!» e por isso suplicavam: «Nossa Senhora da Fátima, agora é só convosco; dizei ao vosso divino Filho uma só palavra, e o mundo será salvo e Portugal livre inteiramente do flagelo da guerra»;

- A preciosa coroa, feita de oiro e pedrarias, e, mais ainda, de puríssimo amor e generosos sacrifícios, que a treze do corrente no Santuário da Fátima oferecestes à vossa augusta Padroeira, como símbolo e monumento perene de eterno reconhecimento.

Estas e outras belíssimas demonstrações de piedade, de que, sob a zelosa actuação do Episcopado, tem sido fértil em todas as dioceses e paróquias este ano jubilar, mostram bem como o fiel povo português reconhece agradecido e quer satisfazer a sua imensa dívida para com a sua celeste Rainha e Mãe.

2. Confiança

A gratidão pelo passado é penhor de confiança para o futuro. «Deus exige de nós que lhe rendamos graças pelos benefícios recebidos», não por que precise dos nossos agradecimentos, mas «para que Estes o provoquem a conceder-nos benefícios ainda maiores» (cfr. S.Ioannis Chrys., Hom. 52 in Gen. - Migne PG t. 54 col. 460). Por isso é justo confiar que também a Mãe de Deus, aceitando o vosso rendimento de graças, não deixará incompleta a sua obra e vos continuará indefectível o patrocínio até hoje dispensado, preservando-vos de mais graves calamidades.

Mas para que a confiança não seja presumida, é preciso que todos, conscientes das próprias responsabilidades, se esforcem por não desmerecer o singular favor da Virgem Mãe, antes, como bons filhos, agradecidos e amantes, conciliem cada vez mais o seu materno carinho, — é preciso que, escutando o conselho materno que Ela dava nas bodas de Caná, façamos tudo o que Jesus nos diz (cfr. Io. 2, 5); e Ele diz a todos que façam penitência, poenitentiam agite (Matth. 4, 17); que emendem a vida e fujam do pecado, que é a causa principal dos grandes castigos com que a justiça do Eterno penitencia o mundo; que em meio deste mundo materializado e paganizante, em que toda a carne corrompeu os seus caminhos (Gen. 6, 12), sejam o sal e a luz que preserva e ilumina; cultivem esmeradamente a pureza, reflictam nos seus costumes a austeridade santa do Evangelho, e desassombradamente e a todo o custo, como protestava a Juventude católica em Fátima, «vivam como católicos sinceros e convictos a cem por cem »! Mais ainda: que cheios de Cristo, difundam em torno de si ao perto e ao longe o perfume de Cristo, e com a prece assídua, particularmente com o Terço quotidiano, e com os sacrifícios que o zelo generoso inspira, procurem às almas pecadoras a vida da graça e a vida eterna.

Então invocareis confiadamente o Senhor e Ele vos ouvirá; chamareis pela Mãe de Deus e Ela responderá: Eis-me aqui! (cfr. Is. 58, 9). Então não vigiará debalde o que defende a cidade, porque o Senhor velará com ele e a defenderá; nem será mal segura a casa reconstruída sobre os alicerces de uma ordem nova, porque o Senhor a cimentará (cfr. Ps. 126, 1-2). Feliz do povo cujo Senhor é Deus, cuja Rainha é a Mãe de Deus! Ela intercederá e Deus abençoará o seu povo com a paz, compendio de todos os bens: Dominus benedicet populo suo in pace (Ps. 28, 11).

3. Súplica

Mas vós não vos desinteressais (quem pode desinteressar-se?) da imensa tragédia que atormenta o mundo. Antes quanto mais assinaladas são as mercês que hoje agradeceis à Nossa Senhora da Fátima, quanto mais segura é a confiança que nEla depositais relativamente ao futuro, quanto mais perto de vós a sentis, protegendo-vos com seu manto de luz, tanto mais trágica aparece, pelo contraste, a sorte de tantas nações dilaceradas pela maior calamidade da história.

Temerosa manifestação da Justiça divina! Adoremo-la tremendo; mas não duvidemos da divina Misericórdia, porque o Pai, que está nos céus, não a esquece nem sequer nos dias da sua ira: Cum iratus fueris, misericordiae recordaberis (Hab. 3, 2).

Hoje, que o quarto ano de guerra amanheceu mais sombrio ainda, num sinistro alastrar do conflito, hoje mais que nunca só nos resta a confiança em Deus e, como Medianeira perante o trono divino, Aquela que um Nosso Predecessor, no primeiro conflito mundial, mandou invocar como Rainha da Paz.

Invoquemo-la mais uma vez, que só Ela nos pode valer! Ela, cujo Coração materno sé comoveu perante as ruínas que se amontoavam na vossa Pátria e tão maravilho­samente a socorreu; Ela que condoída na previsão desta imensa desventura, com que a Justiça de Deus penitencia o mundo, já de antemão apontava na oração e na penitência o caminho da salvação, Ela não nos há de negar a sua ternura materna e a eficácia do seu patrocínio.

Rainha do Santíssimo Rosário, auxílio dos cristãos, refúgio do género humano, vencedora de todas as grandes batalhas de Deus! ao vosso trono súplices nos prostramos, seguros de conseguir misericórdia e de encontrar graça e auxílio oportuno nas presentes calamidades, não pelos nossos méritos, de que não presumimos, mas unicamente pela imensa bondade do vosso Coração materno.

A Vós, ao vosso Coração Imaculado, Nós como Pai comum da grande família cristã, como Vigário dAquele a quem foi dado todo o poder no Céu e na Terra (Matth. 28, 18), e de quem recebemos a solicitude de quantas almas remidas com o seu sangue povoam o mundo universo, — a Vós, ao vosso Coração Imaculado, nesta hora trágica da história humana, confiamos, entregamos, consagramos não só a Santa Igreja, corpo místico de vosso Jesus, que pena e sangra em tantas partes e por tantos modos atribulada, mas também todo o mundo, dilacerado por exiciais discórdias, abrasado em incêndios de ódio, vítima de sua próprias iniquidades.

Comovam-Vos tantas ruínas materiais e morais; tantas dores, tantas agonias dos pais, das mães, dos esposos, dos irmãos, das criancinhas inocentes; tantas vidas ceifadas em flor; tantos corpos despedaçados numa horrenda carnificina; tantas almas torturadas e agonizantes, tantas em perigo de se perderem eternamente! Vós, Mãe de misericórdia, impetrai-nos de Deus a paz!  E primeiro as graças que podem num momento converter os humanos corações, as graças que preparam, conciliam, asseguram a paz! Rainha da paz, rogai por nós e dai ao mundo em guerra a paz por que os povos suspiram, a paz na verdade, na justiça, na caridade de Cristo. Dai-lhe a paz das armas e das almas, para que na tranquilidade da ordem se dilate o Reino de Deus.

Estendei a vossa protecção aos infiéis e a quantos jazem ainda nas sombras da morte; dai-lhes a paz e fazei que lhes raie o Sol da verdade, e possam connosco, diante do único Salvador do mundo, repetir: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade! (Luc. 2, 14).

Aos povos pelo erro ou pela discórdia separados, nomeadamente àqueles que Vos professam singular devoção, onde não havia casa que não ostentasse a vossa veneranda ícone (hoje talvez escondida e reservada para melhores dias), dai-lhes a paz e reconduzi-os ao único redil de Cristo, sob o único e verdadeiro Pastor.

Obtende paz e liberdade completa à Igreja santa de Deus; sustai o dilúvio inundante de neo-paganismo, todo matéria; e fomentai nos fiéis o amor da pureza, a prática da vida cristã e o zelo apostólico, para que o povo dos que servem a Deus, aumente em mérito e em número.

Enfim como ao Coração do vosso Jesus foram consagrados a Igreja e todo o género humano, para que, colocando nEle todas as suas esperanças, lhes fosse sinal e penhor de vitória e salvação (cfr.Litt. Enc. Annum Sacrum : Acta Leonis XIII vol. 19 pag. 79), assim desde hoje Vos sejam perpetuamente consagrados também a Vós e ao vosso Coração Imaculado, ó Mãe nossa e Rainha do mundo: para que o vosso amor e patrocínio apresse o triunfo do Reino de Deus, e todas as gerações humanas, pacificadas entre si e com Deus, a Vós proclamem bem-aventurada; e convosco entoem, de um pólo ao outro da Terra, o eterno Magnificat de glória, amor, reconhecimento ao Coração de Jesus, onde só podem encontrar a Verdade, a Vida e a Paz.

Na esperança de que estas Nossas súplicas e votos sejam favoravelmente acolhidos pela divina Bondade, a vós, dilecto Cardeal Patriarca e veneráveis Irmãos, e ao vosso Clero, para que a graça do alto fecunde cada vez mais o vosso zelo; ao Exmo. Presidente da República, ao ilustre Chefe e aos membros do Governo e mais Autoridades civis, para que o Céu nesta hora singularmente grave e difícil continue a assisti-los na sua actividade em prol do bem comum e da paz; a todos os Nossos amados Filhos de Portugal continental, insular e ultramarino, para que a Virgem Senhora confirme o bem que em vós se há dignado operar; a todos e cada um dos Portugueses, como penhor das graças celestes, damos com todo o amor e carinho paterno a Bênção Apostólica.

http://www.vatican.va/holy_father/pius_xii/speeches/1942/documents/hf_p-xii_spe_19421031_immaculata_po.html

 

Esta Consagração de 1942 feita pelo Papa Pio XII não teve nem a solenidade que tiveram as últimas Consagrações,

- Não referiu expressamente a Rússia (a não ser naquela parte em que se refere «Aos povos pelo erro ou pela discórdia separados, nomeadamente àqueles que Vos professam singular devoção, onde não havia casa que não ostentasse a vossa veneranda ícone»), e

- Não foi feita em comunhão com todos os Bispos do mundo, como estabelecido pela Virgem Maria em 1929.

 

(l) A Consagração da Rússia do Papa Pio XII é

7 de Julho de 1952

 

CARTA APOSTÓLICA

SACRO VERGENTE ANNO

CONSACRAZIONE DELLA RUSSIA

AL CUORE IMMACOLATO DI MARIA

7 luglio 1952

9. Consacrazione dei popoli della Russia al Cuore immacolato di Maria

Noi, pertanto, affinché più facilmente le Nostre e le vostre preghiere siano esaudite, e per darvi un singolare attestato della Nostra particolare benevolenza, come pochi anni fa abbiamo consacrato tutto il mondo al Cuore immacolato della vergine Madre di Dio, così ora, in modo specialissimo, consacriamo tutti i popoli della Russia al medesimo Cuore immacolato, nella sicura fiducia che col potentissimo patrocinio di Maria vergine quanto prima si avverino felicemente i voti, che Noi, che voi, che tutti i buoni formano per una vera pace, per una fraterna concordia e per la dovuta libertà a tutti e in primo luogo alla chiesa; in maniera che, mediante la preghiera che Noi innalziamo insieme con voi e con tutti i cristiani, il regno salvifico di Cristo, che è «regno di verità e di vita, regno di santità e di grazia, regno di giustizia, di amore e di pace»,(8) in ogni parte della terra trionfi e si consolidi stabilmente.

E con supplice invocazione preghiamo la medesima Madre clementissima, perché assista ciascuno di voi nelle presenti calamità e ottenga al suo divin Figlio per le vostre menti quella luce che proviene dal Cielo, e impetri per le anime vostre quella virtù e quella fortezza, per cui, sorretti dalla divina grazia, possiate vittoriosamente superare ogni empietà ed errore.

http://www.vatican.va/holy_father/pius_xii/apost_letters/documents/hf_p-xii_apl_19520707_sacro-vergente-anno_it.html

 

Esta Consagração de 7 de Julho de 1952 do Papa Pio XII, na Carta Apostólica SACRO VERGENTE ANNO, da qual só apresentei o ponto 9,

- Referiu expressamente a Rússia, e

- Não foi feita solenemente em comunhão com todos os Bispo do mundo, como estabelecido pela Virgem Maria em 1929.

 

 

 (l) A Entrega do Papa João Paulo II de 7 de Junho de 1981 é

7 de Junho de 1981

 

III. ACTO DE ENTREGA CONFIANTE

MENSAGEM DO PAPA JOÃO PAULO II

Mensagem gravada pelo Santo Padre no Hospital Gemelli, no período de internamento,

depois do atentado sofrido a 13 de Maio de 1981 na Praça de São Pedro


Lida na Basílica de Santa Maria Maior, R
oma
Domingo 7 de Junho de 1981

 

 

III. Acto de entrega confiante

8. Ó Vós que mais do que qualquer outro ser humano fostes confiada ao Espírito Santo, ajudai a Igreja do Vosso Filho a perseverar na mesma entrega confiante, a fim de que ela possa derramar sobre todos os homens os inefáveis bens da Redenção e da Santificação, para ser libertada a inteira criação (cf. Rom 8, 21).

Ó Vós que estivestes com a Igreja nos princípios da sua missão, intercedei por ela, a fim de que, indo por todo o mundo, ensine a todas as gentes e anuncie o Evangelho a todas as criaturas.

Sim, que a Palavra da Verdade Divina e o Espírito do Amor tenham acesso aos corações dos homens, os quais sem esta Verdade e sem este Amor não podem realmente viver a plenitude da vida.

Ó Vós que conhecestes da maneira mais plena o poder do Espírito Santo, quando Vos foi concedido conceber no Vosso seio virginal e dar à luz o Verbo Eterno, alcançai para a Igreja que ela possa continuamente fazer renascer pela água e pelo Espírito Santo os filhos e filhas de toda a família humana, sem distinção alguma de língua, de raça ou de cultura, dando-lhes dessa maneira o "poder de se tornarem filhos de Deus" (Jo 1, 12).

Ó Vós que assim tão profundamente e maternamente estais ligada à Igreja, precedendo na caminhada da fé, da esperança e da caridade todo o Povo de Deus, abraçai a todos os homens que se acham a caminho, peregrinos através da vida temporal em direcção aos destinos eternos, com aquele amor que o próprio Redentor divino, Vosso Filho, derramou no Vosso coração do alto da Cruz. Que Vós sejais sempre a Mãe em todos os nossos caminhos terrenos, mesmo quando estes se tornam tortuosos, a fim de podermos, no final, encontrar-nos naquela grande Comunidade que o mesmo Vosso Filho chamou redil, oferecendo por ela a sua vida como Bom Pastor.

Ó Vós que fostes a primeira Serva da unidade do Corpo de Cristo, ajudai-nos e ajudai todos os fiéis que tão dolorosamente sentem o drama das divisões históricas do Cristianismo, a procurar o caminho da unidade perfeita do Corpo de Cristo, mediante a fidelidade incondicionada ao Espírita de Verdade e de Amor, que nos foi dado à custa da Cruz e da Morte do Vosso Filho.

Ó Vós que sempre desejastes servir! Vós que servis como Mãe toda a família dos filhos de Deus, alcançai para a Igreja, enriquecida pelo Espírito Santo com a plenitude dos dons hierárquicos e carismáticos, que ela possa prosseguir com constância no sentido do futuro pelo caminho daquela renovação que provém daquilo que diz o Espírito Santo e que teve expressão no ensino do II Concílio do Vaticano, assumindo nessa obra de renovação tudo o que é verdadeiro e bom, sem se deixar enganar, nem numa direcção nem na outra, mas discernindo assiduamente entre os sinais dos tempos aquilo que serve para o advento do Reino de Deus.

Ó Mãe dos homens e dos povos, Vós conheceis todos os seus sofrimentos e as suas esperanças, Vós sentis maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas, que abalam o mundo — acolhei o nosso brado, dirigido no Espírito Santo directamente ao Vosso coração, e abraçai com o amor da Mãe e da Serva do Senhor aqueles que mais esperam por este abraço e, ao mesmo tempo, aqueles cuja entrega confiante Vós também esperais de maneira particular. Tomai sob a Vossa protecção materna a inteira família humana que, com enlevo afectuoso, nós Vos confiamos, ó Mãe. Que se aproxime para todos o tempo da paz e da liberdade, o tempo da verdade, da justiça e da esperança.

Ó Vós que — mediante o mistério da Vossa particular santidade, isenta de toda e qualquer mácula desde o momento da Vossa concepção — experimentais de maneira particularmente profunda que "a criação geme e sofre... as dores do parto" (Rom 8, 22), ao mesmo tempo que, "submetida à caducidade", "nutre a esperança de que será, também ela, libertada da escravatura da corrupção (ibid. 8, 20-21), contribuí, sem cessar, para a "revelação dos filhos de Deus" que "a mesma criação aguarda, ansiosamente" (ibid. 8, 19), para entrar na liberdade da sua glória (cf. ibid. 8, 21).

Ó Mãe de Jesus, Vós que já estais glorificada no Céu em corpo e alma — qual imagem e início da Igreja que deverá ter o seu completamento no século futuro — aqui sobre a terra, enquanto não chegar o dia do Senhor (cf. 2 Ped 3, 10), não deixeis de brilhar diante do Povo de Deus peregrino, como sinal de esperança segura e de consolação (cf. Const. dogm. Lumen Gentium, 68).

Deus Espírito Santo, que com o Pai e o Filho sois adorado e glorificado: acolhei estas palavras de humilde entrega confiante dirigidas a Vós passando pelo coração de Maria de Nazaré, Vossa Esposa e Mãe do Redentor, à Qual também a Igreja chama sua Mãe, porque d'Ela apreende, desde o cenáculo do Pentecostes, a própria vocação materna. Acolhei estas palavras da Igreja que peregrina, proferidas no meio de canseiras e de alegrias, entre temores e esperanças, palavras que são expressão de entrega humilde e confiante, palavras com as quais a Igreja confiada a Vós para sempre, Espírito do Pai e do Filho, no cenáculo do Pentecostes, não cessa de repetir convosco ao seu Esposo divino: Vem!

Sim, "o Espírito e a esposa dizem ao Senhor Jesus 'Vem'" Apoc 22, 17). "E assim a Igreja universal aparece como um povo unido, pela unidade do Pai e do Filho e do Espírito Santo" (Const. dogm.Lumen Gentium, 4).

Assim se expressa neste dia, mediante a nossa voz, a Igreja, confiando na Vossa bondade materna, ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria.

http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/speeches/1981/june/documents/hf_jp_ii_spe_19810607_costantinopoli-efeso_po.html#top

 

Esta Consagração de 7 de Junho de 1981 feita pelo Papa João Paulo II não teve nem a solenidade que tiveram as últimas Consagrações, já que foi feita a partir do hospital onde ficou internado depois do atentado sofrido na Praça de São Pedro no dia 13 de Maio de 1981, através de uma gravação que depois foi lida na Basílica de Santa Maria Maior no dia de Pentecostes,

- Não referiu expressamente a Rússia,

- Não foi feita em comunhão com todos os Bispos do mundo, como estabelecido pela Virgem Maria em 1929.

 

 

(l) A Consagração do Papa João Paulo II de 8 de Dezembro de 1981 é

8 de Dezembro de 1981

 

ACTO DE CONSAGRAÇÃO A MARIA SANTÍSSIMA DA IGREJA E DO MUNDO
NA FESTIVIDADE DA IMACULADA CONCEIÇÃO

ORAÇÃO DO PAPA JOÃO PAULO II

Basílica de Santa Maria Maior
8 de Dezembro de 1981

Ó Tu, que mais que todos os outros seres humanos foste consagrada ao Espírito Santo, ajuda a Igreja do Teu Filho a perseverar na mesma consagração, a fim de que possa derramar sobre todos os homens os inefáveis bens da Redenção e da Santificação, para ser liberta a criação inteira (cf.Rom 8, 21).

Ó Tu, que estiveste com a Igreja nos inícios da sua missão, intercede por ela para que, indo por todo o mundo, ensine continuamente as Nações todas e anuncie o Evangelho a toda a criatura. A palavra da Verdade Divina e o Espírito do Amor encontrem acesso nos corações dos homens, que sem esta Verdade e sem este Amor não podem na realidade viver a plenitude da vida.

Ó Tu, que do modo mais pleno conheceste a força do Espírito Santo, quando Te foi concedido conceber no Teu seio virginal e dar à luz o Verbo Eterno, obtém para a Igreja poder continuamente levar a que renasçam da água e do Espírito Santo os filhos de toda a família humana, sem qualquer distinção de língua, de raça e de cultura, dando-lhes de tal modo "poderem tornar-se filhos de Deus" (Jo 1, 12).

Ó Tu, que estás tão profunda e maternalmente ligada à Igreja, precedendo — nos caminhos da fé, da esperança e da caridade — todo o Povo de Deus, abraça todos os homens que estão a caminho, peregrinos através da vida temporal para os eternos destinos, com aquele amor que o mesmo Redentor divino, Teu Filho, derramou no Teu coração do alto da cruz. Sê a Mãe de todos os nossos caminhos terrestres, mesmo quando eles se tornem tortuosos, para que todos nos encontremos, no fim, naquela grande Comunidade que o Teu Filho chamou Rebanho, oferecendo por ela a sua vida como Bom Pastor.

Ó Tu, que és a primeira Serva da unidade do Corpo de Cristo, ajuda-nos, ajuda todos os fiéis, que sentem tão dolorosamente o drama das divisões do Cristianismo, a procurarem com constância a via da unidade perfeita do Corpo de Cristo mediante a fidelidade incondicionada ao Espírito de Verdade e de Amor, que lhe foi dado à custa da Cruz e da Morte do Teu Filho.

Ó Tu, que sempre desejaste servir! Tu que serves como Mãe toda a família dos filhos de Deus, obtém à Igreja que, enriquecida pelo Espírito Santo com a plenitude dos dons hierárquicos e carismáticos, prossiga constantemente para o futuro pelo caminho daquele renovamento que provém do que diz o Espírito Santo e encontrou expressão no ensinamento do Vaticano II, assumindo em tal obra de renovamento tudo o que é verdadeiro e bom, sem se deixarem enganar nem numa direcção nem na outra, mas discernindo assiduamente entre os sinais dos tempos aquilo que serve ao advento do Reino de Deus.

Ó Mãe dos homens e dos povos, Tu conheces todos os seus sofrimentos e as suas esperanças, Tu sentes maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas que agitam o mundo — acolhe o nosso grito dirigido no Espírito Santo, directamente ao Teu coração e abraça com o amor da Mãe e da Serva do Senhor os povos que mais esperam este abraço, e ao mesmo tempo os povos cuja consagração Tu também esperas de modo particular. Toma debaixo da tua protecção maternal a família humana inteira que, com afectuoso transporte, a Ti, ó Mãe, nós confiamos. Aproxime-se para todos o tempo da paz e da liberdade, o tempo da verdade, da justiça e da esperança.

Ó Tu, que mediante o mistério da Tua particular santidade, liberta de toda a mancha desde o momento da Tua conceição, sentes de modo especialmente profundo que "toda a criação geme e sofre... nas dores do parto" (Rom 8, 22), enquanto, "submetida à caducidade", "alimenta a esperança de ser ela também liberta da escravidão da corrupção" (Rom 8, 20-21), contribui, sem descanso, para a "revelação dos filhos de Deus", que "espera com paciência a criação mesma" (Rom 8, 19), para entrar na liberdade da sua alegria (cf. Rom, 8, 21).

Ó Mãe de Jesus, glorificada agora no Céu no corpo e na alma, como imagem e princípio da Igreja, que deverá alcançar o seu termo na idade futura — aqui na terra, até quando venha o dia do Senhor (cf. 2 Ped 3, 10) não deixes de brilhar diante do povo peregrino de Deus como sinal de segura esperança e de consolação (cf. Lumen Gentium, 68).

Espírito Santo Deus, que és adorado e glorificado com o Pai e o Filho! Aceita estas palavras de humilde consagração dirigidas a Ti no coração de Maria de Nazaré, Tua Esposa e Mãe do Redentor, que também a Igreja chama sua Mãe, porque, desde o cenáculo do Pentecostes, d'Ela aprende a própria vocação maternal! Aceita estas palavras da Igreja peregrina, pronunciadas entre as fadigas e as alegrias, entre os medos e as esperanças, palavras que são expressão de entrega humilde e esperançada, palavras com que a Igreja — confiada a Ti, Espírito do Pai e do Filho, no cenáculo do Pentecostes para sempre — não cessa de repetir juntamente contigo, Maria, ao seu Esposo divino: Vem!

"O Espírito e a esposa ditem ao Senhor Jesus 'Vem' " (cf. Ap 22, 17). "Assim a igreja universal apresenta-se como povo reunido na unidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo" (Lumen Gentium, 4).

Assim repetimos nós hoje: "Vem", confiando na tua maternal intercessão, ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria.

http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/prayers/documents/hf_jp-ii_19811208_prayer-immacolata-liberiana_po.html

 

 Esta Consagração de 8 de Dezembro de 1981 feita pelo Papa João Paulo II não teve nem a solenidade que tiveram as últimas Consagrações, foi feita na Basílica de Santa Maria Maior no dia da Imaculada Conceição, depois de ter saído do hospital, e também

- Não referiu expressamente a Rússia, e

- Não foi feita em comunhão com todos os Bispos do mundo, como estabelecido pela Virgem Maria em 1929.

 

 (l) A Entrega do Papa João Paulo II de 25 de Março 1984 é

25 de Março 1984

 

ACTO DE ENTREGA E CONSAGRAÇÃO A MARIA SANTÍSSIMA DOS HOMENS E DOS POVOS
ORAÇÃO DO PAPA JOÃO PAULO II

No dia do Jubileu das Famílias

Diante da Imagem de Nossa Senhora de Fátima, na Praça de São Pedro.

25 de Março de 1984

 

Consagração do Mundo Pelo Papa João Paulo II na Praça de São Pedro

em frente da Imagem de Nossa Senhora de Fátima

 

A família é o coração da Igreja. Eleve-se hoje deste coração um acto de particular entrega ao Coração da Mãe de Deus.
No Ano Jubilar da Redenção queremos confessar que o Amor é maior que o pecado e que todos os males que ameaçam o homem e o mundo.
Com humildade invocamos este Amor:

1. “À vossa protecção nos acolhemos, Santa Mãe de Deus”!
Ao pronunciar estas palavras da antífona com que a Igreja de Cristo reza há séculos, encontramo-nos hoje diante de Vós, ó Mãe, no Ano Jubilar da nossa Redenção.
Estamos aqui unidos com todos os pastores da Igreja por um vínculo particular, pelo qual constituímos um corpo e um colégio, do mesmo modo que os Apóstolos, por vontade de Cristo, constituíram um corpo e um colégio com Pedro.
No vínculo desta unidade, pronunciamos as palavras do presente Acto, no qual desejamos incluir, uma vez mais, as esperanças e as angústias da Igreja pelo mundo contemporâneo.
Há quarenta anos atrás, e depois ainda passados dez anos, o Vosso servo o Papa Pio XII, tendo diante dos olhos as dolorosas experiências da família humana, confiou e consagrou ao Vosso Coração Imaculado todo o mundo e especialmente os Povos que, pela situação em que se encontram, são particular objecto do Vosso amor e da Vossa solicitude.
É este mundo dos homens e das nações que nós temos diante dos olhos também hoje: o mundo do Segundo Milénio que está prestes a terminar, o mundo contemporâneo, o nosso mundo!
A Igreja, lembrada das palavras do Senhor: “Ide… e ensinai todas as nações… Eis que eu estou convosco todos os dias, até ao fim do mundo” (Mt. 28, 19-20), reavivou, no Concilio Vaticano Segundo, a consciência da sua missão neste mundo.
Por isso, ó Mãe dos Homens e dos povos, Vós que conheceis todos os seus sofrimentos e as suas esperanças, Vós que sentis maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas, que abalam o nosso mundo contemporâneo, acolhei o nosso clamor que, movidos pelo Espírito Santo, elevamos directamente ao Vosso Coração; e abraçai, com o amor da Mãe e da Serva do Senhor, este nosso mundo humano, que Vos confiamos e consagramos, cheios de inquietude pela sorte terrena e eterna dos homens e dos povos.
De modo especial Vos entregamos e consagramos aqueles homens e aquelas nações, que desta entrega e desta consagração têm particularmente necessidade.
“À Vossa protecção nos acolhemos Santa Mãe de Deus!” Não desprezeis as nossas súplicas que a vós elevamos, nós que estamos em provação!

2. Encontrando-nos hoje diante de Vós, Mãe de Cristo, diante do Vosso Coração Imaculado, desejamos, juntamente com toda a Igreja, unir-nos com a consagração que, por nosso amor, o Vosso Filho fez de Si mesmo ao Pai: “Por eles eu consagro-me a Mim mesmo – foram as suas palavras – para eles serem também consagrados na verdade (Jo. 17,19).
Queremos unir-nos ao nosso Redentor, nesta consagração pelo mundo e pelos homens, a qual, no seu Coração divino, tem o poder de alcançar o perdão e de conseguir a reparação.
A força desta consagração permanece por todos os tempos e abrange todos os homens, os povos e as nações; e supera todo o mal, que o espírito das trevas é capaz de despertar no coração do homem e na sua história, e que, de facto, despertou nos nossos tempos.
Oh, quão profundamente sentimos a necessidade de consagração, pela humanidade e pelo mundo: pelo nosso mundo contemporâneo, em união com o próprio Cristo! Na realidade, a obra redentora de Cristo deve ser pelo mundo participada por meio da Igreja.  
Manifesta-o o presente Acto da Redenção; o Jubileu extraordinário de toda a Igreja.
Sede bendita, neste Ano Santo, acima de todas as criaturas, Vós, Serva do Senhor, que obedecestes da maneira mais plena ao chamamento divino!
Sede louvada, Vós que estais inteiramente unida à consagração redentora do Vosso Filho!
Mãe da Igreja! Iluminai o Povo de Deus nos caminhos da fé, da esperança e da caridade! Iluminai de modo especial os povos dos quais esperais a nossa consagração e a nossa entrega. Ajudai-nos a viver na verdade da consagração de Cristo pela inteira família humana do mundo contemporâneo.

3. Confiando-Vos, ó Mãe, o mundo, todos os homens e todos os povos, nós vos confiamos também a própria consagração do mundo, depositando-a no Vosso Coração materno.
Oh, Coração Imaculado! Ajudai-nos a vencer a ameaça do mal que tão facilmente se enraíza nos corações dos homens de hoje e que, nos seus efeitos incomensuráveis, pesa já sobre a nossa época e parece fechar os caminhos do futuro! 
Da fome e da guerra livrai-nos! 
Da guerra nuclear, de uma autodestruição incalculável e de toda a espécie de guerra, livrai-nos! 
Dos pecados contra a vida do homem desde os seus primeiros instantes, livrai-nos!
Do ódio e do aviltamento da dignidade dos filhos de Deus, livrai-nos!
De todo o género de injustiças na vida social, nacional e internacional, livrai-nos!
Da  facilidade em calcar aos pés os mandamentos de Deus, livrai-nos!
Da tentativa de ofuscar nos corações humanos a própria verdade de Deus, livrai-nos!
Da perda da consciência do bem e do mal, livrai-nos!
Dos pecados contra o Espírito Santo, livrai-nos, livrai-nos!
Acolhei, ó Mãe de Cristo, este clamor carregado de sofrimento de todos os homens!
Carregado do sofrimento de sociedades inteiras!
Ajudai-nos com a força do Espírito Santo a vencer todos os pecados: o pecado do homem  e o "pecado do mundo", enfim, o pecado em todas as suas manifestações.
Que se revele, uma vez mais, na história do mundo a infinita potência salvífica da Redenção: a força infinita do Amor Misericordioso! Que ele detenha o mal! Que ele transforme as consciências! Que se manifeste para todos, no Vosso Coração Imaculado, a luz da Esperança!

http://www.santuario-fatima.pt/portal/index.php?id=15355

 

Esta Consagração de 25 de Março de 1984 do Papa João Paulo II,

- Foi feita, em comunhão com todos os Bispos do mundo, e solenemente na Praça de São Pedro convocados com antecedência, diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima que foi levada para o Vaticano para esse fim, e

- Não referiu expressamente a Rússia, como tinha sido estabelecido pela Virgem Maria em 1929, a não ser através da frase que acrescentou ao texto previamente escrito «Iluminai de modo especial os povos dos quais esperais a nossa consagração e a nossa entrega».

 

            (l) A opinião da irmã Lúcia sobre a Consagração de 25 de Março de 1984  é

 

Aconteceu numa entrevista em Setembro de 1985 à revista espanhola “Sol de Fátima” (http://www.soldefatima.com/), que a Irmã Lúcia afirmou que

«A Consagração da Rússia ainda não tinha sido feita porque, mais uma vez, a Rússia não era claramente o objecto da consagração de 1984 e os Bispos do mundo não participaram».
E o motivo desta consagração especial?
A Irmã Lúcia perguntou a Jesus por que razão Ele não convertia a Rússia, a não ser por meio da Consagração específica da Rússia.

Jesus respondeu:
“Porque quero que toda a Minha Igreja reconheça essa consagração como um triunfo do Coração Imaculado de Maria, para depois estender o Seu culto e pôr, ao lado da devoção do Meu Divino Coração, a devoção deste Imaculado Coração.”

No entanto, a Irmã Lúcia, numa carta de 8 de Novembro de 1989, confirmou pessoalmente que este acto, solene e universal, de consagração correspondia àquilo que Nossa Senhora queria:

«Sim, está feita tal como Nossa Senhora a pediu, desde o dia 25 de Março de 1984.»

Ver referência desta carta da irmã Lúcia no site do Vaticano em: http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_20000626_message-fatima_po.html

e na Amen em: http://www.amen-etm.org/Os3SegredosdeFatima-2000-7-11.htm

 

Encontramos uma contradição entre a entrevista de 1985 e a carta de 1989…  Qual o significado…?  Porquê…? Certamente existe uma explicação para esta aparente contradição, mas infelizmente não temos por cá a irmã Lúcia para no-la explicar…

 

 

 (l) A Entrega do Papa Francisco é

13 de Outubro de 2013

 

ACTO DE ENTREGA A MARIA

Na Jornada Mariana

 por ocasião do Ano da Fé

Praça de São Pedro

Domingo, 13 de Outubro de 2013

 

 

Bem-aventurada Maria Virgem de Fátima,

Com renovada gratidão pela tua presença materna,

unimos a nossa voz àquela de todas as gerações

que te chamam bem-aventurada.

 

Celebramos em ti as grandes obras de Deus,

que nunca se cansa de se inclinar com misericórdia sobre a humanidade,

aflita pelo mal e ferida pelo pecado,

para curá-la e salvá-la.

 

Acolhe com benevolência de Mãe

o acto de entrega que hoje fazemos com confiança,

diante desta tua imagem, para nós tão querida.

 

Estamos certos que cada um de nós é precioso aos teus olhos

e que nada te é estranho de tudo o que habita nos nossos corações.

 

Deixamo-nos envolver pelo teu olhar tão doce

e recebemos a consoladora carícia do teu sorriso.

 

Cuida da nossa vida entre os teus braços;

abençoa-nos e reforça todo o desejo de bem;

reaviva e alimenta a fé;

sustém-nos e ilumina a esperança;

suscita e anima a caridade;

guia-nos a todos no caminho da santidade.

 

Ensina-nos o teu próprio amor de predilecção

pelos pequenos e pobres,

pelos excluídos e pelos que sofrem,

pelos pecadores e os que têm o coração dilacerado:

reúne-os a todos sob a tua protecção,

e a todos entrega ao teu dilecto filho, o Senhor nosso Jesus.

 

Amen

 

http://www.vatican.va/holy_father/francesco/homilies/2013/documents/papa-francesco_20131013_omelia-giornata-mariana_po.html#ACTO_DE_ENTREGA_A_MARIA_

 

 Este Acto de Entrega de 13 de Outubro de 2013 feita pelo Papa Francisco, foi feita solenemente na Praça de São Pedro, diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima que foi levada para o Vaticano para esse fim, mas

- Não foi feita em união com todos os Bispos do mundo, e

- Não referiu expressamente a Consagração da Rússia, como tinha sido estabelecido pela Virgem Maria em 1929. Nem sequer referiu a palavra Consagração,

 

 

 

l Cumpriu-se a Consagração pedida por Nossa Senhora

em Fátima e em Tuy? l é

 

Pela leitura atenta dos textos das diversas Consagrações feitas ao longo dos anos a partir de 1942, vemos que nenhuma delas obedeceu à letra do pedido feito por Nossa Senhora em Tuy. Todas elas pecaram por alguma omissão no texto da Consagração ou na forma de que se revestiram. No entanto, a Irmã Lúcia, na carta de 8 de Novembro de 1989, confirmou pessoalmente que a Consagração, solene e universal, feita pelo Papa João Paulo II, em 25 de Março de 1984, correspondia àquilo que Nossa Senhora queria:

- «Sim, está feita tal como Nossa Senhora a pediu, desde o dia 25 de Março de 1984.»

Acho que a irmã Lúcia não ia mentir ou se enganar sobre assunto tão delicado.

Entrando no cerne da questão, penso mesmo que poderemos afirmar que no 2º Segredo de Fátima se fala de duas Consagrações da Rússia:

Æ Uma, que devia ter sido feita, nos anos 30 do século passado, para evitar os erros da Rússia e a Segunda Guerra Mundial, e outra,

Æ que por fim será feita, mais tarde, e trará ao mundo algum tempo de paz.

 

Sobre esta Segunda e última Consagração da Rússia, há profecias contidas nas Revelações de MSGR divulgadas pelo Padre John Esseff. Este Padre John Esseff foi dirigido espiritualmente pelo Santo Padre Pio e foi mais tarde o director espiritual da Santa Madre Teresa de Calcutá. Merece-nos, pois, toda a credibilidade.

(l) Ler mais Revelações de MSGR divulgadas pelo padre John Esseff  è

Vezes sem conta é afirmado, nestas Revelações, que o Papa Francisco foi formado no mais profundo do Imaculado Coração de Maria e será ele a Consagrar a Rússia, pois que mesmo aparentemente agora ela tenha uma face de amiga, é nela que reside todo o mal, pois quer dominar e ser a primeira entre todas as nações.

 

Vejamos algumas destas Revelações de MSGR:

 

137. O controle satânico dos líderes Russos

15 de Outubro de 2011

Virgem Maria

O inimigo encontra nova vida e novas fontes de abastecimento e soldados. Não tem fim, e assim será até a Rússia ser Consagrada ao Meu Imaculado Coração. Então, o Pai Celestial dará Paz ao mundo.

Muitos dizem que a Rússia não é o problema, mas Eu vejo a verdade. Eu vejo o que acontece por traz de cena.

Ele (o líder russo) já não é visto como a força sinistra. Ele mudou de vestimenta, mas não o seu coração. Mantenham os vossos olhos na Rússia. Não permitam que ele expanda a sua influência.

O oeste está descontraído. Eles dizem: “A Rússia é nossa amiga. A Rússia não é mais um problema”. Como podem ser tão loucos? O coração dos líderes russos ainda pertence a satanás. Não se deixem enganar pela aparente falta de meios. Satanás possui o seu coração e pode armá-lo num segundo. O que pensam que satanás está a fazer no Irão? Não é a delícia da Rússia? Não participa ele? A Rússia não está a descansar. Eles são participantes activos. Acordem! Eu quero a Rússia Consagrada ao Meu Imaculado Coração antes que seja demasiado tarde. Já é muito tarde.

 

79. A Consagração da Rússia e o Papado de Jerusalém

17 de Agosto de 2011

Jesus

Quando tudo for colocado no seu lugar, e quando todos os acontecimentos estiverem para acontecer, eu levantarei um filho para ser Papa. Ele será bem instruído nos Meus caminhos e ele não Me falhará. Eu tê-lo-ei instruído por muitos anos e então, através dos mais extraordinários acontecimentos, Eu o levantarei até onde jamais alguém pensou que ele chegasse.

Ele será um homem de Fé e caminhará só nos Meus Caminhos e na Minha Luz. Tudo será claro para ele, porque Eu lhe terei revelado tudo com antecedência. Não haverá dúvida ou hesitação.

As duas metas dum curto Papado

Por causa da confusão do mundo, ele colocará de lado várias das tarefas habituais, e focar-se-á nas tarefas que Eu lhe terei revelado com antecipação - a Consagração da Rússia ao Imaculado Coração e a mudança do Papado de Roma para Jerusalém. Estas serão as duas mais importantes metas do seu curto Papado.

 

91. Os efeitos de Consagrar a Rússia

31 de Agosto de 2011

Virgem Maria

O Meu filho João Paulo II consagrou-Me um ano e vejam o que aconteceu durante esse ano. O muro caiu e o comunismo foi derrubado, sem um único tiro ter sido disparado e sem ter sido declarada guerra.

Agora, Eu levantarei outra pessoa que fará uma Consagração maior, a que Eu pedi em Fátima. Todo o mundo saberá que isto foi feito, executada com todos os bispos e com o mundo a ver.

Um Papa com um coração ardente

2 de Março de 2013

Virgem Maria

Eu falarei claramente. As palavras devem ser como uma faca, directas ao coração. Não me dêem um Papa que não Consagre a Rússia ao Meu Imaculado Coração. Que ele não seja vago sobre isso. Já é tarde, muito tarde. Esta deve ser a sua principal meta. Consagrar a Rússia já deve estar no seu coração há anos. Eu rejeitarei todo o candidato para quem a consagração da Rússia não seja a principal no seu coração.

O Papa de Fátima

20 de Fevereiro de 2013

“Estou para elevar à Cátedra de Pedro o papa de Fátima, o papa que Me consagrará a Rússia, e que fará tanto mais. (…) O Meu Nome estará sempre nos seus lábios”.

 

(l) Ler mais Revelações de MSGR divulgadas pelo padre John Esseff  è

 

 

l CONCLUSÕES l é

 

Podemos afirmar, pois, que a Consagração não tendo sido feita à letra, o foi no espírito. Não tendo sido feita na hora ideal, o foi tardiamente. Mas o que parece certo é de que o Céu a aceitou. Tanto mais que, a todas as Consagrações se seguiram Graças imensas, derramadas do Céu sobre a Terra.

Em boa verdade, mesmo tendo sido as Consagrações feitas fora do tempo oportuno, para evitar os erros da Rússia e a Segunda Guerra Mundial, ainda vai ser feita uma nova Consagração, a seguir ao Triunfo do Imaculado Coração de Maria, pois na profecia contida no 2º Segredo de Fátima está afirmado:

«O santo Padre consagrar-me-á a Rússia que se converterá e será concedido ao mundo algum tempo de paz.»

Aprofundando o sentido desta frase e utilizando um raciocínio simples, concluímos que

Æ A Consagração da Rússia terá como consequência um tempo de paz. Ou seja,

Æ Pela existência de um tempo de paz, será certificada a Consagração da Rússia.

Æ Como ainda não houve nenhum tempo de paz concedido ao mundo, logo,

Æ Aquela Consagração final de que Nossa Senhora falou, ainda não foi feita.

Confirmando este encadeamento lógico apresentado acima, em Maio de 2014, na conclusão das 9 Peregrinações a pé a Fátima, prometidas e feitas pelo Juan Antonio, foram pedidas por Nossa Senhora mais 3 anos de Peregrinação Anual a pé a Fátima pela conversão da Rússia (2015, 2016 e 2017). Isto claramente indica que a conversão da Rússia, anunciada em Fátima, que se daria após a sua Consagração pelo Papa, em união com todos os Bispos do mundo, ainda não se deu, e, da mesma forma, que as anteriores Consagrações do mundo feitas pelos diversos Papas a partir de Pio XII, ainda não cumpriram os objectivos definidos pelo Céu.

A própria Virgem Maria confirmou, ao Padre Gobbi em três das Suas Mensagens posteriores a 1984, que a Consagração não foi feita.

Mensagem do dia 13 de Maio de 1987

“O meu pedido de que Me fosse consagrada a Rússia pelo Papa, juntamente com todos os bispos, não foi acolhido; assim, ela difundiu os seus erros em toda a parte do mundo.”

Mensagem do dia 10 de Junho de 1987

“Para o desenvolvimento dos grandes acontecimentos que vos foram preditos por Mim, é particularmente importante que, durante este ano, o Papa, com todos os bispos do mundo, Me consagrem a Rússia, atendendo finalmente ao Meu pedido feito à Minha filha Irmã Lúcia.”

 Mensagem do dia 13 de Maio de 1990

“A Rússia não Me foi consagrada pelo Papa com todos os bispos do mundo e, assim, não recebeu a Graça da conversão e difundiu os seus erros por toda a parte do mundo…”

Para que a Consagração final e definitiva da Rússia aconteça, devemos rezar muito e pedir ao Papa que a faça.

Mas mais importante do que concluir se a Consagração da Rússia foi ou não feita, é importante ganharmos a consciência da importância de uma Consagração, “lato sensu”.

O significado profundo de Consagração, é tornarmo-nos Um com o Sagrado.

A Consagração é, através de um acto expresso de vontade, unirmos o nosso ser ao de Deus. A Consagração ao Imaculado Coração de Maria é tornar a nossa vida ligada indissoluvelmente ao Coração Imaculado de Maria. Daqui decorre a importância de uma Consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria feita por um Papa, pois sendo ele o representante e o Vigário de Jesus na Terra, o seu poder de intercessão é muito maior do que o do comum dos mortais, assumindo assim uma força e uma importância acrescidas.

A Consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, torna-a unida ao Imaculado Coração de Maria de uma forma poderosa e duradoura, retirando-a da influência e poderio de satanás.

A Consagração da Rússia pode também ser feita por cada um de nós, não sendo no entanto tão poderosa como uma Consagração feita pelo Papa, pelas razões já expostas, mas deve ser feita e repetida quantas vezes o desejarmos. E quantas mais vezes a fizermos, mais estaremos a ajudar a Rússia a sair da influência do inferno. Assim estaremos também a ajudar o Papa a que a realize. Nesta tarefa do Papa Consagrar a Rússia, temos também a missão de fazer a Comunhão Reparadora dos Cinco Primeiros Sábados, tal como também foi pedido por Nossa Senhora.

Mas não é só Consagração da Rússia que é importante. Também a nossa própria Consagração o é. Daqui decorre a necessidade de fazermos e repetirmos diariamente a Consagração a Nossa Senhora.

 

Consagração a Nossa Senhora

Ó Senhora minha, ó minha Mãe, eu me ofereço todo(a) a Vós,

e em prova da minha devoção para convosco,

Vos consagro neste dia e para sempre,

os meus olhos, os meus ouvidos, a minha boca, o meu coração

e inteiramente todo o meu ser.

E porque assim sou Vosso(a), ó incomparável Mãe,

guardai-me e defendei-me como propriedade vossa.

Lembrai-Vos que Vos pertenço, terna Mãe, Senhora Nossa.

Ah, guardai-me e defendei-me como coisa própria Vossa

 

ou

Consagração ao Imaculado Coração de Maria

Rainha do Santo Rosário e Mãe Gentil dos homens,

Nós nos consagramos a Vós

E ao Vosso Imaculado Coração,

E Vos encomendamos a nossa Comunidade,

A nossa família, o nosso País e toda a Raça Humana.

Aceitai a nossa Consagração Amada Mãe,

E utilizai-nos como desejardes,

Para cumprir o Vosso desígnio sobre a Terra.

Oh Coração Imaculado de Maria,

Ensinai-nos como fazer que o Coração de Jesus

Reine e triunfe dentro e ao redor de nós,

Como há reinado e triunfado em Vós.

Amen.

ou

Consagração à Celestial Princesa

Bendita seja a Vossa Pureza,

e eternamente o seja,

pois todo um Deus se recreia

em tão graciosa beleza!

A Vós Celestial Princesa,

Virgem Sagrada Maria,

ofereço neste dia:

alma vida e coração.

Olhai-me com compaixão.

E não me deixeis, oh minha Santa Mãe!

 

 

 

Da mesma forma que vimos as Graças derramadas sobre o mundo após cada uma das Consagrações do mundo feitas pelos Papas, também pudemos assistir à importância que teve a Consagração de Portugal feita pelo Presidente da República, General Francisco da Costa Gomes, em 14 de Setembro de 1975. Imediatamente no mês seguinte, foi derrubado o regime comunista que estava a ser implantado em Portugal, através da valorosa intervenção delineada pelo General Costa Gomes e levada a cabo pelo então Tenente-Coronel António Ramalho Eanes, no dia 25 de Novembro de 1975.  

l Para ler mais sobre esta Consagração de Portugal de 1975  è

Pergaminho da Consagração de Portugal feita pelo Presidente da República,

General Francisco da Costa Gomes, em 14 de Setembro de 1975

 

A Consagração da Rússia, que será feita num futuro próximo, trará também como consequência a queda da influência comunista e um tempo de Paz para o mundo.

A Consagração feita pelo próprio que é consagrado apresenta maior relevo, mas se for feita por terceiros, especialmente pelo Papa, pelo poder de que está revestido por Deus, também é poderosa. No entanto, dada a importância do envolvimento de terceiros num acto tão relevante, também só deverá ser feita em circunstâncias especialíssimas. Neste caso, só será ser feita após uma emergência de carácter internacional causada pela Rússia, e que a justificará plenamente.

Estou certo de que o Papa Francisco, a seu tempo, a fará!

 

 

é

 

http://www.amen-etm.org/ConsagracaodaRussia.htm

 

 C